Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias
Polémicas em torno de questões linguísticas.
Imagem de destaque do artigo

Reflexão desiludida da autora – docente numa escola de ensino básico e secundário no Alentejo –, a propósito dos resultados dos exames nacionais de Português  do 12.º ano em Portugal e sobre o que ela descreve como «promoção dos  “cábulas”».

[Versão completa do artigo saído no jornal "Público" do dia 19 de julho de 2017]

Imagem de destaque do artigo

«A palavra escravatura é uma palavra confusa e, mais do que isso, é propositadamente confusa», sustenta o historiador e escritor João Pedro Marques, em artigo publicado no "Diário de Notícias" de 24 de abril de 2017*, acrescentando de seguida: «A confusão não foi criada pelos que agora a utilizam e se limitam a reproduzir um mau uso herdado, mas pelos que, no século XIX, começaram a usá-la com duplo ou triplo significado.»

[artigo do autor a propósito de reações críticas na imprensa portuguesa às declarações do Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, na sua visita oficial ao Senegal e onde, na ilha de Goréreconheceu a injustiça da escravatura abolida no país em 1761.]

Imagem de destaque do artigo

Este é um caso de deficiente transcrição fonética dos dicionários e contrária às regras fonotáticas do português – justifica neste texto a nossa consultora Maria Regina Rocha, a propósito da palavra «vintage».

Imagem de destaque do artigo

Poderá a boa pronúncia – que é matéria da ortoépia – ser imune à variação e inovação fonéticas que o uso evidencia? E até que ponto os estrangeirismos constituem uma verdadeira ameaça para a integridade de uma língua? O purismo tem futuro? Evocando a memória do normativista brasileiro Napoleão Mendes de Almeida (1911-1998), o jornalista brasileiro Leandro Karnal levanta várias questões em tom provocatório neste texto publicado em 15/2/2017 no jornal digital Estadão.

Imagem de destaque do artigo

Ainda a tradução do anglicismo error e o seu conceito no domínio tecno-científico, a propósito de dois anteriores textos desta controvérsia, As várias conceptualizações do termo erro e A tradução do inglês error por erro.

Imagem de destaque do artigo

Um consulente, que assina Thomas Holland, entendeu contestar a definição que, em duas perguntas – "Epistemólogo" e  "O significado de 'obstáculo etimológico'" –, se faz de epistemologia. As observações críticas por ele enviadas assentam numa perspetiva não coincidente, de todo, com outras do mesmo domínio da filosofia [cf. a nota editorial no fim]  – e, nessa medida, ultrapassando de algum modo o esclarecimento linguístico, como era o caso das duas respostas em causa. Fica o essencial, nesta rubrica do Ciberdívidas, em que se acolhe todo o tipo controvérsias relacionadas com a língua portuguesa.

Imagem de destaque do artigo

Réplica de Miguel Faria de Bastos à divergência de Gonçalo Neves expressa no artigo A tradução do inglês error por erro – que contestava o que, sobre essa passagem, o autor escrevera anteriormente no texto Inverdade e mentira + erro e desacerto, na linguagem jurídica.

Imagem de destaque do artigo

Inverdade e mentira + erro e desacerto, na linguagem jurídica, da autoria de Miguel Faria de Bastos, estabelecia a destrinça, na linguagem jurídica, entre o significado de erro e de desacerto.  Uma alusão, no entanto, ao que comummente se traduz na linguagem informática quanto à palavra inglesa error concitou a discordância de outro dos nossos consultores – o latinista e tradutor Gonçalo Neves.

Imagem de destaque do artigo

O jornalista Nuno Pacheco lembra que, em Portugal, se distingue andamos (presente do indicativo) de andámos (pretérito perfeito do indicativo), e observa: «O andamos, em Portugal, quer dizer que ainda andam; já o andámos remete, de imediato, para um passado indefinido: podem ter andado juntos há meses ou até há anos, mas não andarão juntos agora. A abolição impensada do sinal diacrítico (o acento) cria uma confusão escusada entre passado e presente e troca a clareza pela ambiguidade.» Apontamento transcrito da edição de 30/09/2016 do jornal "Público" – a que juntámos um esclarecimento final sobre esta particularidade regional da pronúncia das citadas formas verbais, em Portugal.

Imagem de destaque do artigo

Um acrónimo usado em Portugal – SIMAS, que representa Serviços Intermunicipalizados de Água e Saneamento (cf. resposta sobre este tópico) – tem a particularidade de, na sua formação, contar uma letra (M) que é inicial não de palavra, mas de parte da palavra Intermunicipalizados. Será este acrónimo legítimo? D'Silvas Filho regista neste apontamento o que distingue este tipo de abreviações, no quadro da sua própria proposta de classificação (para uma proposta alternativa, ver, por exemplo, siglaacrónimo no Dicionário Terminológico).