Controvérsias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias
Polémicas em torno de questões linguísticas.
Está moribundo o Ensino do Português no Estrangeiro
A situação do ensino da língua entre os jovens lusodescendentes

«(...) [A]s decisões políticas da última década têm promovido a menorização do ensino do português, como língua materna, para os filhos dos emigrantes, revelando um condenável desprezo pela necessidade de manter uma forte ligação identitária (linguística e cultural) de Portugal com a sua diáspora» – afirma o professor universitário Santana Castilho a respeito do estado do ensino de Português aos jovens lusodescendentes. Texto de opinião que, com a devida vénia, se transcreve da edição de 30 de dezembro de 2019 do jornal Público (manteve-se a norma ortográfica do original).

À volta do plural (ou não) do latinismo <i>Homo sapiens</i>
Um caso de insensibilidade filológica?

Em crónica intitulada "A Minha Carta para Greta Thunberg" e saída no jornal Público em 3/12/2019, o jornalista português  João Miguel Tavares, falou dos «sacrifícios que foram feitos por milhões de homo sapiens que nos precederam». Comentando este texto em 6/12/2019, no Ípsilon, suplemento das sextas-feiras do jornal Público, o professor universitário português António Guerreiro encontra nele um erro de concordância – «[...] aquilo a que fui mesmo sensível foi à declinação de homo sapiens no singular [...]» – e considera que a forma correta seria «milhões de homines sapientes». O revisor e tradutor Helder Guégués, no seu blogue Linguagista, rebate a crítica de Guerreiro, falando de exagero; e o tradutor e latinista Gonçalo Neves, consultor do Ciberdúvidas, é a da mesma opinião: como denominação científica, Homo sapiens não tem plural.

Higienização da linguagem
Expressões politicamente incorretas

Neste artigo publicado no jornal Público, no dia 25 de setembro,  o autor  reflete acerca da moda de policiar a linguagem, atitude que condiciona a liberdade de expressão e o direito à diferença. Nesta linha, o autor refere alguns exemplos de expressões portuguesas que, absurdamente, são consideradas impróprias, ofensivas, ou racistas, assim como exemplos semelhantes da língua inglesa, que sofreram alterações, de forma a neutralizar o suposto conteúdo ofensivo ou impróprio.   

Texto escrito conforme a norma anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Como é que se lê
Sobre os vieses de género na língua

«Receio que a vontade de condenar um patriarcado ancestral inegável nos esteja a fazer entrar numa deriva em que, à força de tanto forçar o acessório, acabamos por desvalorizar o que é realmente essencial: as persistentes desigualdades quotidianas em matéria de género», escreve neste artigo¹ a socióloga e professora universitária Maria José da Silveira Núncio a propósito da querela à volta da linguagem inclusiva (cf. Textos Relacionados, ao lado).

¹ in jornal portugês Público do dia 6 de agosto de 2019.

10 expressões racistas <br>que deveríamos tirar do nosso vocabulário
Pejorativas, dos tempos da escravidão

«Denegrir», «criado-mudo», «fazer nas coxas», «não sou tuas negas», «trabalho de preto» e «da cor do pecado» são algumas da palavras e expressões que usamos no dia a dia sem nos apercebermos como elas podem ser consideradas ofensivas na sua ressonância do que era a escravidão e os  dolorosos tempos vividos pelos negro ao longo da História. Compilação da autora, que, com a devida vénia, transcrevemos do portal brasileiro Universa, com data de 20 de abril de 2019.

«A gramática não tem sexo, não é inclusiva nem exclusiva»
Linguista mexicana contesta as teses sobre sexismo linguístico
Por Enrique Mendoza Hernández/Concepción Company Company

A linguagem inclusiva tem concentrado as preocupações de organismos governamentais na maior parte dos países de línguas românicas. Contudo, ouvem-se críticas até de linguistas, como a que a linguista mexicana Concepción Company Company desenvolve numa entrevista à revista Zeta em 25/02/2019.

A palavra é... <i>ideologia</i>
Conhecimento e opinião no debate político brasileiro

Há quem use a palavra ideologia para se referir a certas doutrinas, pressupondo que há forças políticas que não têm preocupações ideológicas, porque o que defendem é simples e natural como a realidade. Sucede, no entanto, que o conhecimento que temos está longe desse idílico acesso direto ao real, pelo que, na vida política (ou na religiosa, desportiva e até mesmo científica), é necessário admitir que a discussão é feita de crenças em todos os quadrantes, da esquerda à direita. A propósito do presente clima político brasileiro, o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi dá conta do debate à volta da palavra ideologia, falando doutros dois termos relacionados com a questão do conhecimento e da opinião, na tradição grega, denominados, respetivamente, por episteme e doxa (este que tem a mesma raiz de dogma e doutrina). Vídeo que o autor realizou, com um pequeno texto introdutório (também aqui transcrito), para o seu canal Planeta Língua, no Youtube.

Os sem palavras

A neutralidade linguística de termos e expressões é uma posição que tem sido procurada em muitos meios, sendo comum a diversas línguas. Estará esta opção a forçar o aparecimento de perífrases e de expressões redondas, que procuram evitar ferir qualquer suscetibilidade em qualquer domínio? Neste texto, a comentadora política portuguesa Helena Matos deixa-nos a dúvida.

(Artigo originalmente publicado no jornal original Observador, que aqui se reproduz com a devida vénia)

Car@s leitorxs (e utentas)
Sobre a linguagem de género

A chamada linguagem inclusiva e a crítica ao «estereótipo de género» em foco neste artigo sarcástico do autor, transcrito do jornal “Público” de 7 de dezembro de 2018.

Desigualdades sociais, desigualdades linguísticas

Deverá a norma-padrão resistir à diversidade e à mudança, sem ser posta em causa? Ou a atitude certa é aceitar toda a variação linguística? E se estas atitudes tantas vezes em conflito acabam, afinal, por descurar os problemas sociais que condicionam o uso da língua? Acerca deste tipo de interrogações, o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi manifesta a sua posição, num texto publicado no seu blogue Diário de Um Linguista (5/12/2018), do qual se salienta a seguinte frase, a propósito do papel da linguística: «[...] é fato que a diversidade linguística é um prato cheio para os cientistas da linguagem. Mas isso não quer dizer que os linguistas sejam contra a escolarização e o ensino da norma culta nas escolas – ainda que com todas as críticas que nossa gramática normativa merece e tem recebido.»