O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
“Jajar” é resistir
O advérbio na resposta a ordens

«O “jajar” é uma das grandes armas da nossa cultura. Ao “jajarmos”, fazemos com que o mandador pareça impaciente, tirânico, caprichoso e surdo.» Crónica da edição de 5 de dezembro de 2021 do jornal Público e assinada pelo escritor Miguel Esteves Cardoso, que, a propósito do uso do advérbio como resposta a ordens («já vou», «já ouvi», «já faço»), cria o verbo "jajar", um neologismo para denotar a atitude de quem acata uma ordem sem pressa e com má vontade. Mantém-se a ortografia de 1945 em que está escrito o original.

 

<i>Saramago</i>
Nome de homem e de planta

O apelido do nobel português da Literatura, Saramago, dá matéria à crónica da professora Carla Marques, que explora a origem silvestre da palavra e os sentidos que Saramago lhe acrescentou, no programa Páginas de Português, da Antena 2, do dia 28 de novembro de 2021

 Falar <i>brasileiro</i> ou falar <i>americano</i>, <br> eis a questão!
A convivência entre as variantes das línguas

«Diz uma reportagem de O Globo online, de dia 16, que Luccas Neto "anunciou que passará a dublar os seus vídeos em português ... de Portugal". Alguém imagina a Disney a dobrar os seus filmes em inglês ... de Inglaterra? Imaginam as criancinhas inglesas a fazer terapia por falarem "americano"?» – pergunta  a linguista Margarita Correia, a propósito da aprendizagem das diferentes variantes do português, num artigo publicado no Diário de Notícias do dia 22 de novembro. 

Latim nosso que estais na Terra!
Uma língua que assentou arraiais na nossa vida

«O latim está na génese da nossa língua e de tantas outras línguas novilatinas (italiano; castelhano; galego; francês; provençal; catalão; romeno, corso, sardo, rético). Daí a semelhança entre muitas das palavras destes idiomas, como podemos observar no verbo perdoar» – sublinha a autora deste artigo, Cristina Fontes, publicado no dia 21 de novembro de 2021, no Correio do Minho, onde reflete sobre a importância e a presença do latim nos dias que correm.

 

Do infortúnio das siglas
DGS, FB, LP, PIDE, PVDE, RM, RN, UN...

Sobre a sigla DGS, tão falada em Portugal nestes tempos da pandemia da covid-19 – similar a uma outra igualmente bem conhecida, mas pelas mais sinistras razões, de antes do 25 de Abril de 1974 –, esta divertida crónica da autoria do jornalista, poeta e escritor luso-moçambicano Luís Carlos Patraquim

Qual será o palavrão mais usado em Portugal?
Começará por M? Por C? Ou talvez por F?

«Há uns meses, Gaston Dorren, autor de óptimos livros sobre línguas, perguntou-me qual é o palavrão mais usado em Portugal. Há muitos, claro, mas qual é aquele que todos dizemos quando damos com o pé na esquina da porta?» É a pergunta de partida que coloca o tradutor e professor Marco Neves numa crónica publicada no seu blogue Certas Palavras, em 15 de novembro de 2021. 

Docuficção, um neologismo cinéfilo
Em destaque na 12.ª edição do FesTin

Uma nova palavra que só agora teve consagração dicionaristica, apesar de já fazer parte do mundo do cinema há quase duas décadas. Define-se por juntar características do documentário tradicional e elementos ficcionais. 

<i>Miríade</i>
Dez mil estrelas ou dez mil corruptelas?

Na sua crónica noPrograma Páginas de Português, da Antena 2, do dia 14 de novembro de 2021, a professora Carla Marques aborda os significados da palavra miríade, a propósito do nome dado, em Portugal, pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária a uma investigação feita a militares por suspeitas de tráfico de diamantes e ouro em missões na República Centro-Africana, entre outubro de 2017 e março de 2018.

 

 

<i>Berbicacho</i>
Uma palavra na ribalta em Portugal

A professora Carla Marques aborda, neste apontamento, as nuances da palavra berbicacho: «Recentemente, berbicacho elevou-se ao mundo da política portuguesa. Sem se ter candidatado a nada e sem ter sido escrutinado, surgiu ao lado dos líderes de primeira água: ora de mãos dadas com o Presidente da República, ora lado a lado com o primeiro-ministro, serviu para descrever a situação que se vive em Portugal – de um orçamento que não se aprovou, a uma Assembleia que se dissolveu até eleições que se avizinham.»

Precisa mesmo dessa palavra?
O excesso de estrangeirismos

« [D]esengane-se quem pensa que os usamos apenas por necessidade linguística. A verdade é que os usamos, quase sempre, por moda, vaidade ou estatuto social», afirma Sandra Duarte Tavares num artigo de opinião disponível na revista Visão de dia 4 de outubro de 2021 acerca do uso excessivo de estrangeirismos.