Aldo Bizzocchi - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Aldo Bizzocchi
Aldo Bizzocchi
1K

Linguista brasileiro, é doutor em Linguística pela USP, pós-doutorado pela UERJ, pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa da USP e autor de Léxico e Ideologia na Europa Ocidental e Anatomia da Cultura . Faz ainda parte dos grupos de pesquisa Semiótica, Leitura e Produção de Textos (SELEPROT) e Morfologia Histórica do Português (GMHP), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Também é poeta e tradutor (ver sítio pessoal e blogue associado à revista brasileira Língua Portuguesa).

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo
Quando confrontadas com as portuguesas

A «incrível flexibilidade morfológica» do alemão, que permite a criação de novas  e extensas palavras pela simples junção de outras – é o caso, por exemplo, Hottentotterstottertrottelmutterlattengitterkotterbeutelrattenattentater (assassino da mãe do garoto hotentote surdo-mudo, preso na jaula de cangurus coberta com tela) –, neste  apontamento linguista brasileiro Aldo Bizzocchi que, com devida vénia, se transcreve do seu blogue Diário de um Linguista.

Imagem de destaque do artigo
Conhecimento e opinião no debate político brasileiro

Há quem use a palavra ideologia para se referir a certas doutrinas, pressupondo que há forças políticas que não têm preocupações ideológicas, porque o que defendem é simples e natural como a realidade. Sucede, no entanto, que o conhecimento que temos está longe desse idílico acesso direto ao real, pelo que, na vida política (ou na religiosa, desportiva e até mesmo científica), é necessário admitir que a discussão é feita de crenças em todos os quadrantes, da esquerda à direita. A propósito do presente clima político brasileiro, o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi dá conta do debate à volta da palavra ideologia, falando doutros dois termos relacionados com a questão do conhecimento e da opinião, na tradição grega, denominados, respetivamente, por episteme e doxa (este que tem a mesma raiz de dogma e doutrina). Vídeo que o autor realizou, com um pequeno texto introdutório (também aqui transcrito), para o seu canal Planeta Língua, no Youtube.

Imagem de destaque do artigo
A análise do verbo estar no Brasil e não só

No Brasil, as frases «ele está doente» e «ele está na sala» são analisadas de maneira diferente. Na primeira, está é um verbo de ligação, e doente, um predicativo do sujeito; mas, na segunda, o mesmo verbo é considerado intransitivo, e a expressão «na sala» constitui um adjunto adverbial*. O linguista brasileiro Aldo Bizzocchi revela que o uso intransitivo («ele está na sala») pode ser compreendido no contexto do funcionamento de estar como verbo de ligação, também evidenciando o contraste destas frases do português com as suas homólogas na língua inglesa. Texto do referido autor publicado no seu blogue Diário de um Linguista em 22/01/2019.

* Em Portugal, no contexto da terminologia gramatical atualmente empregada no ensino não universitário – a do Dicionário Terminológico –considera-se que, em ambas as frases, o verbo estar é sempre um verbo copulativo, pelo que tanto o adjetivo como a expressão adverbial desempenham as funções de predicativo do sujeito.

 

 

Imagem de destaque do artigo
O principal antropónimo do Natal

Qual o significado original do nome Jesus Cristo? Um apontamento do linguista brasileiro Aldo Bizzocchi dá conta da história deste antropónimo, desde o aramaico, passando pelo grego e pelo latim, até ao português de hoje (texto publicado pelo autor em 18/12/2018 no seu  blogue Diário de Um Linguista).

Imagem de destaque do artigo

Deverá a norma-padrão resistir à diversidade e à mudança, sem ser posta em causa? Ou a atitude certa é aceitar toda a variação linguística? E se estas atitudes tantas vezes em conflito acabam, afinal, por descurar os problemas sociais que condicionam o uso da língua? Acerca deste tipo de interrogações, o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi manifesta a sua posição, num texto publicado no seu blogue Diário de Um Linguista (5/12/2018), do qual se salienta a seguinte frase, a propósito do papel da linguística: «[...] é fato que a diversidade linguística é um prato cheio para os cientistas da linguagem. Mas isso não quer dizer que os linguistas sejam contra a escolarização e o ensino da norma culta nas escolas – ainda que com todas as críticas que nossa gramática normativa merece e tem recebido.»