Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Abertura Ver mais

1. A construção dos sentidos das palavras está em constante frenesim. De tal forma que os falantes hesitam: «amargura do café» ou «amargo do café»? E ainda «avião desviado» ou «avião divergido»? A propósito, qual a diferença entre estore e persiana? Também acontece não se saber como verbalizar a realidade: palote ou paloxe são palavras? A passagem das palavras isoladas às suas possibilidades de combinação também gera dúvidas: «nomeado para» ou «nomeado a»? A transferência da modalidade oral para a escrita traz uma indecisão quanto à classificação de uma oração que corresponde ao relato do discurso direto. Por fim, as palavras claro e claramente colocam dificuldades no que respeita à sua integração numa dada subclasse de advérbios. São estas as questões que se encontram na  presente  atualização do Consultório do Ciberdúvidas,.

2. Na rubrica O Nosso Idioma, encontramos a história da evolução de algumas palavras, trazida pelo jornalista Aurélio Moreira, numa crónica que transcrevemos, com a devida vénia, do suplemento P3 do jornal Público. Nela, o cronista conta-nos que atazanar tem origem no verbo atenazarcatrafada é uma corruptela de catrefada. Acrescentamos, porém, que, contrariamente ao que defende o autor, é muito discutível que dezasseisdezassete dezanove resultem da alteração fonética de dezesseisdezessete e dezenove, supostamente mais antigas. 

3. Também Marcos Neves, professor universitário e tradutor português, nos leva numa viagem pela história das palavras coração, amor desejo, numa crónica publicada originalmente no seu blogue Certas Palavras e que transcrevemos na secção O Nosso Idioma. Desde o latim a proveniências mais obscuras que nem sempre é possível deslindar, assim é feita a viagem de muitas palavras que usamos no nosso quotidiano. 

4. A exploração do sentido das palavras e a poesia que daí nasce leva-nos à nova publicação de José Carlos Fonseca, presidente da República de Cabo Verde e poeta. Um livro intitulado A sedutora tinta das minhas noutes, que reúne poemas selecionados pelo também poeta Arménio Vieira, vencedor do Prémio Camões 2009.

5. As palavras que transmitem saber e pensamentos motivam mais um encontro no "Camões dá que falar", que convida António Sampaio da Nóvoa, professor universitário português, para falar sobre os 500 anos da viagem de Magalhães e os 50 anos da ida à Lua. No Auditório Camões, em Lisboa, no dia 18 de fevereiro pelas 18H00.

6. No âmbito dos programas de rádio, recordamos que Língua de Todos* (emitido pela RDP África) passará uma entrevista com a professora Cristina Vieira da Silva, da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, do Porto, que abordará a questão da formação de professores de português do 1.º e 2.º ciclos do Básico e a necessidade de os dotar de profundos conhecimentos de gramática. Por sua vez, o programa Páginas de Português* (na Antena 2) estará à conversa com Mariana Oliveira Pinto, professora na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, abordando o tema da relação entre a compreensão do funcionamento da língua e o desenvolvimento de competências de escrita.

* Língua de TodosRDP África, sexta-feira, 15 de fevereiro, 13h15, com repetição no sábado, dia 16 de fevereiro, depois do noticiário das 9h00 + Páginas de PortuguêsAntena 2, 17 de fevereiro, 12h30, com repetição no sábado seguinte, dia 22 de fevereiro, pelas 15h30. Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.

7. Um registo final, de pesar, pelo falecimento do jornalista português José Queirós (1952-2019). Com um largo percurso profissional, foi um dos fundadores do jornal Público e seu primeiro Provedor do Leitor – função exercida com uma especial preocupação para com o mau uso da língua na imprensa.  Recordem-se, a propósito, as crónicas Erros ortográficos, pontapés na gramática, excesso de estrangeirismos...; Os erros de escrita não são inevitáveis; O recurso desnecessário aos estrangeirismos e o tremendismo verbo «arrasar»; e Estrangeirismos, neologismos, tecnicismos e vulgarismos na linguagem do jornal.