Imagem da abertura

1. A comunicação mediática continua a dar conta da tensão entre os EUA e a China, da guerra na Ucrânia, dos conflitos laborais no Reino Unido e em Portugal, da inflação galopante e da imparável degradação ambiental. Mas destacam-se ultimamente os avanços em IA, abreviatura de Inteligência Artificial, ao ponto de a revista Nature revelar a publicação de artigos científicos em que é coautor o ChatGPT, um chatbot1 recente, suscitando reações entre o entusiasmo e a apreensão. Um tema que foi também notícia em Portugal, pelo destaque dado ao prémio Vencer o Adamastor, cuja primeira edição teve como vencedor Gonçalo Correia, dos quadros da Priberam e professor convidado do Instituto Superior Técnico, com um trabalho intitulado Modelos Neuronais mais Transparentes e Compactos Usando Esparsidade. Sobre esparsidade, que deriva de esparso, «solto, espalhado», observe-se que a palavra pode ocorrer como palavra não especializada com o significado genérico de «qualidade do que é esparso, do que se encontra disperso»; em IA, a palavra evoca a expressão «matriz esparsa», um conceito que provém da álgebra linear numérica e designa uma matriz algébrica que possui uma grande quantidade de elementos com valor zero (informação colhida na Wikipédia).

 1 Um chatbot é um «programa desenhado para simular uma conversa com utilizadores humanos, utilizado sobretudo em ambiente online» (Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa.). Mais informação  aqui.

2. Como se explica que um erro escolar seja aceite sem censura em textos de autores literários? A observação parece justificar-se perante as muitas dúvidas que suscita a colocação de vírgulas antes da conjunção e, mas encontra resposta no Consultório, onde outros tópicos são também esclarecidos: o significado de iteroparidade; o uso de alíneas em documentos jurídicos; o regionalismo «das horas que...» (Brasil); os advérbios de modo atenciosamente e cordialmente; a concordância verbal; o impartivo de introduzir; o futuro perfeito do conjuntivo. Finalmente, voltando ao domínio da informática, agora aplicada às línguas, pergunta-se: é possível um algoritmo que diferencie a escrita do Brasil da escrita de Portugal?

3. Ainda falando de ciência e tecnologia, diga-se que o termo algarismo é recorrente. Em O Nosso Idioma, transcreve-se, sobre a origem desta palavra, um apontamento do professor universitário e tradutor Marco Neves.

4. Na rubrica Diversidades, disponibiliza-se o artigo que a linguista e professora universitária Margarita Correia publicou no Diário de Notícias, em 30/01/2023, acerca da língua curda, da sua diversidade e das dificuldades encontradas para manter a unidade.

5. O desaparecimento de Cleonice Berardinelli, decana dos estudos brasileiros sobre a literatura de Portugal, é tema comum aos dois programas de rádio da Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Para recordar a figura e a obra da especialista, são convidados:

– o crítico António Carlos Cortez, em Língua de Todos, programa difundido na RDP África, na sexta-feira, 03/02/2023, às 13h20* (repetido no dia seguinte, c.  09h05*);

Gilda Santos, coordenadora do Real Gabinete Português de Leitura e discípula de Cleonice Berardinelli, em Páginas de Português, transmitido pela Antena 2, no domingo, 05/02/2023, às 12h30* (repetido em 11/02/2023, às 15h30*). 

Entre os programas que, na rádio pública de Portugal, versam sobre temas do português, refira-se ainda Palavras Cruzadas, realizado por Dalila Carvalho e transmitido pela Antena 2, de segunda a sexta-feira, às 09h50 e às 18h50*.

* Hora oficial de Portugal continental.

6.  Um registo final para o artigo de opinião do economista Luís Aguiar-Conraria, no semanário Expresso de 2/2023, que, comentando a decisão de inconstitucionalidade proferida pelo Tribunal Constitucional sobre a lei da eutanásia em Portugal, se apoia numa antiga resposta do Ciberdúvidas, a respeito das conjunções coordenativas e e ou.

Sobre este mesmo tema, cf. Abertura de 31/01/2023

Ver mais
Destaques