Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Campo linguístico: Modo/Modalidade
Olavo Kanando Jurista Luanda, Angola 594

Tenho acompanhado na jurisprudência e na doutrina do Direito utilizarem-se expressões como «não deve ser permitido», «não deve ser exercido» e «não deve sacrificar». Em todas estas situações eu vejo o «deve» a ser utilizado no lugar do «pode», entretanto, venho verificando recorrentemente a utilização de expressões como aquelas tanto em Angola como em Portugal.

A mim incomoda porque aquelas frases ficariam muito melhor construídas com o «pode» («não pode ser permitido», «não pode ser exercido», e «não pode sacrificar»). Aquelas expressões são correctas?

Obrigado.

Catarina Pereira Gestora Lisboa, Portugal 501

Encontrei a seguinte frase:

«Este ano iremos poder contar com a presença de profissionais (…).»

Questiono-me se esta conjugação verbal está correta.

Verbo ir no futuro + infinitivo + infinitivo ?

Penso que ficaria melhor «poderemos contar» ou contaremos, mas queria uma justificação.

Obrigada.

Paulo de Sousa Tradutor Portugal 629

Qual a designação gramatical da expressão «vai andando.»?

Sintagma/locução verbal? Com valor interjetivo/imperativo?

Obrigado.

Maria de Fátima Oliveira Professora Mafra, Portugal 613

Na frase «Ora, nesta noite, vamos acabar com o estado a que chegámos», a modalidade evidenciada será a deôntica (valor de obrigação) ou a epistémica (valor de certeza)?

A minha dúvida prende-se com o facto de não haver utilização do modo imperativo ou de um verbo modalizante, como dever, para ser considerada deôntica. Contudo, a frase parece implicar uma intenção de exortar à ação.

Agradeço, desde já, a vossa ajuda no esclarecimento desta dúvida.

Ana Santos Estudante Porto, Portugal 967

Gostaria de esclarecer a seguinte dúvida:

Num texto expositivo cuja temática incide sobre a «indiferença nas relações humanas», é possível utilizar expressões como «o homem é cada vez mais indiferente ao que o rodeia», «o homem só se preocupa consigo próprio e ignora os demais», «não podemos ficar indiferentes aos problemas dos outros», entre outras. Estas expressões não fazem parte de um texto de opinião?

Como distinguir expressões próprias do texto de opinião das do texto expositivo?

Obrigada pela atenção.

Estela Maria Ferreira Esteves Professora Viseu, Portugal 920

Qual o tipo de modalidade e valor modal das seguintes afirmações:

«Sou a portadora desta carta para Vossa Excelência. Que não venha cá, porque isso seria inútil, e muito perigoso.»

 

Domingos Chivela Estudante Huambo, Angola 767

Gostaria de saber o que é uma frase avaliativa e com exemplos por favor.

Luísa Santos Engenheira Portugal 1K

Com «creio que» uso tempos simples. Presumo que estou correta quando este é o começo de uma opinião.

Mas, se for o começo de um cenário surreal/irreal, é exigido o uso do conjuntivo?

Por exemplo: «Creio que ouça fantasmas.»

Ou posso ainda neste caso usar o modo indicativo: «Creio que ouço fantasmas»?

Obrigada.

Ivonne Freitas Advogada Funchal, Portugal 2K

«Ninguém entrará cá.»

Qual o valor modal da frase, certeza ou proibição?

Lara Barros Estudante Viseu, Portugal 717

Qual é o valor modal de "basta"?