Início Respostas Consultório Classe de palavras: preposição
Rosa Machado Oeiras, Portugal 297

Tenho algumas dúvidas relativas a preposições e maiúsculas. Será que me podem ajudar?

Diz-se «Desgastado com» ou «Desgastado por»? «Tem por tema» ou «Tem como tema»? «Aluna do Mestrado em Design» ou «Aluna do mestrado em Design»? Depende do Acordo Ortográfico?

Rodrigo Miranda Músico e professor Belo Horizonte, Brasil 397

Gostaria de saber se a expressão «no que tange» requer a preposição a. Eu imagino que não, pois tanger é transitivo direto, mas sempre encontro a forma «no que tange a».

Obrigado!

Renato Souza da Silveira Júnior Rio de Janeiro, Brasil 288

Qual destas frases é a correta ?

1. «Ele é chamado Renato.»

2. "Ele é chamado de Renato.»

 3. «Essa doença denomina-se câncer.»

4. «Essa doença denomina-se de câncer.»

 Resumindo: com ou sem a preposição "de" ?

Luís Pereira Professor Coimbra, Portugal 248

Está correto considerar que a expressão "a boatos" («Não dês ouvidos a boatos.») desempenha a função de complemento indireto e posso aceitar o teste: "Não lhes dês ouvidos" ?

Obrigado pelo vosso trabalho e tempo.

Giovani Araújo Estudante Fortaleza, Brasil 364

É fato que o Acordo Ortográfico nos deixa com a pulga atrás da orelha em certas ocasiões. O tema desta pergunta [sobre o uso do hífen] é um tanto quanto difícil para muitos. Eu, pessoalmente, ainda não entendo o 5.º tópico desse tema: «Emprega-se o hífen nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem: além-Atlântico, além-mar, além-fronteiras; aquém-mar, aquém-Pirenéus; recém- casado, recém-nascido; sem-cerimônia, sem-número, sem-vergonha».

Tanto no 4.º quanto neste tenho uma certa dificuldade. Como saber se usa-se hífen ou não? Exemplos: «Ele é um homem muito sem-vergonha!» Todos sabemos que se usa o hífen neste caso. «Aqueles são filmes sem censura.» Usa-se hífen?

«Ele é sem-teto.» Sabemos que se usa.

«Ele é um guerreiro valente! Um homem sem medo!» Usa-se?

Enfim, gostaria de vossa ajuda, de entender bem essa nova regra.

Os meus agradecimentos.

Marcelo Queiroz Advogado Nova Lima, Brasil 42

Por favor, me esclareçam: qual a diferença entre «a princípio...» e «em princípio...»? Quando se usa cada uma dessas expressões? Grato.

Ana Almeida Leitora de Língua Portuguesa na China China 54

Quando falamos de percentagens, frequentemente se utiliza a preposição "de", como, por exemplo, «Ele pagou uma taxa de juro de 2,5%.» e «Uma percentagem de 30% dos alunos gostaria de estudar no estrangeiro.» No caso de querermos responder diretamente à questão «Qual é a percentagem?» devemos utilizar o "de" ou não?

a. A percentagem é de 6%. b. A percentagem é 6%.

Num manual de ensino de português a chineses aparecem as duas construções no mesmo texto e, confrontada com a dúvida, não consegui encontrar explicações que me remetam para uma regra.

Muito obrigada pela atenção e ajuda.

Isabel Jesus Professora Lisboa, Portugal 834

«Os anos que vivi na aldeia que me viu nascer», ou «os anos em que vivi na aldeia que me viu nascer»?

Paulo Faria Redator publicitário Porto, Portugal 519

A expressão «prá frente» existe, é aceitável, está bem escrita?

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 193

Em relação a uma pergunta referente ao tema acima, datada de 9/5/2014, a professora Sandra Duarte Tavares respondeu o seguinte:

«1) A única estrutura correta é "Vai demorar um pouco para eu ser profissional". O sujeito da oração infinitiva "para eu ser profissional" deve ter o caso nominativo, pelo que só é legítimo o uso do pronome pessoal eu. 2) Uma frase equivalente à anterior seria: "Vai demorar para que eu seja profissional." 3) Não, o sujeito do predicado "vai demorar" é toda a oração completiva "para eu ser profissional": "Isso vai demorar." 4) O uso de para é correto.»

A minha pergunta é: por que o uso de para nessa estrutura frasal com o verbo demorar (e também com o verbo levar) é correta, se sujeito nunca deve vir regido por preposição? Qual é a particularidade que existe aí?

Obrigado.