O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Os nomes de família em Portugal
Uma breve perspectiva histórica

Estudo publicado por Nuno Gonçalo Monteiro em 2008 sobre a antroponímia portuguesas e as suas alterações desde a monarquia e as grandes mudanças que acompanharam o fim da Idade Média até à viragem do século XX. 

 

 

 

 

 

Vinte e três anos em vinte e três palavras
«Parabéns ao Ciberdúvidas!»

No dia em que o Ciberdúvidas comemora o seu 23.º aniversário, a professora Carla Marques escolheu 23 palavras para demarcar a essência deste projeto, a sua missão e as suas conquistas.

As palavras têm história
A propósito do livro "Assim Nasceu uma Língua", de Fernando Venâncio

Assim Nasceu uma Língua, o recém-pubLicado livro do professor universitário português Fernando Venâncio, abordado neste texto do jornalista José Mário Silva – a seguir transcrito na íntegra, com a devida vénia, da  revista do semanário Expresso, do dia 11 de janeiro de 2020. 

«Sem eira nem beira»
As prováveis origens de uma expressão popular

«Não ter eira nem beira» significa «ser muito pobre». Mas que têm as palavras eira e beira que ver com a pobreza? Um apontamento do historiador almadense Alexandre M. Flores dá conta do enquadramento histórico-cultural desta expressão.

Sexta-feira negra santa
Lição de filosofia da linguagem de uma operação de marketing

O (não) aportuguesamento do termo Black  Friday nesta  crónica*  do humorista Ricardo Araújo Pereira.

* in revista revista Visão, de  6 de dezembro de 2019

 Algumas curiosidades da palavra <i>saudade</i>
Da origem ao alargamento dos significados

Qual é a sua origem? É exclusiva da língua portuguesa? Neste artigo da National Geographic apresentam-se algumas curiosidades sobre a palavra saudade.

Três pequenas notas sobre <i>charro</i>, <i>insumo</i> e <i>sótão</i>
Casos de etimologia caprichosa

Cada palavra tem a sua própria história, entre as particularidades formais e semântico-referenciais das origens e o enquadramento mais ou menos regular na língua de que fazem parte. Em texto publicado em 27 de dezembro de 2019 no blogue Travessa do Fala-Só , o tradutor Vítor Lindegaard  propõe três etimologias: a de charro, talvez um empréstimo proveniente da Índia; a de insumo, outro empréstimo de origem castelhana difundido por via brasileira; e a de sótão, cujo significado em português contraria o de palavras estrangeiras com a mesma etimologia (cognatos) – sótano (castelhano) e sottano (italiano).

O til de Fernãdo Venãcio
A propósito de um livro sobre a génese do português

Depois de, em 2014, se terem comemorado os 800 anos de um dos primeiros documentos em português – o testamento de Afonso II –, o tema das origens da língua portuguesa regressa à atualidade graças à publicação de Assim Nasceu uma Língua, obra da autoria do linguista, crítico literário, tradutor e escritor Fernando Venâncio, que o publicou em outubro de 2019, com a chancela da editora Guerra e Paz. A propósito do lançamento deste livro, inovador e polémico, transcreve-se com a devida vénia a crónica que o historiador e político português Rui Tavares assinou no jornal Público em 23/12/2019.

Opções que arrasam
O uso belicoso e populista do verbo arrasar

Os usos do verbo arrasar, com significados que vão desde "destruir fisicamente" até a "destruir moralmente", passando por "destacar-se", parece estar definitivamente na moda para dizer quase tudo, de forma sensacionalista, como recorda Carla Marques neste apontamento. 

Advento
Sobre um comentário teológico à preparação do Natal

Comentando a reflexão o teólogo protestante Karl Barth (1886-1968) dedicou ao Evangelho de São Lucas, o poeta português Pedro Mexia declara: «[N]unca deixei de me sentir intrigado pelo Advento, tempo que, no calendário litúrgico, corresponde à preparação do Natal mas que também introduz uma humanização do divino». À volta do significado teológico do Advento, isto é, do período de quatro semanas antes do Natal, transcreve-se um  texto deste autor português, que o assinou em 14 de dezembro de 2019 no suplemento Revista do semanário Expresso.

Na imagem, Anunciação (1936), de Jorge Barradas (Lisboa, 1894–idem, 1971), Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado (Lisboa). Fonte: MatrizNet.