Paulo J. S. Barata - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Paulo J. S. Barata
Paulo J. S. Barata
30K

Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares. Tem os cursos de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo). É autor de trabalhos nas áreas da Biblioteconomia, da Arquivística e da História do Livro e das Bibliotecas. Foi bibliotecário, arquivista e editor. É atualmente técnico superior na Biblioteca Nacional de Portugal.

 
Textos publicados pelo autor

Pergunta:

Li o texto "Lagartos e lampiões. Alcunhas correntes para benfiquistas e sportinguistas" e creio, primeiro, que é impreciso dizer-se que a alcunha de "lagartos" começou em 1951, pois já existia antes, e, segundo, que é abusivo dizer-se que o Sporting oficializou esse epíteto, porque a mesma não é usada pelo clube. Podem, s.f.f., averiguar melhor o assunto?

Resposta:

Não é fácil definir o momento em que uma alcunha é cunhada e por quem, e muitas vezes pode até não ser inteiramente clara a sua explicação, desde logo porque é raro existirem registos escritos ou orais que o demonstrem e expliquem cabalmente.

A alcunha de "lagartos" deve ter sido atribuída aos adeptos do Sporting Clube de Portugal provavelmente por adeptos do seu principal adversário, o Sport Lisboa e Benfica, à medida que a popularidade e a rivalidade entre os dois clubes aumentava, num qualquer momento algures entre os anos 30 e 50.

O Sporting tem como símbolo um leão rampante, ou seja, em pé, apoiado sobre as patas traseiras e com as patas dianteiras erguidas e as garras estendidas, simulando uma posição de ataque ou de defesa. O leão é representado de perfil e exibindo a língua. Simboliza a bravura, a força e a nobreza. O Sporting tem ainda como cor dominante o verde. Uma forma de apoucar e amesquinhar o clube seria reduzir o leão, animal majestoso e de grande porte, a um animal rastejante e de pequeno porte, e verde, como a cor do clube, o lagarto.

A razão pela qual esta alcunha surgiu prende-se, muito provavelmente, com o facto de as versões mais antigas do leão, constantes do emblema do clube, bordadas nos equipamentos, e até impressas ou estampadas, serem mais rudimentares do que as que hoje conhecemos. Nelas o leão, visto depreciativamente, podia-se assemelhar pela forma e cor a um lagarto. Os adversários assumiram-no, passaram a dizê-lo e assim ficou.

É facto também que, em 1951, no âmbito do plano financeiro das obras do anterior Estádio José Alvalade, o Sporting efetuou uma emissão de títulos de subscrição, reembolsáveis, destinados a sócios e adeptos, a fim de custear a sua construção. É sabido que o Estado, ontem ...

<i>Sologamia</i> = <i>autocasamento</i>
Casamento consigo próprio

Sologamia é o neologismo que Paulo J. S. Barata comenta neste apontamento dedicado às muitas possibilidades de relação pessoal, afetiva e sexual que hoje se referem e debatem em páginas da Internet.

<i>Epistemicídio</i> = «genocídio cultural»
O apagamento das culturas autóctones

«De forma estrita e literal, epistemicídio refere-se à "morte do conhecimento"» – refere o consultor Paulo J. S. Barata sobre o uso de epistemicídio por uma política portuguesa.

<i>Blogodesenvolvido</i> e as palavras da família de <i>blogue</i>
A inventividade dos falantes

«A inventividade dos falantes e escreventes é realmente infinita e a palavra blogodesenvolvido é pelo menos imaginativa, e pretende significar, como se depreende pelo contexto de escrita, "algo, assunto ou tema, que é desenvolvido num blogue"» – observa o consultor Paulo J. S. Barata acerca da família de palavras de blogue, palavra que teve grande voga na primeira década do presente século.

A expressão «vai na fé!...»
Ou «confio que está tudo bem»

«"Vai na fé" parece ser uma expressão popular e que [...] pode também servir como forma de encorajamento» – refere o consultor Paulo J. S. Barata num apontamento dedicado a uma expressão que se tornou moda em Portugal, entre a população juvenil.