Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Tema: Uso e norma
Romeu Martins Estudante Braga, Portugal 867

Recentemente, tenho notado que há jovens (sobretudo jovens) que dizem “pensar de”, por exemplo: «Pensei de dizer-te para irmos ao festival». E ainda com mais frequência, "curtir de": «Não curto muito dele.»

Está bem empregada a preposição? Os verbos em questão regem a preposição de?

Obrigado.

Fernando Marques Técnico de Museografia Vila Franca De Xira, Portugal 890

Na frase «Entre o Mato e a Roça é um nome que alude a um não lugar» não será mais correto ligar o não e o lugar com hífen?

Fernando Miao Estudante Bragança, Portugal 560

Sou um estudante estrangeiro e ultimamente tenho estado a ler um livro de língua portuguesa e deparei-me com uma estrutura que me causa confusão: «Não a víamos, dela não aparecia um braço nem uma mão ao atirar as coisas.» A minha dúvida é por que razão se coloca dela no início da frase. Outra questão é se posso substituir «ao atirar as coisas» por «a atirar as coisas».

Espero que o Ciberdúvidas me possa ajudar.

Agradeço pela atenção.

Raquel Santos Estudante Porto, Portugal 1K

Muito obrigada pelo magnífico trabalho que levam a cabo.

Gostaria de saber como se deve substituir o itálico e o negrito num texto escrito à mão.

Li algures que se pode substituir o itálico pelo uso de aspas, dado que o objetivo é o mesmo: destacar algo. Porém, tenho algum receio de que alguns textos fiquem com demasiadas aspas porque estas serão usadas para citar, para dar exemplos e ainda para indicar o sentido de algumas palavras. Por exemplo: 

1) «São incompatíveis com operadores aspectuais como parar (de) ou acabar (de).»

2) «A situação descrita pela oração o João abriu a porta precede necessariamente a entrada da Maria.»

3) «Se for o tipo a ser avaliado, usa-se ser (cf. Bacalhau à Brás é muito bom).»

4) «Neste aspeto, ficar é praticamente sinónimo de permanecer.»

No caso de referências bibliográficas, vários estilos bibliográficos usam o negrito e o itálico. Como os deveríamos usar num texto escrito à mão?

Por último, gostaria de saber como deveria rasurar algumas partes de um documento (palavras ou frases), quando estiver a escrever à mão. Há normas?

Muito obrigada pelos esclarecimentos.

Maria Monteiro Estudante Lisboa, Portugal 1K

     É igualmente correto dizer/escrever «parecido com» e «parecido a» («parecer-se com» e «parecer-se a»)? Não consigo encontrar uma resposta a esta dúvida nas gramáticas de português a que tive acesso.

    Obrigada.

Marco Aurélio Cunha Camargos Professor Conselheiro Lafaiete, Brasil 1K

Uma dúvida, por gentileza: por que razão Luiza não leva acento e juíza leva o acento? É uma questão etimológica?

Obrigado.

Fernando Pestana Professor Mondim de Basto, Portugal 864

Há tempo que não vos envio uma pergunta. Pois bem... vou direto ao ponto: o gramático Celso Cunha chama de prefixo conjuncional o vocábulo QUE que introduz orações optativas, como em «Que venha logo o verão!»

Gostaria de saber a classificação desse vocábulo, segundo outros estudiosos da língua, pois não encontrei nada além...

Muito obrigado! 

Noahide Br Outros São Paulo, Brasil 889

Por favor, esclareçam a todos. Entre os brasileiros, está tornando-se comum o uso da palavra «noético(a)» como se esta estivesse relacionada a ou fosse derivada de Noé, a personagem bíblica.

Por outro lado, sabemos que em português existe a forma “Noá” (de "Noah"). Portanto, poliónimos ou palavras derivadas de Noá (variante de Noé) (para relativo a, para proveniente de, e para que se refere a) só podem ser: {noá+ico} noaico(a), {noá+ita} noaíta, e {noá+ítico} noaítico(a). Como em inglês existem "noahic", "noahite" e "noahitic". Confere? Jamais “noético”, até porque noético(a) é outra coisa (em inglês, "noetic"). Confere?

Luís Serra Silva Jurista e professor Coimbra, Portugal 1K

Gostaria, por favor, que me pudessem esclarecer o seguinte: deve dizer-se «Quaisquer tipos de dúvidas» ou «Quaisquer tipo de dúvidas»?

Agradeço, desde já, a atenção dispensada.

José Beleza Eng Telecomunicações Lisboa, Portugal 622

Não me recordo de uma palavra e já tentei pesquisar sem sucesso. Será que alguém me pode ajudar? A palavra quer indicar a passagem de pais para filhos que não seja algo genético. Por exemplo, o medo de aranhas pode passar de pais para filhos, mas não é hereditário que se diz, porque não é genético, como por exemplo a cor dos olhos, que é hereditário, visto ser genético. Alguém me sabe dizer qual a palavra que explica o que digo?

Obrigado!