O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo

A operação de resgate dos 12 jovens e do treinador que ficaram encurralados numa gruta no norte da Tailândia deu visibilidade a um termo por muitos desconhecido: espeleologia.

Imagem de destaque do artigo

«Em sentido figurado – como escreve a jornalista Rita Pimenta nesta sua crónica transcrita do jornal "Público" do dia 15/07/2018 –, resgate significa "remissão", isto é, "salvação do género humano"». Foi o que aconteceu na operação que retirou do interior de uma gruta, a norte da Tailândia, 12 rapazes de uma equipa de futebol, juntamente com o seu treinador, que aí tinham ficado presos, durante 18 dias – e que tanto emocionou o mundo.

Imagem de destaque do artigo

«No caso de "Volta à França", o nome é mais usado assim, com acento, embora também encontre, nalguns jornais, o uso de "Volta a França". Curiosamente, pronunciamos sempre da mesma maneira, pois mesmo sem artigo os dois "aa" ali seguidos transformam-se numa vogal aberta. Coisas da língua falada. (...)»

[Marco Neves, no blogue http://www.certaspalavras.net/volta-a-franca-e-erro-de-portugues/ Certas Palalavras, 4 de julho de 2018]

Imagem de destaque do artigo

«Uma das particularidades mais engraçadas é o prolongamento dos verbos através do acrescento de "estar a" – nota nesta cónica* o colunista e escritor português Miguel Esteves Cardoso. «Está dentro da regra geral de usar um máximo de vocábulos para ocupar um máximo de tempo porque obviamente no jogo da conversa ganha sempre quem fala mais.»

* in jornal "Público" do dia 6 de julho de 2018.

Imagem de destaque do artigo

«O algodão não engana». Há anúncios, como este,  que entraram na memória coletiva dos portuguese e passam a fazer parte da cultura popular – como se recorda neste artigo assinado pelo jornalista  Tiago Tavares no jornal digital "Observador", do dia 4 /11/2015.

 

 

Imagem de destaque do artigo

Portugal, topónimo, é também Portugal em espanhol, em catalão, em francês, em inglês, em alemão e em norueguês. Mas já em Itália é «Portogallo»«Portugália» na  Hungria», «Πορτογαλία» na Grécia e «Португа́лия» na Rússia onde decorre o Campeonato do Mundo de Futebol, de 14 de junho a 15 de julho de 2018. 

[artigo publicado  no portal SAPO24, de 24/06/2018 escrito pelo autor na véspera do jogo Irão-Portugal.]

Imagem de destaque do artigo

União, geografia, coleção, prazer, alienação – sintetizam, neste artigo do tradutor e professor Marco Neves, a vibração dos portugueses no acompanhamento do jogos da sua seleção no Campeonato de Mundo de Futebol, Rússia 2018. 

[in portal SAPO 24, de 17/06/2018]

Imagem de destaque do artigo
Crónica da autora, na sua coluna "Palavras, expressões e algumas irritações", no "Público"

«Nos últimos anos, este mar azul, de águas muito salinas e temperaturas amenas, tem sido notícia não pela geografia física, mas pela geografia humana. Em rigor, desumana.»

Imagem de destaque do artigo
«Cada língua humana possui a sua própria entoação para exprimir as emoções que Diderot compara com as cores do arco-íris»

«Um dia destes ia numa estrada – conta a jornalista Ana Sousa Dias, nesta crónica publicada no "Diário de Notícias" de 9 de junho de 2018 – e, de súbito, a voz de veludo que me indicava a rota – «a 500 metros, saia para a estrada» tal e tal – e que era de uma mulher brasileira, desapareceu dramaticamente e foi substituída por outra que desatou a dar-me ordens em castelhano. Palavras ditas com rapidez, sem misericórdia, sem a paciência (um pouco condescendente mas com alguma dança) da outra que tanto me tem feito rir ao pronunciar "cácem" em vez de Cacém, "márechal" em vez de Marechal. Já me apeguei a ela, por isso não procuro a tecla da voz portuguesa. Deve ser fácil mas escusam de tentar ensinar-me. Os acentos tónicos fora do sítio são uma bênção no meio do trânsito.»

Imagem de destaque do artigo
Contada por Fernando Pessoa

«A história do "conto de réis do Manuel Vigário" passou, abreviada, para a imortalidade quotidiana, esquecida já da sua origem. (...)»