Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo

Novo texto da Sandra Duarte Tavares na sua colaboração mensal na edição digital da revista Visão de 7/05/2018 sobre 10 questões "traiçoeiras "do falante menos avisado.

Imagem de destaque do artigo
"De Cunhal a Salazar. Há ideologia nos nomes das ruas de Portugal (e muito mais)"

Um passeio pela toponímia de Portugal leva-nos à Rua Atlântida, ao Largo da Cerveja, a Sá Carneiro, a Cunhal e a Salazar, em Lisboa. O à Canada do Ceguinho, em Ponta Delgada, à Praceta Karl Marx, na Baixa da Banheira, ou ao Jardim do Bacalhau, em Chavestambém em Beja. Fora os topónimos culturais, os religiosos, os militares e os de cidades e países estrangeiros. Mas há também os antropónimos e designações relacionados com os Descobrimentos: Bartolomeu Dias, Pedro Álvares CabralDiogo Cão e Gonçalves Zarco, Boa Esperança, Navegantes, Descobertas, Caravelas e Naus. Etc. etc., etc. São ao todo 276 mil artérias com 82 mil nomes distintos no país analisados à lupa neste trabalho de Rui Passos Rocha publicado no jornal digital Observador, no dia 21 de abril de 2018, com o título, no original, "De Cunhal a Salazar. Há ideologia nos nomes das ruas de Portugal (e muito mais)".

Imagem de destaque do artigo

Sobre o filósofo muçulmano Al Farabi (872-945), de cujo nome derivou o termo  termo afarrabista  sebo no Brasil – neste texto do historiador e político português Rui Tavares, que se transcreve a seguir na integra do jornal "Público" de 2 de março de 2018.

Imagem de destaque do artigo

Palavras simples, frases curtas, simplicidade, clareza e poder de síntese são as regras básicas para nos fazermos entender... «tudo à primeira» – como recomenda Sandra Duarte Tavares neste texto transcrito da edição digita da revista Visão do dia 11/04/2018.

Imagem de destaque do artigo
Pérolas esquecidas da língua portuguesa
Por BBC Brasil

Amigo do alheio, dendoclasta, histrião, jacobeu, misólogo, onagro, peralvilho, sevandija e xenómano (xenômano, no Brasil) – são alguns termos injuriosos mais rebuscados e pouco conhecidos pelo comum dos falantes da língua portuguesa recolhidos nesta divertida ilustração, com origem na BBC Brasil.

Imagem de destaque do artigo

Os vários sentidos da palavra que designa o «pequeno mamífero insectívoro [com] os olhos pouco desenvolvidos, (...) as patas anteriores largas e robustas, que lhe permitem cavar galerias debaixo do solo, onde caça insectos e vermes», mas também relacionados com os humanos − neste apontamento* da jornalista Rita Pimenta, alusivo a um caso da atualidade portuguesa: a chamada operação policial e-toupeira, envolvendo dirigentes do Benfica.

* in suplemento P2 do jornal Público de 11 de março de  2018, na coluna da autoraPalavras, expressões e algumas irritações.

Imagem de destaque do artigo
... enquantro outros, não menos invulgares, há muito que deixaram de se usar

Em Portugal, Hillary, Adele, Barack, Excel ou Tesla são alguns dos pedidos aprovados para nomes de filhos de estrangeiros residentes no país – onde, em contrapartida, se vai perdendo no tempo outros usos genealógicos... não menos invulgares nos dias de hoje.

in Jornal de Notícias de 1 de janeiro de 2017

 

Imagem de destaque do artigo
A propósito do Dia Internacional da Mulher, 8 de março de 2018

Crónica do autor, no "Diário de Notícias" de 8 de março de 2018, alusiva ao Dia Internacional da Mulher de 8 de março de 2018 e o que atualidade nos traz no feminino do fim da proibição das mulheres sauditas na condução automóvel aos clubes de futebol.

Imagem de destaque do artigo

Crónica do humorista português Ricardo Araújo Pereira glosando o tema do "sexo das palavras", publicada na revista  Visão, de 15 de janeiro de 2018.

Imagem de destaque do artigo

«Seja qual for a ideologia, metáforas como vírus, purga, contágio, contaminação e infeção surgem com frequência na vida pública», escreve o jornalista e crítico literário Luís M. Faria neste texto publicado na Revista do semanário “Expresso” do dia 10 de fevereiro de 2018, a propósito do vocabulário tecnocrático que abunda na imprensa portuguesa.

*título da responsabilidade editorial  do Ciberdúvidas.