Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Área linguística: Gramática
Mário Alberto Seara Engenheiro São Pedro de Avioso - Maia, Portugal 339

Bom dia! Gostaria de saber se os vocábulos "simultaneamente" e "futuramente" são advérbios de tempo. Muito obrigado! Mário Seara

Cristina Aparecida Duarte Tradutora São Paulo, Brasil 359

Em um artigo sobre as futuras possibilidades do uso da tecnologia digital, li várias orações com verbos no presente que me despertaram dúvidas sobre o uso do indicativo ou do subjuntivo (conjuntivo em Portugal). Praticamente em todos os exemplos, o verbo aparecia no presente do indicativo na oração subordinada, mas o verbo da principal estava no futuro do indicativo.

Exemplos:

– «Quando estamos em férias, as conversas com estrangeiros, na nossa língua materna, serão traduzidas em simultâneo e serão escritas no dispositivo na sua língua materna.»

– «Quando compramos numa loja de desportos online, iremos escolher o artigo que desejamos.»

– «Enquanto estamos em uma reunião de trabalho, a ata está a ser elaborada.»

No português do Brasil, parece ser muito mais comum o uso do subjuntivo na oração subordinada nesses casos. Dependendo da oração, acredito que poderia ser considerado incorreto o uso do indicativo. Diríamos, por exemplo: «Quando estivermos de férias, as conversas com estrangeiros, na nossa língua materna, serão traduzidas...», ou «Quando estamos de férias, as conversas (...) são traduzidas».

Gostaria de saber se me podem ajudar com a interpretação do uso dos tempos e modos verbais com as conjunções enquanto e quando nos citados contextos.

Muito obrigada pela ajuda e parabéns pelo trabalho realizado todos os dias.

José Carlos de Oliveira Moura Professor Aracaju , Brasil 429

Se possível gostaria de saber as expressões corretas:

«Bolo de laranja» ou «bolo de laranjas»?

«Bolo de ovo» ou «bolo de ovos»?

Grato

Luísa Cordeiro Professora Chaves, Portugal 414

Na frase «O vapor é inglês, usam-no para atravessar o Atlântico», o segmento «para atravessar o Atlântico» classifica-se como modificador do grupo verbal, ou trata-se de um complemento oblíquo?

Agradeço a vossa ajuda sempre oportuna.

José Garcia Formador Câmara de Lobos, Portugal 820

Li uma explicação vossa acerca da expressão «sendo que», que também me parece ser um outro "bordão linguístico" questionável.

Na frase apresentada, é aceitável que se use tal expressão? É que não estou a associá-la a um valor de causa...

«As pessoas confundem amor e paixão, SENDO QUE são coisas diferentes.»

Obrigado.

Laura Amado Tradutora Coimbra, Portugal 323

Como se faz a enumeração de nomes/verbos com regimes preposicionais diferentes numa frase sem alterar a ordem dos verbos/nomes? Qual das seguintes opções está correta?

«Os alunos aprendem a entender, lidar com e resolver os problemas.»

Ou «Os alunos aprendem a entender, lidar e resolver os problemas»?

«O estudo procura verificar se há uma identificação com ou alheamento aos valores atuais por parte dos jovens.»

Ou «O estudo procura verificar se há uma identificação ou alheamento aos valores atuais por parte dos jovens»?

Miguel Machado Funcionário Público Macedo-de-Cavaleiros, Portugal 199

Desde já, quero agradecer-lhes pela excelente dedicação com que respondem às nossas dúvidas.

A minha questão refere-se ao uso de algumas palavras no plural. Por exemplo:

«Ainda que revelassem alguma apreensão, pai e filha assomaram as cabeças para o interior e adentraram o compartimento.»

Segundo esta frase, poderia substituir-se «cabeças» por «cabeça», ou ficaria ambíguo?

«Ainda que revelassem alguma apreensão, pai e filha assomaram a cabeça para o interior e adentraram o compartimento.»

A mesma dúvida surge com outras palavras, como «sorriso/ coração/alma, mente/ espírito»:

«Depois de ter passado muito tempo nesse estado depressivo, os amigos recuperaram os sorrisos», ou «Depois de ter passado muito tempo nesse estado depressivo, os amigos recuperaram o sorriso»?

«A Júlia e a Maria sentiam muita tristeza nos corações/ almas/ mentes/espíritos», ou «A Júlia e a Maria sentiam muita tristeza no coração/ alma/ mente/espírito»?

Obrigado!

Evandro Braz Lucio dos Santos Professor Santa Quitéria , Brasil 432

Na frase «As crianças se disciplinam logo cedo», vocábulo se é pronome reflexivo ou partícula apassivadora?

Já a frase na «A menina se cortou», o vocábulo se é pronome reflexivo com a função de objeto direto? Ou partícula apassivadora?

Como diferenciar partícula apassivadora de pronome reflexivo com a função de objeto?

Obrigado!

Sandra Sousa Professora Lisboa, Portugal 443

Fiquei responsável de redigir uma ata de reunião e corrigiram o tempo verbal associado à passagem para o discurso indireto. A frase era mais ou menos a seguinte:

«As professores X e Y comunicaram que, no dia Z, seria feita a entrega de prémios do concurso de poesia.»

Escrevi "seria", usando o condicional, partindo do princípio de que devia respeitar as regras de transposição de discurso direto para indireto, assumindo que em discurso direto teria sido usado o futuro do indicativo. Saliento que a ata foi lida e aprovada na reunião seguinte, portanto depois do referido evento (a entrega de prémios) já ter sido realizado.

Consultei as gramáticas de referência, como a da Gulbenkian, e percebi que de facto, por vezes, as regras mais "clássicas" não devem ser aplicadas, mas não encontrei qualquer regra que justifique que tenham corrigido "seria" e passado para "será". Há alguma regra que eu desconheça e que faça com que esta correção esteja correta?

Agradeço muito se me puderem responder, porque estou tentada a continuar a escrever no condicional, quando se tratar da citação em discurso indireto sobre algo que se prevê para o futuro.

Obrigada.

Maria José Falcão Engenheira Murtal, Portugal 331

Gostaria de saber se está correta a frase seguinte:

«Atento a resposta anterior, informa-se que deverá usar o formulário disponibilizado na página eletrónica da organização X.»

Obrigada.