O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
Sobre o imoderado uso de um termo próprio da psicologia e da estética

 «A passagem da palavra empatia de um uso técnico e erudito para um uso corrente, induzido pela linguagem dos media, é um daqueles fenómenos que podia ser estudado por uma sociologia linguística» – escreve neste apontamento o autor,  publicado no suplemento Ípsilon, do jornal Público, no dia 9 de agosto de 2019.

Imagem de destaque do artigo
Usar o verbo meter em substituição do verbo pôr

É sabido que a língua portuguesa é riquíssima e facilmente um termo é substituído por outro, por ser seu sinónimo. Nesta crónica publicada em 27 de julho de 2019, no PúblicoMiguel Esteves Cardoso faz uma análise do uso do verbo meter em substituição do verbo pôr, possibilidade que é questionável em certos contextos. Texto transcrito com a devida vénia do referido jornal (manteve-se a ortografia do original, anterior à do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa).

 

Imagem de destaque do artigo
Multiplicação que nem o inglês nem o espanhol podem reivindicar

Chegou a ser língua franca no tempo das Descobertas, e por isso os japoneses ainda dizem koppu para copo, mas com grande ajuda do gigante Brasil, o português é ainda o sexto idioma mais falado no mundo e o mais usado no hemisfério sul, mérito também de Angola e Moçambique.

[artigo do autor, publicado no Diário de Notícias, com a data de 13 de julho de 2019.]

Imagem de destaque do artigo
Para relatores turvados pela emoção

A emoção do relato de uma final pode reduzir drasticamente o léxico do relator, como aconteceu no jogo em que Portugal se sagrou campeão mundial de hóquei em patins. Para que as palavras não voltem a faltar, aqui fica uma lista de adjetivos qualificativos de feitos desportivos. 

Imagem de destaque do artigo
Ecos da história na língua em uso

«A dar com pau», «bucho cheio»,«disputar a nega», «nas coxas»«meia tigela» ou «para inglês ver» fazem parte, há muito, da linguagem popular de qualquer falante do português. Poucos saberão, no entanto, que elas chegaram até nós de um ignominioso e bem longo período da história do Brasil: a escravidão. 

[texto transcrito do portal brasileiro Vermelho, com a data de 4 de julho de 2019.]

Imagem de destaque do artigo
Um uso comum ao inglês e ao português

Que diferença faz a vírgula quando se comparam as frases «fui à Figueira da Foz com a minha filha Sara» e «fui à Figueira da Foz com a minha filha, Sara»? E entre «o segundo casamento dela com o Michael» e «o segundo casamento dela, com o Michael»? Miguel Esteves Cardoso explicita o contraste em crónica publicada em 10/07/2019 no jornal Público.

Imagem de destaque do artigo
Uma lista com a alternativa em português

Os estrangeirismos em Portugal proliferam sem controlo. A área da moda não é exceção, facto que se deve, principalmente, às redes sociais, onde os chamados influencers, ou influenciadores, usam e abusam dos termos que conhecem, se se preocuparem em encontrar uma tradução. 

Imagem de destaque do artigo
Histórias com sentidos

«Um dia, à família “dade”, a original, sempre tão perfeita e equilibrada, chegou a fatalidade. Nasceu um novo membro, que se apresentou como LhanezaLhaneza?! O repúdio uniu os “dade”. Como era possível a família ter um membro sem o apelido “dade”?» Uma história à procura dos sentidos das palavras num mundo de homens, contada por Carla Marques.

Imagem de destaque do artigo
Falar ou escrever para não se fazer entender

Na comunicação social, na esfera académica ou na vida administrativa, circulam muitos textos pouco ou nada inteligíveis. Será problema de quem lê, por ignorância, ou de quem fala ou escreve, para disfarçar incompetência e esconder propósitos inconfessáveis? A linguista Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, critica a falta de clareza de linguagem em crónica difundida na rubrica "Cronigramas", do programa Páginas de Português, emitido no dia  de 7 de julho de 2019.

Imagem de destaque do artigo
Histórias com sentidos

«Obnóxio, adjetivo de sua natureza, passeava-se pela Alameda das Palavras em busca de um substantivo solitário a quem pudesse emprestar alguma cor, num dia em que se sentia “funesto” e “nefasto”» Uma ficção que busca os sentidos das palavras, por Carla Marques.