O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
Dos erros comuns aos estrangeirismos

«Como é que se pode saber quem fala ou escreve bem se não sabemos o que é o bom português?» – pergunta-se e responde-se neste ensaio da autoria de Carlos Maria Bobone, transcrito, com a devida vénia, do jornal digital português Observador, com a data de 17 de fevereiro de 2019. 

*publicado com o título original Dos erros comuns aos estrangeirismos: afinal, quem fala bom português? e escrito  segundo a norma ortográfica de 1945.

Imagem de destaque do artigo
Palavras-modismo feias

A família de palavras derivadas do verbo engajar é mais um modismo que está um pouco por todo o lado. Palavras feias que facilmente poderiam ser substituídas por outras, como nos mostra Carla Marques numa pequena crónica sobre a memória das palavras e sons. 

Imagem de destaque do artigo
Quando se esvazia o vocábulo ditadura

A pobreza envilece e atrofia o ser humano, mas poderá dizer-se que é o mesmo que uma ditadura? Em crónica escrita e lida para a rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Português de 17/02/2019, a linguista Ana Sousa Martins critica o esvaziamento da palavra ditadura, ilustrando-o com o exemplo de certo uso menos refletido no discurso jornalístico.

Imagem de destaque do artigo
Histórias de palavras
Por Marcos Neves

Inspirado na temática do dia dos namorados, Marcos Neves revela ao leitor a origem latina das palavras amor e coração, refletindo ainda sobre a proveniência incerta da palavra desejo. Uma crónica publicada originalmente no blogue Certas Palavras (que aqui se transcreve com a devida vénia).

Imagem de destaque do artigo
Histórias de palavras

Aurélio Moreira parte em busca de palavras perdidas, curiosas ou cuja fonologia ou a semântica sofreram evolução. Na presente crónica, conta a história da evolução dos verbos atazanarrefastelar-se e de nomes como catrafada, corneta ou catrapaço (crónica originalmente publicada no P3, secção do jornal Público, que aqui transcrevemos com a devida vénia).

Imagem de destaque do artigo
Da polissemia de um nome

     As partes do corpo são frequentemente associadas à exploração da polissemia dos sentidos. O nariz não é exceção, como nos mostra Carla Marques, num breve apontamento sobre as expressões em torno de nariz. 

Na imagem, Velho com Menino, de Domenico Ghirlandaio (1449-1494).

Imagem de destaque do artigo
Um modismo piroso e feio

Impactante é uma das palavras da moda. Usada para destacar o cariz positivo de algo que se avalia é a palavra disponível para se dizer bem, muito bem... As outras palavras que poderiam ser usadas voltam a ficar na prateleira. 

Imagem de destaque do artigo
Uma evocação do autor da celebrada frase «O óbvio ululante»

Nelson Rodrigues (1912 – 1980)  –  dos mais talentosos e criativos escritores em língua portuguesa (foi jornalista, romancista, folhetinista, ainda hoje considerado o mais influente dramaturgo do Brasil)  – recordado neste  artigo de Ruy Castro  sobre a sua faceta mais conhecida de cronista de costumes e de futebol. «O sol de derreter catedrais» ( para definir o Rio de Janeiro no verão), «Os jovens têm todos os defeitos dos adultos e mais um − o da inexperiência» e «O óbvio ululante» foram algumas das saborosíssimas frases de toda uma galeria de imagens e expressões ainda hoje celebradas. 

in Diário de Notícias de 2 de fevereiro de 2019

Imagem de destaque do artigo
Alguns lusismos da língua inglesa

São muitos os anglicismos identificáveis no uso do português contemporâneo. Mas quem  imaginaria que a língua inglesa guarda algumas palavras com origem no português? Um texto do professor universitário e tradutor Marco Neves, que o publicou como crónica no portal Sapo 24 e no blogue Certas Palavras em 3/02/2019.

Imagem de destaque do artigo
A expressividade no discurso

Confundidas frequentemente com os provérbios populares, as frases feitas caracterizam-se por ter um sentido implícito. Outra particularidade das frases feitas: a facilidade de memorização, têm dicção fácil, facilidade de compreensão e brevidade de palavras. É, o caso, entre outras, de «fossanga», «aguçar o dente», «baralhar e tornar a dar», «bater com o nariz na porta», «dar corda aos sapatos», «é esperto, mas não caça ratos», «encanar a perna à rã», «não andar (muito católico» ou «ser mais papista que o Papa» – como se regista nesta lista disponível no portal brasileiro NCultura, com data de 29 de janeiro de 2019.