O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo
O vocabulário da harmonia na comunicação

A harmonia em casa ou no trabalho pode e deve encontrar-se na capacidade de comunicar palavras de sentido positivo, com intenção construtiva. É a recomendação da professora e consultora linguística Sandra Duarte Tavares no texto a seguir transcrito, originalmente publicado na edição digital da revista Visão, em 22/01/2019.

Imagem de destaque do artigo
Palavras que caíram no esquecimento.
Por VxMag

Lambisgoia, lanfranhudomalotapoloremeladosebasirigaita e suso são algumas das 42 palavras que caíram em desuso com o tempo – como se aponta neste  texto em linha no portal  Vortex Magazine, a seguir transcrito na íntegra, com a devida vénia.

 

Imagem de destaque do artigo
Os danos físicos da agressividade verbal

Numa visita que fez ao Bangladeche, o papa Francisco equiparou a maledicência ao terrorismo e certas palavras a armas de destruição. A ideia encontra apoio na investigação científica, que aponta para a capacidade da agressividade verbal de se repercutir nas nossas redes neuronais como um verdadeiro dano físico interno. Terá a metáfora papal tanta realidade como um murro na cara? A linguista Ana Sousa Martins comenta a questão, no apontamento que se segue, lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português, emitido na Antena 2,  no dia 13/01/2019.

Imagem de destaque do artigo
As origens metafóricas do instrumento que mede o tempo

As metáforas não são apenas artifícios possibilitados pela linguagem. Os instrumentos denominados relógios – do grego hōrológion, «quadrante solar em que se lê a hora», por via latina – são também «[...] metáforas porque fazem a mesma operação, no plano dos objetos, que as palavras fazem no plano do texto», revela a cronista brasileira Sofia Nestrovski, autora do artigo que, com a devida vénia a seguir se transcreve, do jornal Nexo (em 20/01/2019).

Imagem de destaque do artigo
A contranarrativa à linguagem discriminatória e às informações falsas

«As pessoas são imersas em bolhas de informações falsas e tendenciosas, em que as opiniões são apresentadas como factos e em que o recurso a ferramentas como a publicidade política microssegmentada” contribui para a eficiência dessa desinformação e manipulação.» (...)

* in Populismo, fake news e politicamente correcto: a relação entre a linguagem e os movimentos, "Público" de 21/01/2019

Imagem de destaque do artigo
Sobre o nome e o gentílico dos Estados Unidos da América

«Objetivamente – lembra a autora neste  texto*  –, a palavra América designa as três Américas. [Só que] na comunicação normal entre as pessoas, América designa Estados Unidos da América.» (...)

* apontamento lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português , emitido na Antena 2, no dia 6/01/2019.

Imagem de destaque do artigo
Uma competência que se aprende

«Falar em público não é uma competência inata, aprende-se!», considera a professora Carla Marques, em artigo publicado na Leya Educação de janeiro de 2019, em que enumera cinco erros que quem fala em público deve evitar de todo.

Imagem de destaque do artigo
10 anglicismos... escusados

App, blog, bold, lick, clique, like, login, password, press release, username: 10 palavras inglesas recorrentes entre nós... sem necessidade alguma – como lembra a professora Lúcia Vaz Pedro em texto publicado no Jornal de Notícias de 13 de janeiro de 2018, na sua coluna semanal, "Portugal atual".

Imagem de destaque do artigo
Sobre falar uma língua

«Pensar sobre a linguagem é como pensar sobre andar de bicicleta enquanto se está em cima da bicicleta, um prenúncio de queda.», afirma Pedro Mexia, numa analogia que ilustra uma reflexão sobre a densidade da linguagem, faculdade a que ninguém permanece indiferente, num texto que se transcreve, com a devida vénia, da revista E, suplemento do jornal Expresso (o autor segue a antiga ortografia).

Imagem de destaque do artigo
A origem do sinal a que se chama arroba

Num texto publicado em 2/03/2002, no semanário Expresso, o ex-ministro da Educação português Nuno Crato fazia o historial do sinal @, dos seus primórdios no contexto mercantil até ao uso generalizado na informática e, sobretudo, nos endereços de correio eletrónico (mantém-se a ortografia do original).