Aldo Bizzocchi - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Aldo Bizzocchi
Aldo Bizzocchi
3K

Linguista brasileiro, é doutor em Linguística pela USP, pós-doutorado pela UERJ, pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa da USP e autor de Léxico e Ideologia na Europa Ocidental e Anatomia da Cultura . Faz ainda parte dos grupos de pesquisa Semiótica, Leitura e Produção de Textos (SELEPROT) e Morfologia Histórica do Português (GMHP), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Também é poeta e tradutor (ver sítio pessoal e blogue associado à revista brasileira Língua Portuguesa).

 
Textos publicados pelo autor
A evolução também involui
Língua popular e norma-padrão no Brasil

«(...) [Não] se pode confundir a evolução do idioma padrão pela incorporação consciente e sensata de usos contemporâneos da língua falada com a produção textual deficiente resultante da falta de estudo», sustenta o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi neste apontamento publicado no dia 8 de novembro de 2020 na página de Facebook de Língua e Tradição.

Ah, que saudade do <i>a</i>!
Uma preposição desaparecida entre falantes do Brasil

«[No português do Brasil a] preposição a atualmente resiste apenas em locuções petrificadas como «a respeito de», «a propósito», «com vistas a», «a meu ver», «a qualquer preço», «a todo custo»…» Este é um dos aspetos diagnosticados pelo linguista brasileiro Aldo Bizzocchi a respeito da cada vez mais notória ausência da preposição a no português que se fala e escreve no Brasil. Um apontamento deste autor, que o publicou no seu blogue Diário de um Linguista, em 20 de maio de 2020, e que aqui se transcreve com a devida vénia.

Pessoas que corrigem os erros gramaticais dos outros são chatas. Será?
Língua, escrita e saúde cultural

O linguista brasileiro Aldo Bizzocchi fala de um estudo que procura correlacionar tipos de personalidade com a atitude linguística que leva a corrigir os erros gramaticais alheios. Texto transcrito, com a devida vénia, do blogue Diário de um Linguista, no dia 14 de maio de 2019.

As quilométricas palavras do alemão
Quando confrontadas com as portuguesas

A «incrível flexibilidade morfológica» do alemão, que permite a criação de novas  e extensas palavras pela simples junção de outras – é o caso, por exemplo, Hottentotterstottertrottelmutterlattengitterkotterbeutelrattenattentater (assassino da mãe do garoto hotentote surdo-mudo, preso na jaula de cangurus coberta com tela) –, neste  apontamento linguista brasileiro Aldo Bizzocchi que, com devida vénia, se transcreve do seu blogue Diário de um Linguista.

A palavra é... <i>ideologia</i>
Conhecimento e opinião no debate político brasileiro

Há quem use a palavra ideologia para se referir a certas doutrinas, pressupondo que há forças políticas que não têm preocupações ideológicas, porque o que defendem é simples e natural como a realidade. Sucede, no entanto, que o conhecimento que temos está longe desse idílico acesso direto ao real, pelo que, na vida política (ou na religiosa, desportiva e até mesmo científica), é necessário admitir que a discussão é feita de crenças em todos os quadrantes, da esquerda à direita. A propósito do presente clima político brasileiro, o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi dá conta do debate à volta da palavra ideologia, falando doutros dois termos relacionados com a questão do conhecimento e da opinião, na tradição grega, denominados, respetivamente, por episteme e doxa (este que tem a mesma raiz de dogma e doutrina). Vídeo que o autor realizou, com um pequeno texto introdutório (também aqui transcrito), para o seu canal Planeta Língua, no Youtube.