Carla Marques - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Carla Marques
Carla Marques
42K

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.

 
Textos publicados pela autora
Impasse e empasse
Das palavras parónimas

A relação gráfica entre impasse e empasse e os significados distintos das palavras. Este é o tema da crónica professora Carla Marques, divulgada no programa Páginas de Português, na Antena 2, no dia 26 de junho de 2022.

Pergunta:

Na frase «Encontramos ele só na praia», qual a função sintática de ?

A palavra exerce a função de adjunto adnominal? Ou complemento nominal? O pronome ele aceita adjunto adnominal?

Obrigado.

Resposta:

Antes de mais, importa referir que, na frase apresentada, o pronome ele desempenha a função de objeto direto, pelo que se deveria optar pela forma átona do verbo:

(1) «Encontrámo-lo só na praia.»

Como recorda Bechara, «O pronome ele, no português moderno, só aparece como objeto direto quando precedido de todo ou (adjetivo) ou se dotado de acentuação enfática, em prosa ou verso»1.

No que respeita à questão colocada, poderemos recordar que o verbo encontrar é usado muito frequentemente como transitivo direto:

(2) «Encontrei o João.»

Mas também poderá ser usado como transitivo-predicativo:

(3) «Encontrei a Rita triste.»

Neste caso, o verbo encontrar pedirá como argumentos um complemento direto e um predicativo do complemento direto.

É este o caso da frase apresentada. Assim, se atentarmos na frase que se apresenta em (1), poderemos verificar que o pronome (l)o desempenha a função de complemento direto e a de predicativo do complemento direto.

Por fim, um pronome pode ser acompanhado de um adjunto adnominal, tal como acontece em expressões como «ele mesmo»

Disponha sempre!

 

1. Bechara, Moderna Gramática Portuguesa. Ed. Lucerna, p. 147.

Pergunta:

Minha dúvida é singela – e, talvez, um tanto desarrazoada –, mas me martela há muito.

Expressões como «conviver com» e «compartilhar com» não seriam redundantes? Quando um prefixo já sugere a ideia de uma preposição, o que fazer?

Agradeço muito!

Resposta:

Note-se, antes de mais, que os valores dos prefixos que integram determinadas palavras não estão sempre presentes para todos os falantes, pelo que a consciência de repetição de que fala poderá não determinar certas escolhas gramaticais.

Não obstante, no âmbito dos estudos morfológicos, alguns autores defendem que os verbos formados com o prefixo co[n]- devem ter um sujeito agentivo plural (1). Poderão, todavia, ter um sujeito singular, podendo a pluralidade ficar implícita ou ser explicitada por meio de um constituinte introduzido pela preposição com (2)1:

(1) «Eles convivem.» / «Eles compartilham o lanche.»

(2) «Ele convive com os amigos.» / «Ele compartilha o lanche com a amiga.»

Nestes últimos casos, a presença do constituinte introduzido pela preposição com permite explicitar quem são os agentes da situação descrita pelo verbo, a qual implica, como se disse, um agente plural devido à presença do prefixo con-.

Disponha sempre!

 

1. Cf., por exemplo, Susana Nunes, Prefixação de origem preposicional na língua portuguesa. Dissertação de Doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2011, pp. 103 – 104.

Pergunta:

A frase «não sabia que tenho uma amendoeira no quintal» está correta? A coesão temporal não apresenta dúvidas?

Fui corrigida, porque a forma verbal tenho deveria estar no passado.

Obrigada

Resposta:

A combinação do imperfeito com o presente do indicativo na frase apresentada é aceitável e justificável.

Antes de mais, recordemos que nem sempre o pretérito imperfeito do indicativo é usado para localizar uma situação no tempo. Na verdade, este tempo verbal pode ser usado com outros valores, entre os quais encontramos a expressão da modalidade epistémica. De forma mais concreta ainda, o pretérito imperfeito pode ser usado para exprimir uma opinião ou um julgamento, como se verifica no diálogo seguinte:

(1) A – O João plantou uma amendoeira no quintal.

      B – Eu sabia!

A intervenção de B tem como intenção veicular a ideia de que a sua opinião, que era já anterior ao momento de enunciação, é verdadeira. Veja-se que esta intenção é veiculada por meio da associação do verbo saber, um verbo epistémico (de conhecimento), ao imperfeito do indicativo1.

Ora, embora não tenhamos conhecimento do contexto em que foi proferida a frase apresentada pela consulente (o qual poderia alterar esta interpretação), podemos supor que ela tem a intenção de negar um saber que o locutor julgava possuir. Daí o recurso à forma «Não sabia». Neste caso concreto, a frase inclui ainda uma oração subordinada completiva («que tenho uma amendoeira no quintal»). Esta tem o seu verbo no presente do indicativo, o que se justifica, pois o recurso ao presente permite mostrar que a situação descrita pela oração completiva se verifica na realidade.

Note-se, por outro lado, que a frase apresentada em (2) é também possível:

(2) «Não sabia que tinha uma amendoeira no quintal.»

Neste caso, os valores poderão ser semelhantes aos descritos atrás, uma vez que o imperfeito também pode ser usado para descrever uma...

Pergunta:

Gostaria de saber qual seria a regência nominal correta para o predicativo intocável.

O correto seria «sentir-se intocável aos problemas do mundo» ou «sentir-se intocável pelos problemas do mundo»?

Desde já, com meus votos de estima e consideração ao trabalho inestimável prestado por vocês, meu muito obrigado.

Resposta:

Intocável é normalmente usado como adjetivo (e não um nome) com o valor de «em que não se pode tocar»; «que ou aquele que é inatacável, ilibado»: «que ou aquele que não pode ser objeto de nenhuma crítica (por ter muito prestígio), ou de nenhuma sanção (por ter as costas quentes)»1.

Normalmente, este adjetivo não é regido por nenhum complemento. Uma pesquisa no Corpus do Português, de Mark Davies, mostra-nos um conjunto de situações em que intocável é usado sem recurso a complementos:

(1) «A biologia molecular era um domínio intocável.» Arrabal, 8 novembro 1997

(2) «Nos EUA, cresce o nível de insegurança das pessoas em relação aos chamados valores americanos. Ninguém hoje acredita, como acreditava em 1950, que os Estados Unidos são o melhor sistema do mundo, tem uma moralidade intocável, etc.» DaMatta, 4 maio 1997

No contexto apresentado, seria, desta forma, preferível optar por outras formulações, como por exemplo:

(3) «sentir-se imune aos problemas do mundo»

(4) «sentir que os problemas do mundo não o atingem»

Em nome do Ciberdúvidas, agradeço as gentis palavras que nos endereça.

Disponha sempre!

 

1. Cf. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa