Controvérsias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias
Polémicas em torno de questões linguísticas.
Joacine, o claro e o escuro
Interpretações vocabulares redutoras

«Se Joacine fosse um peixe, acharia que a água tinha sido inventada para ela poder nadar. Lamento dar-lhe a má notícia: não foi.» Comentário do jornalista João Miguel Tavares em crónica disponível na edição de 7 de dezembro de 2021 do jornal Público.

O «<i>apartheid</i> politicamente correto»
O fator cor da pele nas traduções da poetisa negra Amanda Gorman

Um escritor negro terá de ser traduzido necessariamen por um negro? «Acreditar e/ou defender isso é uma perfeita estupidez», escreve o jornalista e escritor angolano João Melo *, a propósito da polémica  gerada nos Países Baixos em março de 2021 sobre a  tradução para o neerlandês da poesia da jovem autora norte-americana Amanda Gorman.

*Crónica originalmente publicada pela revista literária brasileira Rascunho e, depois, no jornal digital Mensagem de Lisboa, em 17 de novembro de 2021..

 

A festa antes do tempo
(Malhas que o provincianismo tece)

«[S]eria normal que as celebrações desse aniversário começassem em 16 de Novembro de 2022 e se prolongassem por um ano, até Novembro de 2023. É como se costuma fazer. Mas, desta vez, a impaciência lusíada foi tão grande, o desejo de se agitar freneticamente o milagre Nobel, em nada inferior ao outro de Fátima, foi tão impulsivo, que aí estamos nós, avançando de um ano a efeméride, e a tocar, com acintosa paixão, o tambor da glória.» Comentário do ensaísta Eugénio Lisboa, no blogue De Rerum Natura, em 17 de novembro de 2021, sobre o que ele considera a «antecedência inusitada»  dada em Portugal ao início das comemorações do centenário do Nobel da Literatura José Saramago (1922-2010). Texto escrito conforme a norrma ortográfica de 1945.

 

O xadrez político dos imortais
As manobras dos membros da Academia Brasileira de Letras para eleger seus candidatos preferidos

«Entre os membros atuais da ABL [Academia Brasileira de Letras] há apenas um negro, Domício Proença filho, e os antecessores são raros: além de Machado de Assis, que fundou a instituição, houve José do Patrocínio, Silvério Pimenta, Evaristo de Moraes Filho e Octavio Mangabeira, muitos dos quais não se classificavam como negros, como o próprio Machado» – observa a jornalista brasileira Ana Clara Costa num trabalho dedicado aos jogos de interesses envolvidos na eleição dos membros da ABL. Texto publicado na revista Piauí em 11 de novembro de 2021.

Linguística para psicólogos. Precisa-se.
Da pretensa “invasão” do português do Brasil

Nesta crónica, a professora universitária e linguista, Margarita Correia, analisa a interpretação de uma psicóloga relativamente à influência do português do Brasil no vocabulário dos mais novos.

 Ainda se fala e escreve português neste país?
Constatações sobre o desrespeito pela língua em Portugal

«A autoproclamada intelectualidade continua a guerrear o Acordo Ortográfico, mas fica indiferente perante a acelerada perversão da língua» em Portugal – escreve o autor, neste artigo de opinião transcrito do jornal Público, do dia 30 de agosto de 2021.

Linguagem neutra no Brasil
Um processo lento e dependente do contexto social
«A linguagem neutra tenta tirar o idioma do binarismo» defende a autora neste artigo que, com a devida vénia, se transcreve a seguir na integra do portal brasileiro Queer, com a data de 27 de agosto de 2021.
Artigo que, com a devida vénia, se transcreve a seguir na integra do portal brasileiro Queer, com data de 27 de agosto de 2021. Artigo que, com a devida vénia, se transcreve a seguir na integra do portal brasileiro Queer, com data de 27 de agosto de 2021.
 
Linguagem não-binária: pró e contra
A propósito emprego do termo "todes"

A polémica nasceu no Brasil com a adoção, pelo recém-reaberto Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo do pronome neutro (sem género) nos seus perfis nas redes sociais, com um post em que aparece grafado o termo "todes", em vez de todos ou de todas.

 

CfLinguagem não-binária: o reconhecimento de um grupo dentro da língua portuguesa vs. Identitários são pequenos tiranos e negacionistas da cultura e da língua portuguesa.

Linguagem não-binária: o reconhecimento de um grupo <br>dentro da língua portuguesa
Sobre a palavra “todes", em vez dos pronomes «todos» e «todas»
reabertura do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, trouxe à tona discussões sobre a adesão do espaço cultural à linguagem não-binária.
 
Artigo transcrito, com a devida vénia, do jornal brasileiro Folha de Pernambuco do dia 9 de agosto de 2021. Manteve-se a especificidade ortográfica do original. 
 
Cf. Vide, como contraponto deste ponto de vista, o artigo Identitários são pequenos tiranos e negacionistas da cultura e da língua portuguesa cultura e da língua portuguesa + Secretário especial da Cultura do governo de Bolsonaro critica o emprego de "todes" no Museu da Língua Portuguesa + Linguagem não-binária: pró e contra
Identitários são pequenos tiranos e negacionistas <br>da cultura e da língua portuguesa
Sobre o termo "todes" usado no Museu da Língua Portuguesa
«A obsessão pela busca de uma língua “neutra”–  escreve o autor, neste artigo transcrito do portal brasileiro R7, do dia 9 de agosto de 2021 – frequentemente esbarra no ridículo – e na mais absoluta inutilidade. Na verdade, querem contemplar questões de gêneros – que não param de se multiplicar.»