Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Abertura Ver mais

1. O uso do feminino mordoma causou estranheza pela sua inovação, a que o consultório procura dar resposta. Ainda, no domínio da semântica, um caso de ambiguidade polissémica na expressão «futuros desertos» leva a uma evidência sobre troca de classes de palavras. Também o pronome que volta ao terreiro, com diferentes classificações. O mesmo sucede com uma regência nominal, assim como um questão antiga e controversa sobre colocação do verbo no singular ou no plural em frases com a partícula se. Todas elas completam o rol das respostas desta semana*. 

* Pelas razões já anteriormente expostas, o Ciberdúvidas passou a assegurar as suas atualizações temáticas apenas uma vez por semana – agora à terça-feira. Entretanto, sempre que a atualidade ou a relevância informativa o justificar, não deixaremos de o assinalar nos Destaques que vão sendo renovados neste período.  

2. Na rubrica O Nosso Idioma assinalamos dois textos publicados no jornal digital Observador e no Público: um aprofundado trabalho de Rui Passos Rocha sobre os nomes e marcas históricas da toponímia portuguesa – são ao todo 276 mil artérias com 82 mil nomes analisados à lupa com base nos códigos postais do continente e dos arquipélagos da Madeira e dos Açores –, no primeiro caso; e, no segundo, crónica de Rui Tavares sobre o filósofo muçulmano Al Farabi (872-945), de cujo nome derivou o termo alfarrabista – sebo no Brasil.  

3. Na presente capicua do 25 de Abril em Portugal – que assinala neste ano o seu 44.º aniversário –, deixamos a sugestão de uma viagem por algumas das palavras e expressões mais marcantes entradas no léxico corrente** no país, depois da ditadura do Estado Novo

** O 25 de Abril no léxico portuguêsPalavras do 25 de Abril (1974-2014) + O 25 de Abril e a afirmação da língua portuguesa em África 

4. Lembrando, ainda, que esta e demais datas históricas, festas ou festividades – tal como prescreve a e) do ponto 2 da Base XIX do Acordo Ortográfico de 1990 – se escrevem com a maiúscula inicial no mês correspondente. Fora deste contexto específico já se empregaria a minúscula inicial. Portanto: o 25 de Abril, o 10 de Junho, 5 de Outubro, o 1.º de Dezembro, etc.; mas: no dia 25 de abril, a 10 de junho, em 5 de outubro, na data de 1 de dezembro, etc.

Cf. Com o Acordo Ortográfico, escreve-se 25 de Abril ou 25 de abril?