O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Inglês gera «ditadura da língua»
Em 95% dos artigos científicos, apenas 1% é em português e em espanhol

 

Um relatório sobre a diversidade linguística no meio académico revela que mais de oito em 10 investigadores ibero-americanos escrevem no idioma anglo-saxónico, e não nas suas línguas maternas.

Artigo publicado no jornal espanhol El Pais (edição Brasil), com a data de 30 de julho de 2021 – a seguir trancrito, com a devida vénia.

O golfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020
Algumas notas sobre a sua terminologia
Por Ciberdúvidas

Apontamentos sobre a escrita de alguns termos e denominações da modalidade de golfe, presente nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, adiados para o período entre 23 e 8 de agosto de 2021 por causa da pandemia.

O râguebi nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020
Algumas notas sobre terminologia e escrita

Alguns aspetos lexicais e curiosidades à volta do râguebi (ou rúgbi), a propósito das provas desta modalidade que se disputam de 26 a 31 de julho de 2021 nos Jogos Olímpicos de Tóquio, os quais deveriam ter tido lugar em 2020, mas foram adiados devido à pandemia de covid-19.

A expressão «património mundial»
Escreve-se com maiúscula ou com minúscula?

«A expressão património mundial escreve-se com minúsculas iniciais, quando se trata de uma declaração (...) No entanto, quando tal designação aparece associada a uma distinção, geralmente atribuída a um monumento ou a uma cidade, poderá escrever-se com letra maiúscula.» A propósito dos sete novos locais inscritos pela UNESCO na lista de Património Mundial, a professora Lúcia Vaz Pedro esclarece a facultatividade na utilização da letra maiúscula ou da letra minúscula na expressão que atribui a distinção.

Vai uma baixadinha?
Sobre as traduções do inglês download

«É fascinante tentar medir a atracção que a palavra download exerce sobre as outras línguas» – declara o escritor Miguel Esteves Cardoso acerca do anglicismo download e do pouco sucesso que as formas vernáculas equivalentes têm tido entre  falantes do português. Crónica incluída no jornal Público em 23/07/2021.

Em bolsonarês claro
O vocabulário do presidente brasileiro

Desde que assumiu a presidência do Brasil, em 2019, «Jair Messias Bolsonaro surpreende com o seu vocabulário, totalmente diferente do usado por qualquer outro estadista do planeta ou por seus antecessores» assinala neste artigo o publicitário Washington Olivetto, publicado no jornal O Globo, do dia 19 de julho de 2021.

Avançar e recuar
Do espacial ao valorativo

Os verbos avançar e recuar têm, na sua base, uma significação espacial. Todavia, a sua significação evoluiu no sentido de lhes permitir valorar pessoas e situações, como explica a professora Carla Marques na sua crónica  emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, no dia 18 de julho de 2021.

Guia sobre os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020
Denominações e termos mais correntes
Por Ciberdúvidas

Conjunto de apontamentos sobre a escrita de alguns termos e denominações dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que, excecionalmente, por causa da pandemia, se realizam de 23 de julho a 8 de agosto de 2021.

Como falar buzinês
Um código para o uso da buzina

«[E]stou a aprender a linguagem portuguesa da buzinação e já vi que não será nesta vida que eu hei-de dominá-la» – lamenta o escritor Miguel Esteves Cardoso, que fala de um código para o uso da buzina do automóvel, o "buzinês", e cria termos para dois tipos de buzinadela – "cortinadela" e "curtinatória".

Crónica incluída no jornal Público em 9 de julho de 2021.

 

Recepcionou suporte para experienciar a sua resiliência?
Quando na língua as "modas" são retrocesso

Há «palavras que têm vindo a substituir, automaticamente, outras bem mais simples, e muitas vezes sem atender ao seu real significado», escreve * o jornalista português Nuno Pacheco, criticando certos modismos, como é o caso a troca de expressões vernáculas por neologismos (experienciar, gerenciar) e estrangeirismos semânticos (resiliência) que obscurecem a comunicação.

Artigo de opinião incluído no jornal Público em 8 de julho de 2021.