Paulo J. S. Barata - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Paulo J. S. Barata
Paulo J. S. Barata
6K

Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo).

 
Textos publicados pelo autor

Há editores que usam o que alguns chamam «composição à inglesa», em que a primeira linha do primeiro parágrafo de cada capítulo não está sangrada, isto é, indentada ou recuada em relação à margem1, mas as restantes primeiras linhas dos demais parágrafos estão.

Este é, por exemplo, o caso da História da Língua Portuguesa (Lisboa, Edições Sá da Costa, 1982, pág. 21), de Paul Teyssier, de que se reproduz o início de um dos capítulos:

O propósito da indentação nas primeiras linhas dos parágrafos é gráfico e visa orientar o leitor e facilitar a leitura. É possível que na origem da primeira linha não sangrada do primeiro parágrafo de um capítulo com «composição à inglesa» esteja o facto de justamente se tratar da primeira linha a seguir a um título, e por isso mesmo não carecer de qualquer marcação tipográfica adicional – dada pelo recuo do parágrafo – para a orientação do leitor.

 

1 Este preceito vem mencionado, por exemplo, no New Oxford style manual (2.ª ed. Oxford: Oxford University Press, 2014, p. 16): «The first line of text after a chapter, section, or subsection heading is set full out to the left-hand margin, with no paragraph indentation. The first line of every subsequent paragraph is normally indented; the style in which paragraphs are separated by a space and the first line of every paragraph is set full out is characteris...

Há diferenças. A barra oblíqua (/) é mais comum e tem múltiplos usos. Um dos mais frequentes é o seu uso na linguagem corrente com o significado de ou em palavras aparentadas (ex.: óleo/azeite) ou em oposição (ex.: água/vinho). É igualmente usada com o valor simultâneo de e e de ou na comummente utilizada expressão e/ou (ex.: «pode utilizar lápis e/ou esferográfica», ou seja, pode utilizar lápis, esferográfica ou ambos). Integra o símbolo das percentagens (ex.: 1%) e das permilagens (ex.: 1‰) e é também usada como sinal de separação em frações (ex.: ½), em abreviaturas (ex.: A/C – «ao cuidado de»; R/C - «rés-do-chão»), ou em datas (ex.: «dia/mês/ano», a ordem mais comum entre nós; ou «ano/mês/dia», a ordem mais comum nos países anglo-saxónicos). É também usada como substituto de por em expressões numéricas (ex.: «a velocidade máxima são 120 Km/h»). Ainda com o valor de ou é utilizada para indicar números de telefone alternativos (ex.: 21 798 20 00/01). E na referenciação de leis, decretos-lei e outras tipologias jurídicas usa-se para separar o número do diploma do respetivo ano (ex.: «Decreto-lei n.º 3/2017»).

Tem ainda usos em áreas mais específicas. Por exemplo, na catalogação de documentos é utilizada para separar o título da obras do(s) respetivo(s) autor(es) e de outras menções de responsabilidade (ex: Os Maias / Eça de Queirós), e nas pesquisas mais complexas em bases de dados bibliográficas – assentes na álgebra booleana, baseada na teoria dos conjuntos – um dos operadores booleanos é «OU» («OR»), por vezes representado por «/» ou por «|». Este operador «OR» permite combinar di...

Réchampir usa-se em pintura, nas artes decorativas e também na construção civil, para referir a pintura de contornos, de pormenores, de detalhes, de elementos decorativos, em cor contrastante com o fundo em que se integram. Não existe – que conheçamos – uma tradução que exprima com precisão o conceito de réchampir. A que mais se pode aproximar será talvez «realçar». Teríamos assim de cunhar uma expressão composta – por exemplo: «pintura de realce», ou similar – que, porém, não parece ter uso em português. O que é de uso para exprimir a ação de réchampir é fazer menção do elemento que se quer destacar e eventualmente de um verbo como pintar, decorar ou outro, por exemplo: «com filetes pintados a branco», «com frisos pintados a branco», «com bordadura pintada a branco», «com elementos decorativos pintados a branco», «com barras pintadas a branco», «com cimalha pintada a branco».

Imagem de destaque do artigo

«Dirija-se à caixa automática para pagamento ou contato com a EMEL».

Um destes dias, no parque de estacionamento junto à estação de Metro de Entrecampos, em Lisboa, dei com o aviso da EMEL, cujo texto se reproduz acima. (...)

Imagem de destaque do artigo

«Pelo que li, Jorge Ferreira está de consciência tranquila quanto
aquela arbitragem que fez no jogo Paços [de] Ferreira-Benfica.»
A Bola, 26 de fevereiro de 2016, p. 43.

Não é «aquela arbitragem» mas «àquela arbitragem». (...)