Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Abertura Ver mais

1. As palavras têm a capacidade de mudar o mundo, mas são também os acontecimentos que vão tendo lugar neste nosso mundo que desencadeiam a mudança lexical. O 25 de Abril, evento marcante na sociedade portuguesa do século XX, cujos 45 anos se comemoram, funcionou como agente de mudança e inovação lexical. A liberdade que o 25 de Abril trouxe influenciou também o léxico, como bem o atestou o uso generalizado de palavras como democracia, socialismo, comunismo, igualdade e da própria liberdade, termos que até então pouco integravam o léxico ativo dos falantes. O Ciberdúvidas evoca esta data, recordando alguns artigos associados ao tema: Palavras que nasceram com a década [1974-1984], de José Mário CostaO 25 de Abril no léxico português, de Margarita Correia, Nos 30 anos do 25 de Abril, de José Manuel MatiasJosé Mário Costa e ainda O 25 de Abril e a afirmação da língua portuguesa em África

Primeira imagem: 25 de Abril sempre, pintura mural

2. Neste mesmo dia 25 de abril comemoram-se ainda os 43 anos da Constituição Portuguesa, documento redigido pela Assembleia Constituinte e ratificado em 25 de abril de 1976. O vocábulo constituição tem estado na origem de diversas perguntas que aqui recordamos:  Anticonstitucionalmente e antoconstitucionalissimamenteA pseudopalavra 'inconstitucionalissimamente'Sobre a palavra 'inconstitucionalissimamente'"Inconstitucionalissimamente", de novoDivisão silábica de incontitucionalissimamente e Anticonstitucionalissimamente.

3. A mudança tem sido uma constante do século XXI sobretudo no âmbito tecnológico. A era digital tem a capacidade de gerar novas realidades que exigem uma constante renovação lexical. Este processo de mudança fica bem patente no conjunto de vocábulos / expressões que já sofreu um processo de adaptação à língua portuguesa: internetês, impressão digital ou identidade digital, são disso exemplo. Este fluxo lexical é contínuo e tem origem sobretudo na língua inglesa. Alguns destes termos entraram no português mantendo ainda a sua forma original: glamping, gummies, lamer, meme, muppies, plogger, vloger e outros tantos (cf. significados no apontamento do sítio Delas). Outras palavras acusam um processo de adaptação ao português ainda em curso, exibindo marcas como a flexão verbal em -ar: deletar, scanear ou googlar (que deveria assumir a forma guglar, esta sim verdadeiramente portuguesa) ou stalkear (stalquear?).

Recorde-se, neste âmbito, o artigo Português ganha 6000 novas palavras, que, no final do século XX, já antecipava um fenómeno de grande vitalidade lexical no mundo digital, e reações como Mais português, por favor, e menos estrangeirismos. 

4. De mudança também nos fala Miguel Esteves Cardoso, cronista do Público, num texto que mostra que a inovação lexical não se associa apenas à introdução de novos vocábulos, mas também à extensão do significado de vocábulos já existentes na língua: uma reflexão a partir dos usos recentes dos verbos evitar dispensar.

5. Há quem defenda que a mudança linguística deveria também ocorrer no sentido da eliminação de palavras marcadas por significados pejorativos ou histórica e eticamente censuráveis. É o caso dos termos/expressões que convocam noções racistas como denegrir, doméstica ou "trabalho de preto" ou ainda o adjetivo negro presente em expressões como "mercado negro", "lista negra" ou "ovelha negra" (cf. as 10 expressões racistas que deveríamos tirar do nosso vocabulário, uma proposta da jornalista brasileira Natália Eiras, divulgada na plataforma Universa). 

6. Os acontecimentos podem não produzir novas palavras, mas simplesmente convocá-las, trazendo-as a inúmeros textos orais e escritos. Foi o que aconteceu a propósito da tragédia que teve lugar no Sri Lanca (aportuguesamento de Sri Lanka - cf. aqui) que trouxe ao discurso mediático vocábulos como mortandade, ataque, carnificina, detonação, suspeito ou atentado

A descrição de situações desta natureza torna pertinente recordar algumas questões colocadas ao Ciberdúvidas: Assassínio e não "assassinato", Homicídio e assassínio, A diferença entre assassínio, assassinato e homicídio, Ainda o homicídio e o assassínio, A etimologia do substantivo e adjetivo assassino

7. A nova atualização do Consultório traz resposta a dúvidas relacionadas com a construção frásica («Qual a frase correta: «Estás a ver, meu estúpido» ou «Estás a ver, seu estúpido»?», «O verbo imaginar constrói-se com uma completiva com modo indicativo ou conjuntivo?» e «A construção «ter de/que» pede ênclise ou próclise do pronome átono?»), com a classe de palavras («Dele é pronome possessivo?») e com a edição («Quando usar idemibidem em citações bibliográficas?» e «Que ortografia adotar na referências a títulos de publicações antigas?»)

8. Destacamos ainda duas publicações e uma notícia:

— Na Montra de Livros apresenta-se a publicação Políticas linguísticas em português, com coordenação de Paulo Feytor Pinto  e Sílvia Pfeifer, uma obra que aborda assuntos variados relacionados com diferentes variantes do português;

— A publicação intitulada Portugiesisch – Weltsprache des Rechts, apresentada num artigo de Macaísta Malheiros, juiz desembargador reformado, onde se evidencia a importância da língua portuguesa no Direito mundial;

—  Notícia do portal Ibahia que refere que a falta de conhecimentos de língua portuguesa é um dos principais motivos para a recusa de candidatos a um emprego. Entre os problemas apontados encontram-se os erros ortográficos, o uso de abreviaturas, o léxico diminuto e a incapacidade de adequação lexical.

9. O fenómeno do contacto linguístico em Angola será o tema desenvolvido por Liliana Inverno, investigadora do CELGA-ILTEC, em entrevista ao programa Língua de Todos, emitido na RDP ÁfricaUma conversa onde abordará ainda as perspetivas para uma política linguística em Angola (na sexta-feira, dia 26/04, depois do noticiário das 13h00*, com repetição no dia seguinte, pelas 9h15). O programa Páginas de Português, da Antena 2, terá como convidada Ana Sousa Martins, consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa, para falar sobre a sua recente obra intitulada Contos com Nível, destinada à aprendizagem do português como língua estrangeira (domingo, dia 28/04, às 12h30 *, com repetição no sábado seguinte, dia 4 de maio, às 15h30*).

 * Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.