O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Os nomes da colinas de Lisboa
A toponímia da cidade, da lenda à história
Por Núcleo de Toponímia do Departamento do Património Cultural

«As encostas nem sempre foram sete. Damião de Góis contou cinco e Cristóvão Rodrigues de Oliveira, ambos no séc XVI, contou quatro. Finalmente, Frei Nicolau de Oliveira, no século seguinte, tirou as teimas e fechou a conta em sete (...).»

Sobre as origens míticas do nome de Lisboa e as marcas da conquista cristã na toponímia da cidade,cheia de hagiónimos, este apontamento do Núcleo de Toponímia do Departamento de Património Cultural,da Câmara Municipal de Lisboa, foi originalmente intitulado "A deusa serpente e as colinas de Lisboa".

Publicação datada de 25 de janeiro de 2021 no mural Toponímia de Lisboa, no Facebook. Títulos da responsabilidade do editor do  Ciberdúvidas.

Como pôde o português castelhanizar-se, e sobreviver?
A dinâmica da língua a partir do século XV

Vídeo da sessão da Classe de Letras da Academia de Ciências de Lisboa (ACL) que, intitulada "Como pôde o português castelhanizar-se, e sobreviver", se realizou em 14 de janeiro de 2021 e teve como orador o linguista e crítico literário Fernando Venâncio.

Português de Angola: uma variedade carente de registos e legislação
Política linguística precisa-se

«Não basta dizer que existe o português de Angola; é preciso ser legislado. Isso chama-se política linguística, quase inexistente em Angola. Não basta falar que ‘‘o português é a língua oficial em Angola’’ (art.º 19 da Constituição da República de Angola), já que este português não é o praticado pela população.»

Artigo do docente universitário  angolano Nelson Soquessa, in O País, do dia 6 de fevereiro de 2021. Escrito segundo a norma ortográfica de 1945, em vigor em Angola

 

 

 

Deturpações populares
Erros com colesterol, vistoria e casa geminada, entre outros casos

«Há algumas deturpações populares que são fáceis de perceber, embora com uma irreprimível vontade de rir quando as ouvimos na presença de quem as diz sem pestanejar» – começa assim este apontamento do professor João Nogueira da Costa a respeito de certos termos – colesterol, vistoria e casa geminada – alterados por ação de falantes menos conhecedores, que os distorcem por analogia e alteração fonética.

Publicação do mural do autor no Facebook, em 8 de agosto de 2019.

A segunda aceção da palavra <i>corporativismo</i>
As camadas de um significado

O sentido especializado da palavra corporativismo abordado neste artigo da linguista Margarita Correia, a pretexto da oposição manifestada pela Ordem dos Enfermeiros na contratação, pelo Governo português, de enfermeiros estrangeiros... por não falarem a língua  portuguesa.

Artigo originalmente publicado no Diário de Notícias no dia 1 de fevereiro de 2021.

 

Entre o Céu e o Inferno
Etimologia e visões religiosas

«Em termos da nossa tradição judaico-cristã, há uma Terra, um Céu e um Inferno (o Cristianismo considera uma quarta instância, o Purgatório)» – diz o linguista Aldo Bizzocchi num apontamento dedicado à etimologia não só das palavras céu e inferno em português mas também dos termos correspondentes noutras línguas.

Artigo publicado no blogue Diário de um Linguista em 2 de fevereiro de 2021.

Dever e direito
As palavras da cidadania

Os termos dever e direito na sua relação com o conceito de cidadania e as implicações da abstenção. 

Crónica da autora , emitida no programa Páginas de Português do dia 21 de janeiro, na Antena 2.

Um passeio pelo crinjódromo
Um exercício de neologia com alguns anglicismos

«O cringe é um reflexo debilitante de embaraço que corresponde ao nosso «não sabia onde havia de me meter» ou «fiquei para morrer, do tamanhinho de um alfinete», caso este último existisse.» Miguel Esteves Cardoso explora com ironia a possibilidade de entrada de algumas palavras, vindas diretamente do inglês, na língua portuguesa numa crónica publicada no jornal Público em 28 de janeiro de 2021, a seguir transcrita, com a devida vénia. Manteve-se a norma ortográfica de 1945 seguida pelo autor.

O inesquecível Eça
Portugal concede honras de Panteão Nacional ao escritor

«A aprovação por unanimidade pela Assembleia da República da resolução que visa conceder honras de Panteão Nacional a José Maria Eça de Queiroz constitui um ato de elementar reconhecimento em relação a quem é referência indiscutível das culturas de língua portuguesa.» Palavras de Guilherme d'Oliveira Martins acerca das honras de Panteão Nacional concedidas a Eça de Queirós.

Artigo publicado no Diário de Notícias no dia 19 de janeiro de 2021. Mantêm-se as grafias Queiroz e queiroziana, usadas pelo autor.

Quem foi o primeiro presidente de um país?
Um título inventado nos EUA

«George Washington foi não só o primeiro presidente dos EUA, mas também o primeiro presidente de um país. Já havia repúblicas, mas nenhuma usava esse título em particular.» Crónica do professor universitário e tradutor Marco Neves, sobre a história da palavra presidente, a propósito de dois acontecimentos políticos do começo de 2021: a tomada de posse do novo presidente dos EUA, em 20 de janeiro; e a eleição do novo presidente da República Portuguesa, em 24 do mesmo mês.

Artigo do autor publicado no SAPO 24 e no blogue Certas Palavras em 17 de janeiro de 2021. Manteve-se a opção do autor, que segue a norma ortográfica de 1945.