Sara Mourato - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sara Mourato
Sara Mourato
4K

Licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e mestre em Língua e Cultura Portuguesa – PLE/PL2. 

 
Textos publicados pela autora

Apesar de a lista de nomes de países antecedidos por artigo definido ser mais extensa do que a lista que compõem os nomes de países sem artigo, Taiwan faz parte desta segunda lista. Assim, o correto é afirmar-se «sou de Taiwan», assim como «sou de Portugal», «de Marrocos», «de Cabo Verde», «de Cuba», etc. Não havendo uma regra clara que defina a razão de certos nomes de países serem antecedidos de artigo definido e outros não, é sempre preferível ter-se presentes as diferentes listas.

De referir, ainda, que o nome português tradicional dado à ilha é Formosa que, contrariamente a Taiwan, é antecedido de artigo: «a Formosa». No entanto, o uso e artigo definido no topónimo português não valida o uso do artigo no topónimo Taiwan, que é hoje o mais comum, pelo menos para referir o país*. 

 

* Taiwan é o nome fixado pela Lista dos Estados, territórios e moedas (versão de 28/11/2018) do Código de Redação para uso do português no âmbito da União Europeia.

Ambas as construções são aceitáveis – «fascinado com» e «fascinado por» – e são empregadas com o mesmo sentido: «ficou fascinado com a formosura da jovem» e «fascinada pela soberania do homem, pelas reminiscências daquele tipo [...]»  (Fernandes, Francisco. Dicionário de Regimes de Substantivos e Adjetivos. São Paulo: Globo, 2005).

Vejam-se também dois exemplos retirados de obras do século XIX :

(1) «Quando, no albor da vida, fascinado com tanta luz e brilho e pompa e gatas[...]» (Gonçalves Dias em Primeiros Cantos)

(2) «[...] veio distrair a atenção do trovador que, fascinando por aquele olhar maldito da polé, não despregava dela a vista» (Alexandre Herculano em O Bobo).

Os termos utilizados para nos referirmos a um grupo de três elementos, em qualquer variante da língua portuguesa, são trio ou terno: «um trio de jogadores muito influentes» ou «um terno de jogadores muito influentes»No entanto, refira-se que no português do Brasil o substantivo terno pode também referir-se ao «traje masculino composto por casaco, calça e, às vezes, colete, do mesmo tecido e da mesma cor» (Dicionário da Porto Editora, em linha), aquilo que em Portugal seria um fato. 

* Em espanhol, os substantivos utilizados em referência a trio ou terno são terna, como o consulente refere, ou trío

Os advérbios de quantidade e grau, como  acontece com muito pouco, podem ocorrer como modificadores de grupos adjetivais, reforçando o sentido da palavra que antecedem. No exemplo apresentado, estamos perante um adjetivo, perfecionista1, antecedido de um advérbio que intensifica/reforça o significado do mesmo. Assim, afirmar que «o João é muito/pouco perfecionista» está perfeitamente correto. A dúvida, aqui, talvez se prenda com o facto de o adjetivo conter a ideia de perfeição e, por norma, o que é perfeito não é muito nem pouco. No entanto, o que está em causa é aferir quem deseja a perfeição – perfecionista será equivalente a «desejoso de perfeição» – e, por isso, não há redundância nem contradição ao afirmar-se «muito/pouco perfecionista» 

 

1 Depois da entrada do Acordo Ortográfico de 1990, em Portugal perfecionista passou a grafar-se somente com um c, enquanto no Brasil mantiveram-se os cc – perfeccionista

No Dicionário Priberam, em linha, encontramos atestado o termo palote, termo com origem obscura, mas que talvez provenha do inglês pallet box. O dicionário em questão define o objeto como sendo um «recipiente grande, padronizado, geralmente de plástico ou madeira, usado para empilhar e transportar materiais, que pode ser movimentado por uma empilhadora». Também o Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa regista o termo.

Quanto a "paloxe" (pronunciado "palokse"), o único registo encontrado refere-se a uma marca britânica de palotes, Paloxe, aparentemente criado com base já referida expressão inglesa pallet box. Resta-nos concluir que, à semelhança de outros casos, como gilete, talvez se utilize a marca para definir o objeto que, no entanto, se designa palote de modo mais geral, como sugere a sistemática ocorrência deste último termo em textos com algum grau de formalidade ou especialização (cf. Alexandra Couto Reis, Criação de um Grupo de Produtores de Azeitona para a INDAGROP, tese de mestrado, IPAM, 2017).

Acrescente-se que palote é a forma de outra palavra, com significado muito distinto: trata-se de um sinónimo de paulito, na aceção de «pau pequeno usado em certas danças regionais do norte de Portugal, que dele tomam o nome» (José Pedro Machado,