Início Respostas Consultório Área linguística: Gramática
Maria Marques Enfermeira Lisboa, Portugal 208

Nas frases «Cá fora, havia nevoeiro, ou então um espesso teto de nuvens baças.» e «então» é um advérbio ou não? ,«cá fora» são dois advérbios ou é uma locução adverbial?

Outro exemplo: «Detinha-me para comprar o cartucho de castanhas, que logo metia nos bolsos já largueirões do casaco.» . O «já» o que é neste contexto? Advérbio não me parece...

José Andrade Programador Lisboa, Portugal 105

Gostaria de saber se me conseguiriam esclarecer a seguinte dúvida. Estava a falar com uns amigos e chegamos a uma dúvida sobre a localização Saldanha em Lisboa. Deveremos dizer «no Saldanha», «em Saldanha» ou «na Saldanha», uma vez que é uma praça. A maior parte das referências dizem «no Saldanha», mas o facto de ser uma localização/praça deixa-nos com mais dúvidas ainda. Obrigado.

Pedro Múrias Jurista Lisboa, Portugal 902

Pode dizer-se «duzentos cinquenta», «quinhentos cinquenta», etc., ou tem de dizer-se «duzentos e cinquenta», «quinhentos e cinquenta», etc.? Há alguma regra que explique a presença do «e» em «vinte e quatro» e a sua ausência em «vinte cinco»?

Márcia Filipa Estudante Lisboa, Portugal 888

Não consigo entender a diferença entre referência, referente e denotação.

Peço, por favor, uma explicação com exemplos para ajudar a compreender, visto que já vi as definições e não sei como distinguir esses conceitos.

Ana Santos Estudante Porto, Portugal 639

Gostaria que me esclarecessem sobre as diferenças que existem entre valor imperfetivo, durativo, habitual e iterativo. O valor imperfetivo pode ser simultaneamente durativo? Não consigo identificá-los claramente nas frases. A título de exemplo, no segmento «hoje os investigadores continuam a fazer perguntas (...)», o complexo verbal «continuam a fazer» que valor expressa?

Muito obrigada pela atenção dispensada.

Rodrigo Vasconcelos Advogado Belo Horizonte, Brasil 1K

Tenho notado que é comum em textos portugueses a construção «tem vindo a» + infinitivo para designar ações iniciadas no passado e que chegam ao presente, como na frase «o desempenho do Pedro na escola tem vindo a melhorar nos últimos meses». Posso estar enganado, e talvez uma consulta aos corpora das duas variantes mo esclareça, mas me parece que não se usa tal construção no Brasil: eu diria e escreveria, sempre, «o desempenho do Pedro na escola tem melhorado nos últimos meses». Como ambas as construções se usam em Portugal, gostaria de saber se há diferença semântica entre elas ou se se equivalem, e, caso se equivalham, qual delas é mais antiga na língua.

Rafael Streithorst Pesquisador Cachoeirinha, Brasil 2K

Quando sabemos que a palavra até está exercendo a função de advérbio de inclusão ou está funcionando como uma preposição?

Diogo Morais Barbosa Revisor Lisboa, Portugal 694

Ouve-se e lê-se cada vez mais a expressão «de volta de». Pergunto, por isso: é aceitável uma frase como «Aquela pessoa está na sua rotina, de volta dos assuntos habituais»? Não se deveria dizer/escrever «à volta de» ou «em volta de»?

Diogo Waydown Estudante Porto, Portugal 6K

«Peço imensa desculpa» ou «peço imensas desculpas»?

Maria Gabriela Ferreira Professora Maia, Portugal 1K

Poderiam esclarecer-me, se fazem o favor, se a palavra guarda-chuva ( processo de formação – composição morfossintática), poderá ser considerada da mesma família de chuva.

Muito obrigada pela atenção.