Margarita Correia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Margarita Correia
Margarita Correia
26K

Margarita Correia, professora  auxiliar da Faculdade de Letras de Lisboa e investigadora do ILTEC-CELGAEntre outras obras, publicou Os Dicionários Portugueses (Lisboa, Caminho, 2009) e, em coautoria, Inovação Lexical em Português (Lisboa, Colibri, 2005) e Neologia do Português (São Paulo, 2010). Mais informação aqui. Presidente do Conselho Científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) desde 10 de maio de 2018.

 
Textos publicados pela autora
Dos anos letivos, os velhos e o novo
Reflexão acerca das mudanças

«Gosto de contar estas histórias [acerca de algumas mudanças no ensino] aos mais novos, especialmente os meus estudantes, que não sabem (e não têm como saber) como era Portugal há 50 anos e que, como tal, não têm defesas contra os crónicos detratores do sistema, pregadores das desgraças da democracia e das instituições democráticas, fanáticos do elitismo e da sociedade estratificada, defensores do "antigamente é que era bom", avessos à liberdade e aos direitos que a maioria de nós apenas conquistou depois de 1974» – declara a linguista Margarita Correia nesta crónica publicada no Diário de Notícias no dia 20 de setembro de 2021.

Linguística para psicólogos. Precisa-se.
Da pretensa “invasão” do português do Brasil

Nesta crónica, a professora universitária e linguista, Margarita Correia, analisa a interpretação de uma psicóloga relativamente à influência do português do Brasil no vocabulário dos mais novos.

Recordando Maria Helena Mira Mateus
O legado de uma linguista de vulto

«Com vida tão cheia e atividade tão frutífera como foram as suas, é difícil falar da Maria Helena em poucas palavras, risco que, no entanto, opto por correr dada a importância do seu legado à língua portuguesa, a todos os que dela fazemos matéria-prima e à sociedade.» Palavras da linguista e professora universitária Margarita Correia sobre o impacto da ação científica e cívica de Maria Helena Mira Mateus (1931-2020), num artigo publicado originalmente no Diário de Notícias, no dia 29 de agosto de 2021.

Intérprete, ficção e realidade
Sobre a situação dos tradutores e os intérpretes afegãos

O trabalho dos intérpretes  – «essencial aos governos, aos exércitos, aos empresários, e é crucial no funcionamento das organizações internacionais, como é caso da ONU, com  um papel decisivo – em qualquer negociação, e inevitavelmente na negociação da paz» – evocado pela linguista Margarita Correia, a propósito da sua situação no Afeganistão, com o regresso dos talibãs ao poder. Artigo saído no Diário de Notícias em 16 de agosto de 2021.

Com muitos sotaques, pois claro!
Na representação olímpica de Portugal, em Tóquio

«Nos Jogos Olímpicos de Tóquio – lembra a professora Margarita Correia, em artigo publicado no Diário de Notícias, com data de 9 de agosto de 2021 –, falou-se português, com muitos sotaques : o do [Pedro] Pichardo e o do [Fernando Pimenta, o dos irmãos Sousa, o da [Patrícias] Mamona e o da Liliana Cá, o da Rochele [Nunes] e o da  Auriol Dongmo, o da Yolanda Hopkins, o da Fu Yu e o da Jieni Shao, o da Tamila Holub e o do Anri Egutidze. E o dos Pedros, Paulos, Jões, Marcos, Marias, Catarinas, Telmas, Joanas, Gustavos. E até o da jovem japonesa que em português explicou ao repórter da RTP porque os japoneses gostam tanto de assistir a maratonas