Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Classe de palavras: preposição
Julian Alves Estudante Nápoles , Itália 675

Eu gostaria de saber se existe a regência nominal de confiança com a preposição a, cujo sentido é «entrega à confiança de»?

Eu sei que confiança pede a preposição em no significado próximo de «crer, ter fé»; mas o meu pensamento em relação à possibilidade do uso da preposição a, é justificado pela regência do verbo confiar que pode pedir em ou a.

Ex.: «Por viagem a trabalho, Marina confiou a Jorge sua cadela, Veneza. Mas ela não confia mais nele, porque ele a deixou três dias com fome.»

Antecipadamente, muito obrigado.

Roberto Andrade Servidor Rio de Janeiro, Brasil 692

 «Bife a rolê» ou «bife rolê»?

Faço a pergunta, pois tive muita dificuldade de encontrar a expressão "rolê" nos dicionários sem o sentido de «dar uma volta».

O pouco que encontrei remete "rolê" à palavra francesa roulé que traduzida pelo tradutor leva a "enrolado" que é o nosso bife!

Dito tudo isso, não deveria ser bife "rolê" (enrolado) sem a preposição? Outro fato que me faz perguntar é o caos que tal bife gera na escrita! Basta uma rápida pesquisa no Google para vermos que até o acento grave aparece na expressão «bife rolê» («bife à rolê»).

Desde já, agradeço a enorme atenção que os Senhores possuem e admiro demais o trabalho do Ciberdúvidas.

Maria Rosa de Sousa Fernandes Professora Braga, Portugal 465

Na frase «Os Judeus eram perseguidos por professarem uma religião diferente», «por professarem uma religião diferente» desempenha a função sintática de complemento agente da passiva ou modificador do grupo verbal?

Guilherme Roda de Miranda Estudante Praia Grande, Brasil 466

Há erro gramatical, sendo obrigatório o acompanhamento da preposição em todos os objetos indiretos; ou apenas falta de paralelismo, na frase «Gosto de dançar, cantar e pintar»?

Nessa e em outras estruturas, pode-se omitir a preposição depois de inseri-la no primeiro objeto, quando estes se referirem ao mesmo verbo e à sua mesma regência?

Nessas locuções a seguir, apesar de não haver objeto, também há obrigatoriedade de replicar a preposição?

«Eles passaram a imitar e caçoar.»

«Eles passaram a imitar, caçoar.»

Grato desde já.

José Garcia Formador Câmara de Lobos, Portugal 471

Em relação ao verbo enumerar, é possível admitir-se uma ocorrência/construção com a preposição em?

«As qualidades que o pai enumerou NOS filhos eram muitas.»

Obrigado.

María Soledad Pereira Corretora de Textos em Língua Espanhola Buenos Aires, Argentina 639

Faz-me confusão o facto de os portugueses não usarem sempre a preposição a antes dos complementos diretos de pessoa.

Por exemplo:

«Convidei o meu amigo para jantarmos juntos».

«Defende o chefe da comissão». (defender ou louvar uma pessoa)

«A empatia é fundamental para conhecermos o outro».

«Leva as pessoas a fazerem parte disto».

«Rui cumprimentou o Pedro».

Há alguma regra?

Em espanhol dizemos assim: «Invité a mi amigo para que cenemos juntos»; «Defiende al jefe de la comisión»; «La empatía es fundamental para conocer al otro»; «Lleva a las personas a formar parte de esto»; «Rui saludó a Pedro».

Muito obrigada. Agradeço muito a vossa ajuda.

Julian Alves Estudante Nápoles, Itália 468

«Candidatos por eleger: 3» e «Candidatos para eleger: 3» têm o mesmo significado?

Ou seja, «Candidatos que serão/hão de ser (ou: devem/podem ser) eleitos: 3»?

Parece-me que as preposições por e para dentro de uma estrutura de SUBSTANTIVO + (POR/PARA) + INFINITIVO assume uma forma passiva do verbo, podendo ser antecedida ou não de um verbo modal.

Como não tenho certeza disso, trago tal raciocínio a vocês, pedindo-lhes o seu esclarecimento. Há um trecho duma música do Pe. Zezinho com semelhante estrutura:

1. «… Tarefa escolar para cumprir…» = … Tarefa escolar que deve ser cumprida…

Até mesmo Napoleão Mendes (que para mim não foi muito claro) traz alguns exemplos no seu dicionário:

2. «Casos para/por esclarecer» = Casos que serão/hão de ser esclarecidos

3. «Livros para/por consultar» = Livros que podem ser consultados.

Antecipadamente muito obrigado.

José Garcia Formador Câmara de Lobos, Portugal 328

Em relação à regência do verbo sentir, podemos aceitar a preposição em nesta frase?

«Como se sente "em" passar o Natal longe de casa?»

Obrigado.

Michael Costa Estudante Minas Gerais, Brasil 1K

Estou no ensino médio e desenvolvi interesse por língua portuguesa, porém, uma dúvida surgiu em minha mente: é gramaticalmente correto repetir preposições, artigos e pronomes na mesma frase?

Por exemplo:

"Ele comprou um presente para levar para a festa surpresa." (Repetição da preposição "para")

"O aluno entregou o projeto, e o professor se surpreendeu." (Repetição do artigo "o")

"Eu gosto de ler, e quando leio, eu aprendo algo novo." (Repetição do pronome "eu")

Consegui pensar somente nesses exemplos. Isso é considerado aceitável na gramática portuguesa ou um erro que deve ser evitado?

Agradeço antecipadamente pela colaboração e esclarecimento sobre a questão.

Jônatas Sousa Estudante Tianguá , Brasil 1K

Os pronomes pessoais do caso oblíquo átono não vêm precedidos de preposição, os pronomes lhe e lhes são átonos, porém eles podem ser usados como objeto indireto que vem precedido de preposição.

Não entendi isso.

Vocês poderiam me ajudar?

Obrigado.