Início Respostas Consultório
Carlos Guimarães Funcionário público Lisboa, Portugal 807

«Caiu para sempre», em vez de morreu, que recurso expressivo é?

Obrigado.

Maria Quaresma Professora Barreiro, Portugal 478

Gostaria de saber a vossa opinião sobre a presença da sinestesia nos seguintes exemplos: a) «deixando atrás de si como uma claridade, um reflexo de cabelos de oiro, e um aroma no ar»; b) «um dia de inverno suave e luminoso».

Obrigada pela ajuda!

Cristiane Santos Estudante Brasil 548

Gostaria de saber qual é o género da palavra Fanta (o refrigerante) e se há plural. Fiz uma pesquisa no site e vi que a palavra Sprite pode ser masculina ou feminina. É possível ter maiores esclarecimentos?

Desde já, muito obrigada.

Cisco Félix Chivembe Tradutor/Intérprete Windhoek, Namíbia 460

Queria saber por que é que a expressão «assalto à mão armada» se grafa com acento grave. Parece-me dar a impressão de que a mão é que está a ser assaltada. Para perceber isso basta substituir «mão» por um substantivo masculino.

Sofia Borges Estudante Macaúbas-Ba, Brasil 393

Gostaria de saber a transitividade do verbo posar: «Ele posou para a revista». «Ele posou de galã».

Nos dois casos o verbo é transitivo indireto?

Carlos Vaz Marques Jornalista Lisboa, Portugal 390

Em que circunstâncias é que, na norma anterior ao AO90, o prefixo auto (como em auto+ajuda ou auto+definição) deve ser seguido de hífen?

Maria Pereira Professora Coimbra, Portugal 417

Na frase «em quem o pintor se inspirou», qual é a função sintática do pronome se? É complemento direto ou pode considerar-se apenas como uma partícula inerente ao próprio verbo inspirar-se (sem função sintática), uma vez que o seu sentido se completa com o complemento oblíquo («em quem»)?

Agradeço muito o vosso esclarecimento.

Iolanda Marisa Alexandre Batista Professora Lisboa, Portugal 906

Na frase «Há quinze anos que escrevo livros apenas sobre esse abraço.», qual a classe e a subclasse de «que»?

Grata pela atenção.

João Nunes Professor Lisboa, Portugal 659

Tenho ideia de que antigamente a palavra reagir tinha certa conotação de antagonismo – usava-se «reagir a uma ofensa», ou a uma crítica –, ao passo que hoje é quase uma tradução de reply (replicar, responder) e se usa muito mais amplamente. Estou certo?

Noémia Santos Professora Coimbra, Portugal 556

Agradecia que me esclarecessem relativamente à função sintática dos adjetivos na frase «O livro lê-se a um ritmo veloz e ávido.» O nome ritmo exige, neste contexto, complemento do nome? Parece que sim, uma vez que, se os retirarmos da frase, esta deixa de fazer sentido. Ou haverá outra interpretação?

Muito obrigada, desde já.