Início Respostas Consultório Campo linguístico: Modo/Modalidade
Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 497

Veja-se a seguinte frase:

«Esta não é notícia que se possa nem se deva divulgar.»

Veja-se esta outra (em que se altera a posição do advérbio não):

«Esta é notícia que não se possa (pode) nem se deva (deve) divulgar.»

Minha dúvida se situa justamente sobre a aparente necessidade de se empregar o tempo no indicativo (que me parece soar melhor) em virtude da simples modificação da posição do advérbio na frase.

Gostaria de um esclarecimento, o qual desde já agradeço.

Cristina Estêvão Administrativa Madrid, Espanha 363

Qual seria a frases mais correta? «Com a X podes ser o que queiras» ou «Com a X podes ser o que quiseres»?

Obrigada.

Ramiro Brasil 299

Por que se faz uso do futuro numa frase como esta «por que TERÁ acordado tão cedo»?

Manuel José Montes Empresário Tomar, Portugal 6K

Como se deve dizer, «tenho de fazer», ou «tenho que fazer»? E porquê?

Carolina Vivas Rojas Tradutora Lisboa, Portugal 1K

Sou brasileira e vivo em Portugal há muitos anos. Cada vez mais tenho lido e ouvido na comunicação social portuguesa e brasileira a estrutura irá (verbo auxiliar no futuro simples) + infinitivo (verbo principal), como «irá fazer», «irá apresentar», etc. Já consultei mais de três gramáticas brasileiras, duas normativas e uma descritiva (infelizmente não tenho nenhuma gramática portuguesa, e não encontrei nada acerca desta estrutura de formação de futuro, apenas uma breve menção sem qualquer comentário pertinente no Guia de Uso do Português, de Maria Helena Moura Neves. Minha questão é: trata-se de um desvio da norma e uma inovação da língua? Caso não o seja, poderiam indicar-me uma gramática ou artigo científico que valide esta norma?

Muito obrigada.

Carolina S. Batista Economista São Paulo, Brasil 745

Gostaria de saber se existe protegei-nos.

Na oração de São Miguel Arcanjo, vi esta conjugação e gostaria de ter certeza de que está correta.

Francisco Sado Estudante Luanda, Angola 608

Qual é o uso do futuro perfeito do indicativo (ou futuro do presente composto)? Por exemplo, «ele terá sido o primeiro a lá chegar», em vez de «ele foi o primeiro a lá chegar». Para mim, usar esta forma verbal não transmite certeza nas declarações.

Hua Lu Estudante Nanjing, China 7K

Vi uma frase num livro da gramática que dizia assim: «Quem tiver tempo livre e queira fazer um trabalho voluntário pode consultar este site.» Não compreendo o uso do futuro do conjuntivo tiver e do presente do conjuntivo queira. Peço a explicação.

Obrigada.

Jorge Santos Bibliotecário Lisboa, Portugal 4K

Há dias deparei-me com esta frase:

«Atestando a sua importância, alguns anos mais tarde, Simenon veio a ser editado numa coleção autónoma, Romances policiais de Georges Simenon, cujo número de estreia foi o romance O cão amarelo, traduzido por Adolfo Casais Monteiro, publicado previsivelmente em 1939 pela Empresa Nacional de Publicidade.»

O «previsivelmente» foi corrigido para «provavelmente». Porém, não deixei de admitir alguma plausibilidade semântica àquele «previsivelmente». Já que «previvelmente» é «o que se pode prever», e «prever» é, não só «antecipar», mas também «supor» ou «conjeturar». E, sendo assim, aquele «previsivelmente» estaria lá por «de acordo com o que se pode prever/conjeturar». Ou seja:

«[...] cujo número de estreia foi o romance O cão amarelo, traduzido por Adolfo Casais Monteiro, publicado, de acordo com o que [hoje] se pode prever/conjeturar, em 1939 pela Empresa Nacional de Publicidade.»

Gostaria, a este respeito, de obter a vossa opinião.

Obrigado.

Ricardo Fellman Empresário São Paulo, Brasil 15K

A forma «há de ser» é uma forma arcaica, ou, ao contrário, moderna, em comparação com a construção que usa o verbo no futuro do presente?

Exemplo:

«Ela há de ser feliz» e «Ela será feliz».

Há diferenças entre elas além da diferença estilística?

Pode-se dizer que uma seja mais ou menos formal que outra? A depender do contexto, torna-se preferível uma, ou outra? Verifica-se desuso?

Contentar-me-ia muito uma resposta competente como as vossas respostas, do excelente Ciberdúvidas.

Desde já, obrigado.