O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
O género de covid
Afinal é «o covid» ou «a covid»?

«Se diferentes especialistas podem, de forma legítima, questionar qual a forma correta das palavras, o linguista vê aqui um fenômeno muito interessante: por que as pessoas atribuiriam gêneros distintos a esse item lexical? Mera indecisão, fruto de um amplíssimo desconhecimento? Parece-nos que esse juízo depreciativo impede a percepção das lógicas que subjazem à variação», afirmam Eduardo Henrik Aubert e Marcelo Módolo neste artigo sobre o género da nova palavra covid. 

Despedir e pedir
Verbos da covid-19

As notícias de que, em Portugal, há trabalhadores que escondem sintomas da doença covid-19, com receio de despedimento, dão o mote que leva à origem da palavra despedir e ao cotejo com o verbo pedir, que embora tenha sonoridades semelhantes, não partilha sentidos com despedir. Uma crónica da professora Carla Marques emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 12 de julho de 2020.

Português, língua nacional angolana – 2
As responsabilidades do segundo país com mais falantes de português no mundo

Segundo artigo* do jornalista, escritor e ex-ministro angolano João Melo sobre a situação do português no segundo país com mais lusofalantes em todo o mundo, depois do Brasil, com considerações ainda sobre o impasse no país sobre Acordo Ortográfico de 1990.

* in Jornal de Angola, de 8 de julho de 2020 (a transcrição conserva a  norma ortográfica do original, de 1945, ainda em vigor em Angola).

Na imagem, Novo dia alegre em Luanda – III (2016), de Álvaro Macieira. Fonte: página pessoal do artista.

Português, língua nacional angolana – 1
Política linguística precisa-se em Angola

«Que língua portuguesa é essa que os angolanos falam? Quando mais virou “mas” e sou é substituído por , por exemplo, a resposta pode ser perturbadora», escreve o escritor, escritor e ex-ministro João Melo, neste primeiro artigo* em que aborda a situação da língua portuguesa no segundo país da CPLP com mais lusofalantes, defendendo que tudo passa pela «escola» – com as indispensáveis «balizas (normas ortográficas, gramática, vocabulário, etc.).»

 *Publicado em 1 de julho de 2020 no Jornal de Angola, a que seguiu um segundo texto, ambos escritos conforme a norma de 1945, ainda em vigor no país.

Na imagem, Paisagem de Angola com embondeiro e figuras (1990), de Albano Neves e Sousa (1921-1995). Fonte: Invaluable.

Qual é a origem da palavra <i>avião</i>?
Máquinas, palavras e inventores

«Numa semana em que a TAP e a falta de aviões cheios de ingleses dominaram as notícias, investigo a origem da palavra avião» – declara o tradutor, professor universitário e divulgador de temas de linguística Marco Neves, a propósito do que foi notícia em 5 de julho de 2020. Crónica publicada no Sapo 24 e no blogue Certas Palavras e aqui transcrita, mantendo a ortografia original (norma de 1945).

O português, o espanhol e a intercompreensão
Ouvir a língua do vizinho

«Não se tenha a ilusão de que falar “portunhol” seja garantia de se ser compreendido, nem de se comunicar com mais eficácia do que falando português de forma pausada e bem articulada», observa* a linguista Margarita Correia na sequência do E-Fórum 2020 – Potencial das Línguas na Recuperação das Economias: Contributos do Espanhol e do Português, encontro que a Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).

*Artigo de Margarita Correia in Diário de Notícias do dia 7 de julho de 2020, a seguir transcrito com a devida vénia.

Português, língua nacional angolana
Um veículo de comunicação e um fator de unidade em Angola

«Dois fatores fazem do português uma língua nacional angolana: a pertença histórica e o alcance. [...] Em relação a pertença histórica, [...] o português é tão angolano como as restantes línguas existentes no país, pois foi nacionalizada pelos angolanos [...]. Quanto ao alcance, é por todos reconhecido que o português é a única língua de comunicação nacional dos angolanos e fator da sua unidade, o que, aliás, esteve na base da opção dos líderes independentistas em torná-la a língua oficial do país.» Estas considerações fazem parte do artigo que o jornalista e escritor angolano João Melo assinou em 5 de julho de 2020 no Diário de Notícias, a propósito do papel do português na coesão e identidade de Angola.

Ler também "Português, língua nacional angolana – 1" e "Português, língua nacional angolana – 2", em que o autor dá maior desenvolvimento ao tema.

As grafias duplas
Palavras com alternância do ditongo ou/oi (mas com o mesmo sentido)

Os pares louro/loiro, ouro/oiro ou touro/toiro mostram uma alternância fonética há muito aceite pela própria representação ortográfica. Trata-se de casos de dupla grafia, conforme explica a professora Lúcia Vaz Pedro neste apontamento originalmente publicado em 24 de abril de 2016 no Jornal de Notícias.

O trabalho e o ócio
Do trabalho para escravos ao trabalho que escraviza
O teletrabalho é um tema em cima da mesa depois da pandemia: deverá continuar ou não passa de uma exploração desregulada dos trabalhadores? E o que trabalhos que se perderam, como serão substituídos? Já o ócio, tão apetecível, é um conceito completamente banido desta nossa sociedade. Trabalho e ócio são os temas do apontamento de Carla Marques emitido no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 5 de julho de 2020.
 
No dia em que as fronteiras se abrem
A relação entre as línguas e a economia

No dia – 1 de julho de 2020 – em que Portugal e Espanha reabrem a fronteira, depois de três meses encerrada para evitar a propagação da covid-19, e no contexto do encontro virtual E-Fórum 2020 – Potencial das Línguas na Recuperação das Economias: Contributos do Espanhol e do Português, promovido em 2 de julho de 2020 pela Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), Ana Paula Laborinho, diretora da OEI em Portugal, sublinha* a importância económica das línguas, em especial, da portuguesa e da espanhola: «As duas línguas representam 800 milhões de falantes, mas também um mercado de consumidores à espera que a pandemia passe e as economias possam regressar ao novo normal e aos seus desafios.»

Artigo publicado no jornal Diário de Notícias no dia 1 de julho de 2020.