Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Tema: Uso e norma
Eduardo Gobi Estudante São Paulo, Brasil 284

É correto utilizar o plural de um título nobiliárquico masculino para se referir a pessoas de ambos os géneros que detenham o mesmo título?

E se não, há alguma forma de assim o fazer sem ter de repetir o título em sua versão feminina?

Por exemplo, «Imperadores Constantino e Helena» (em vez de Imperador e Imperatriz), «Príncipes Luiz, Fernando e Maria» (em vez de Príncipes e Princesa).

Diogo Lopes Estudante Porto, Portugal 646

A expressão "A obra fala sobre...", "O livro fala sobre", "O texto fala de" existem/estão corretas ou não na língua portuguesa?

Ana Reis Estudante Portugal 313

Preciso de encontrar um termo na língua portuguesa que sintetize a ideia de «partilha de casa» e, já que corresidente se apresenta como uma palavra correta, poderia considerar o conceito de "corresidência"?

Encontro esta palavra em estudos de origem brasileira, mas não nos dicionários ou estudos portugueses.

Em caso negativo, que outros se afigurariam mais adequados?

Valeria Orrú Comercial eventos Barcelona, Espanha 432

Encontrei a frase «Duvido que o Zé fosse capaz de fazer uma coisa dessas» nas soluções dum livro de exercícios de Português para estrangeiros.

Embora as regras da consecutio temporum indiquem que a subordinada deveria levar o conjuntivo presente «Duvido que o Zé seja capaz de fazer uma coisa dessas», ao mesmo tempo, parece-me correta a utilização do imperfeito, com o fim de atribuir à oração uma perspetiva presente de um momento no passado: duvido (agora) que o Zé fosse capaz (no passado)...

Por outro lado, poderíamos utilizar o pretérito-mais-que-perfeito do conjuntivo: «Duvido que o Zé tenha sido capaz de fazer uma coisa dessas»?

Muito obrigada pela ajuda.

Manuel Matos Professor Aveiro, Portugal 275

Usa-se a expressão «atento o parecer», quando alguém se pretende referir a um parecer que é ponderado ou tomado em consideração no sustento de uma decisão.

Em que género fica o verbo atentar quando o substantivo é feminino? Por exemplo, com informação, ficaria «atento a informação» ou «atenta a informação»?

José Silva Operário fabril Lisboa, Portugal 449

Após um fadista cantar, normalmente o público manifesta o seu agrado pelo artista.

Em bom português escrito, o público exclama: "Há fadista!" ou "Ah, fadista!"? Ou será de outro modo?

Agradeço a ajuda. Obrigado.

Fernando Gaspar Funcionário Público Lisboa, Portugal 312

Numa das últimas respostas do consultório encontrei a seguinte expressão: «Ao cortarem-lhe as tranças, eles deixaram a menina muito triste.». Pergunto, uma vez que o sujeito das duas orações é o mesmo, se não poderá escrever-se também:«Ao cortar-lhe as tranças, eles deixaram a menina muito triste.» Antecipadamente grato

Segismundo Martins Professor Ponta Delgada, Portugal 309

Gostaria de saber qual dos seguintes nomes gentílicos está correto?

1. Onésimo Teotónio Almeida é um ilustre pico-pedrense, nascido a 18 de dezembro de 1946.

2. Onésimo Teotónio Almeida é um ilustre picopedrense, nascido a 18 de dezembro de 1946.

De um grande admirador do Ciberdúvidas.

Catarina Meira Consultoria Oeiras, Portugal 337

A palavra acarta está errada na seguinte frase? Deveria ser acarreta?

«Escrevo-lhe sobre um tema que tem estado em agenda e que necessita de clarificação e algumas elucidações, na vertente das repercussões que o mesmo acarta para a privacidade de cada um de nós.»

Obrigada!

José de Vasconcelos Saraiva Estudante de Medicina Foz do Iguaçu, Brasil 297

Que advérbios de tempo é que podem ser usados com a perífrase «ter vindo a» mais infinitivo? Os que indicam tempo passado ou presente?

Pode usar-se atualmente com a mesma locução, como em: «Atualmente tem vindo a dar-se esse fenómeno»? Pode essa perífrase denotar o mesmo que um verbo finito acompanhado da preposição a seguida dum infinitivo, sendo equivalente a «Atualmente está a dar-se esse fenómeno»?

Obrigado