Carla Marques - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Carla Marques
Carla Marques
4K

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.

 
Textos publicados pela autora
Imagem de destaque do artigo
Para relatores turvados pela emoção

A emoção do relato de uma final pode reduzir drasticamente o léxico do relator, como aconteceu no jogo em que Portugal se sagrou campeão mundial de hóquei em patins. Para que as palavras não voltem a faltar, aqui fica uma lista de adjetivos qualificativos de feitos desportivos. 

Imagem de destaque do artigo
Histórias com sentidos

«Um dia, à família “dade”, a original, sempre tão perfeita e equilibrada, chegou a fatalidade. Nasceu um novo membro, que se apresentou como LhanezaLhaneza?! O repúdio uniu os “dade”. Como era possível a família ter um membro sem o apelido “dade”?» Uma história à procura dos sentidos das palavras num mundo de homens, contada por Carla Marques.

Imagem de destaque do artigo
Histórias com sentidos

«Obnóxio, adjetivo de sua natureza, passeava-se pela Alameda das Palavras em busca de um substantivo solitário a quem pudesse emprestar alguma cor, num dia em que se sentia “funesto” e “nefasto”» Uma ficção que busca os sentidos das palavras, por Carla Marques.

Imagem de destaque do artigo
Em louvor da leitura

A leitura no passado, presente e futuro de um ser humano. Uma reflexão de Carla Marques

Os advérbios interrogativos que surgem em frases como (1) ou (2) desempenham a função sintática de modificadores (do verbo):

(1) «Aonde vamos?»

(2) «Quando voltas?»

Estes advérbios ocupam o mesmo espaço sintático dos constituintes ali ou amanhã nas frases (3) e (4), o que significa que não incidem sobre toda a frase, mas apenas sobre o grupo verbal:

(3) «Vamos ali

(4) «Volto amanhã

Os advérbios de intensidade (ou de quantidade ou grau, segundo a terminologia do Dicionário Terminológico, que apresenta os termos a utilizar no ensino não universitário português) podem incidir sobre verbos, adjetivos ou advérbios, quantificando «sobre propriedades representadas por adjetivos ou advérbios, ou sobre eventos representados por verbos» (Raposo et al., Gramática do Português. Fundação Calouste Gulbenkian, p. 1658). Habitualmente, os gramáticos descrevem ainda o advérbio como uma classe que pode incidir sobre toda a frase/oração/constituinte. A classe que incide sobre o nome exprimindo um valor de quantificação é a do quantificador. Os quantificadores muitos, poucos, vários aparecerem entre os que se podem associar ao nome1, como acontece no exemplo:

(5) «Muitos/poucos/vários colegas do João vêm a nossa casa.»

Não obstante, alguns autores referem que o advérbio pode também incidir sobre substantivos. É o caso, por exemplo, de Evanildo Bechara...