Carla Marques - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Carla Marques
Carla Marques
26K

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.

 
Textos publicados pela autora
Avançar e recuar
Do espacial ao valorativo

Os verbos avançar e recuar têm, na sua base, uma significação espacial. Todavia, a sua significação evoluiu no sentido de lhes permitir valorar pessoas e situações, como explica a professora Carla Marques na sua crónica  emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, no dia 18 de julho de 2021.

Surto
Os polos da significação de uma palavra

O termo surto tem feito parte do léxico quotidiano da pandemia. Na sua crónica, a professora Carla Marques propõe uma reflexão em torno da sua significação. 

 

 

Crónica emitida no programa Páginas de Português, na Antena 2, do dia 4 de julho de 2021

A gramática tradicional inclui, entre as conjunções e locuções conjuncionais comparativas, a palavra como e as locuções «como se» e «como que». A locução «como se» é considerada por diversos gramáticos como introduzindo uma comparativa hipotética1. Embora do ponto de vista normativo, esta pareça ser a construção mais normativa, não faltam exemplos na comunicação social de usos em que se omite a conjunção se, como se observa por uma pesquisa no Corpus do Português, de Mark Davies:

(1) «Ao contrário, há progressiva afirmação da sua verdadeira identidade como fosse a celebração do poder feminino.» (Jornal GGN)

(2) «Fiz o aquecimento e fizemos um treino mais técnico […], tendo passado pelas mesmas situações como fosse um árbitro.» (Estar afastado do centro de decisão penaliza a arbitragem açoriana - Açoriano Oriental)

(3) «Agora temos esta “geringonça” que trata o povo como fosse um bando de parvos e de néscios.» (Ponto por ponto in Diário do Minho – Jornal de Inspiração Cristã)

(4) «[…] e Antonina, por ser posto de atendimento, funciona como fosse um minifórum […]» (Folha do Litoral News)

Assim, poderemos dizer que a construção com a locução «como se» ...

Algumas correntes gramaticais consideram a existência de constituintes genitivos, que correspondem, grosso modo, aos sintagmas preposicionais introduzidos pela preposição de que se associam ao nome.

Na sua relação com o nome, estes sintagmas podem desempenhar duas funções sintáticas: complemento do nome ou modificador do nome. A natureza da função sintática desempenhada pelo sintagma está dependente da natureza argumental do verbo. Ou seja, está dependente de o verbo selecionar um complemento ou não.

Assim, na frase (1), o sintagma preposicional tem a função de complemento do nome (será, então, um complemento genitivo):

(1) «A construção da ponte demorou muitos anos.»

O sintagma preposicional funciona como complemento do nome porque estamos perante um nome deverbal, ou seja, que se formou a partir de um verbo (neste caso, o verbo construir).

Na frase (2), o sintagma preposicional desempenha a função de modificador do nome porque este não seleciona um argumento com valor locativo:

(2) «A pintura do Museu Nacional foi oferecida.»

Note-se, todavia, que o nome pintura pode selecionar um argumento com valor de agente, como acontece em (3), onde o sintagma preposicional tem a função de complemento do nome:

(3) «A pintura de Leonardo da Vinci é muito famosa.»

A questão colocada envolve a identificação da referência do pronome pessoal ele. Como é sabido, os pronomes pessoais não têm uma referência autónoma pelo que esta fica dependente da situação de enunciação ou do contexto discursivo.

O caso apresentado é ambíguo porque o pronome [d]ele tanto pode preencher a sua referência na situação de enunciação como no contexto discursivo. Se optarmos por esta última análise, consideraremos que o pronome assume como antecedente o substantivo cálice, o que implica a interpretação que se apresenta em (1):

(1) «E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lhes o cálice, dizendo: Bebei todos do cálice […]»

Não obstante, esta parece não ser a interpretação mais acertada atendendo aos segmentos textuais que se seguem. Em primeiro lugar, logo de seguida, afirma-se «Porque isto é o meu sangue». Se cálice fosse a referência do pronome [d]ele, então também o seria do pronome isto. Todavia, considera-se que a afirmação «Porque este cálice é o meu sangue» não parece traduzir a intenção do enunciado. Esta última frase copulativa tem um valor de identificação e parece ficar claro que o sangue se identifica com vinho e não com cálice.  O segmento «não beberei deste fruto da vide» parece vir confirmar esta interpretação, uma vez que o determinante este retoma um antecedente relacionado com «fruto de vide» ou, então, aponta para uma referência deítica existente na situação de enunciação e que corresponde ao vinho.

Perante o que ficou exposto, considero que o prono...