Início Respostas Consultório Tema: Formas de tratamento
Sandra de Oliveira Autônoma Cosmópolis, Brasil 4K

Meu pai vive discutindo comigo quando pronuncio coloca ao invés de dizer coloque, como, por exemplo, em «Pai, coloca lá pra mim», mas ele diz que é falta de respeito falar assim. Para ele, o correto é dizer «Pai, coloque lá pra mim».

Gostaria de saber qual é o certo.

Ana Maciel Tradutora Porto, Portugal 4K

Verifico com bastante frequência, como tradutora e também como revisora, que, perante a impossibilidade de usar você ou tu, a língua não nos apresenta alternativa viável, havendo casos em que a solução de ausência de termo torna difícil entender que nos dirigimos ao leitor, que o sujeito é ele.

Mais do que uma pergunta, sinto que é hora de lançar um desafio aos linguistas: faz falta uma solução educada e não ofensiva para nos dirigirmos ao outro.

Sinto que, na procura por um grau de tratamento polido, nos enrolámos, criando um beco sem saída.

Rosário R. Jurista Porto, Portugal 5K

Director-presidente, ou Director-Presidente?

Ana Russo Profissional RVC Amadora, Portugal 5K

Por que motivo não devemos tratar uma pessoa licenciada por dona? E porque devemos usar o termo Dra.?

Maria Júlia Correia Artista Lisboa, Portugal 5K


Tenho visto várias vezes em livros o uso do tratamento tu para a realeza. Gostaria de saber se é errado, ou se é possível utilizar esta forma de tratamento em vez vós.

Gonçalo Santos Professor Lisboa, Portugal 7K

Numa resposta à pergunta intitulada Nós/a gente; vós/vocês, a propósito da substituição do pronome vós pelo pronome vocês nos dialectos centro-meridionais da variante europeia da língua, é citada a Gramática Histórica de 1921, onde já se observa que, «dirigindo-nos a mais de um indivíduo, servimo-nos hoje de vocês como plural semântico de tu». O que eu gostaria de saber, se possível, era se é certo que tal fenómeno terá ocorrido previamente na variante brasileira (e se há registos que nos permitam datar de forma aproximada a sua emergência) e quando é que essa evolução começou a fazer-se sentir em Portugal, pelo menos no eixo Lisboa-Coimbra. Já agora, aproveitaria também para perguntar, de forma muito concreta, se é possível que em meados do século XVIII tal fenómeno já fosse comum na fala de pelo menos parte dos portugueses?

Roberto Romero Funcionario público Sorocaba, Brasil 8K

Gostaria de saber se é correto utilizar V.Sa ou Ilma para pessoas do sexo feminino. Ou é indiferente?

Pergunto isso pois visualizei, em um site da Editora Meca, que tal tratamento é incorreto e que somente pode-se usar DD ou Sra.

Por favor, trabalho com correspondencias e não gostaria de maltratar nossa língua, compreende?

Agradeço sua atenção.

No aguardo de sua resposta.

Luís Cordeiro Consultor Setúbal, Portugal 4K

Do ponto de vista religioso, escolhi pessoalmente usar os pronomes que denotam mais reverência como vosso, vós, etc.

No entanto, não sei se por influência do Brasil, observo que as traduções de João Ferreira de Almeida da Bíblia (protestante) da Sociedade Bíblica de Portugal usam Tu (que na verdade em Portugal é para um tratamento entre pares ou mais íntimo).

Na vossa opinião, qual o motivo por detrás desta diferença? Se no Brasil usam Tu, pela mesma ordem de ideias deveríamos usar vós (ou você) em Portugal. Certo?

Já fiz um estudo muito alargado sobre isso e compreendo que no passado (muitos séculos atrás) na verdade era o Tu que se usava originalmente, e que este tinha uma carga mais respeitosa do que aquilo que acontece hoje em dia na língua "corrente" em Portugal.

Imagino que no Brasil essa carga de respeito se tenha mantido ao longo do tempo e que um sentimento de um brasileiro quando faz uma oração e use Tu seja diferente de um português a fazer o mesmo.

No fundo, a minha pergunta é se, do ponto de vista técnico, existe uma diferença na carga da palavra quando usada por um brasileiro ou um português. Se, no fundo, se estão a dirigir a um ser superior de forma diferente (um com mais respeito e o outro com menos) quando usam o mesmo pronome.

Também se existe alguma norma/protocolo/boa prática "oficial" para estas situações como orações religiosas, etc.

Obrigado.

Isabel García Estudante Cáceres, Espanha 1K

Em português, você é o equivalente a usted em espanhol? É melhor usar «a senhora» ou «o senhor» com uma pessoa não conhecida ou idosa antes do que você?

Muito obrigada pela sua resposta.


Fernando Pestana Estudante Rio de Janeiro, Brasil 3K

Como podem os pronomes de tratamento iniciados por Sua, tal como Sua Excelência, ser de segunda pessoa, se, ao utilizarmo-los, estamos «falando sobre», e não «falando com»? Não deveriam os encabeçados por Sua ser de terceira pessoa do discurso, já que são o assunto ou o referente?

Aguardo resposta.