Inês Gama - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Inês Gama
Inês Gama
997

Licenciada em Português com Menor em Línguas Modernas – Inglês pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e mestre em Português como Língua Estrangeira e Língua Segunda (PLELS) pela mesma instituição. Fez um estágio em ensino de português como língua estrangeira na Universidade Jaguelónica em Cracóvia (Polónia). Exerce funções de apoio à edição/revisão do Ciberdúvidas e à reorganização do seu acervo.

 
Textos publicados pela autora

Pergunta:

Saudações a todos aqueles que fazem parte desta maravilhosa equipa!

Gostava de saber se há alguma diferença entre variação, variedade e variante. Se sim, qual?

Desde já agradeço!

Resposta:

Desde já, agradecemos as palavras de apreço.

Do ponto de vista da terminologia linguística, os termos variação, variedade e variante estão interligados e descrevem situações relacionadas com a diversidade e mudança da língua.

Segundo o Dicionário Terminológico (DT), variação consiste na «propriedade que as línguas têm de se diferenciarem em função da geografia, da sociedade e do tempo, dando origem a variantes e a variedades linguísticas», ou seja, tal como Helena Mira MateusEsperança Cardeira esclarecem em Norma e Variação1, a variação é um fenómeno presente em todas as línguas e que se traduz pela diversidade do seu uso pelos falantes. Pode manifestar-se como variação diacrónica (no tempo), variação diatópica (geográfica), variação diastrática (na sociedade) e variação diafásica (modalidades de expressão).

No que concerne ao termo variedade, de acordo com o DT, este diz respeito às «diferentes formas que a mesma língua assume ao longo da sua extensão territorial. A estas variedades chama-se também "dialetos regionais" ou, simplesmente, “dialetos”»; isto significa, que variedade se traduz na divisão que se pode aplicar a uma determinada língua e que é definida por um conjunto de marcas linguísticas próprias de uma comunidade restrita.

variante define-se como uma «unidade linguística que constitui alternativa de outra» (Cf. Infopédia

A concordância em Português como Língua Estrangeira
Reflexão sobre a aquisição/aprendizagem das suas regras

«Na minha curta experiência de docente de PLE, tenho encontrado inúmeros problemas relacionados tanto com a concordância nominal como com a concordância verbal. Muitos dos alunos dos níveis iniciais, independentemente da sua língua materna, revelam pouca consciência da concordância...» – reflete Inês Gama, neste apontamento sobre o ensino da concordância em Português como Língua Estrangeira.

Pergunta:

Como substituir a expressão «nada pessoal»? Existe a palavra "apessoal"?

Resposta:

A expressão «nada pessoal» pode ser substituída pela palavra impessoal que, segundo o dicionário em linha Infopédia significa genericamente «que não é pessoal, que não se refere ou não pertence a uma pessoa particular» e, entre aceções mais específicas, «que revela distanciamento ou frieza, distante, indiferente»1. Pode-se, por exemplo, usar o vocábulo impessoal ao invés da expressão «nada pessoal» em frases como:

(1) O António recebeu um tratamento impessoal.

Todavia, se se tiver em conta a utilização da expressão fixa «nada pessoal», isto é, o seu uso em situações como «Isto não é nada pessoal», então está-se perante uma expressão presente num discurso marcado por alguma informalidade e que funciona como um pedido de desculpas por uma determinada ação/decisão. Algo equivalente a «não interpretes como um ataque à tua pessoa; a decisão não está ligada ao facto de seres tu». 

No que concerne à palavra apessoal, não se encontram ainda registos nos dicionários consultados (cf. Infopédia, Priberam, Michaelis e Houaiss). Também numa pesquisa no Corpus do Português, de Mark Davies, não foram encontrados resultados associados a este vocábulo. Mesmo assim, seguindo um paralelo com o par imoral e amoral, bem como a...

O ensino de <i>ser</i> e <i>estar</i> em Português <br>como Língua Estrangeira
Tratamento dos diferentes usos destes dois verbos nos materiais didáticos

«O acesso a materiais autênticos produzidos na língua alvo é extremamente importante, pois auxilia o aprendente a perceber e assimilar padrões linguísticos disponíveis na linguagem do quotidiano» – alerta Inês Gama, neste apontamento sobre o ensino dos verbos ser e estar em Português como Língua Estrangeira (PLE). 

Pergunta:

Qual a frase correta?

«Foram realizadas centenas de protestos», ou «foram realizados centenas de protestos»?

Resposta:

Ambas as frases podem ser linguisticamente aceites, uma vez que, tal como assinalam Peres & Móia em Áreas Críticas da Língua Portuguesa, a concordância ou com o primeiro elemento nominal do sujeito (centenas) ou com o segundo elemento (protestos) «parecem gozar de aceitação generalizada da comunidade linguística…» (pág. 473).

Ambas as frases apresentadas são estruturas passivas e têm como sujeito «centenas de protestos». Ora, sintaticamente, o particípio do verbo «realizar» deve concordar em género e número com o sujeito da frase. Contudo, o sujeito destas frases é composto por dois elementos: o nome feminino centenas e o nome masculino protestos que está encaixado no sintagma nominal.

Geralmente, a concordância com o verbo deve ser determinada pelo elemento nuclear do sintagma nominal, neste caso o nome centenas, por isso, a forma participial do verbo realizar pode assumir a sua forma do feminino. Todavia, tal como Peres & Móia fazem notar, em situações, como a apresentada na pergunta, em que estão envolvidas a concordância em género com os particípios, a preferência de muitos falantes vai, ao contrário do que acontece na generalidade dos casos, para a concordância com o nome mais encaixado, que neste caso é protestos. Daí a frase «foram realizados centenas de protestos» não ser considerada incorreta.

Note-se ainda que ex...