Início Respostas Consultório
Elsa Guimarães Professora Bueu, Espanha 42

Se a forma verbal terminar em r, s, z, as consoantes desaparecem, o pronome assume a forma -lo, -la, -los, -las; exemplos:

– A roupa, não quero passar-la. – PASSÁ-LA

– O trabalho de casa? Não quero fazer-lo. – FAZÊ-LO

– O prato, não quero partir-lo. – PARTI-LO

Seria possível, por favor, que me expliquem a regra para que o mesmo não aconteça em casos como «faz-se» (não cai o Z)-

Muitíssimo obrigada.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 42

«– Ele está morto, ou por outra, pensa convictamente que está.»

Na frase acima, as vírgulas estão corretamente colocadas?

Obrigado.

João Pedro Estudante Lisboa, Portugal 42

Urso é um substantivo, bebé é um substantivo, podendo este também ser adjectivo («imaturo»); logo, a minha pergunta é: deve escrever-se "ursos bebé" ou "ursos bebés"? Por exemplo, já vi escrito "estrelas bebé", "estrelas bebés", "trutas bebé", "gatos bebés", etc. Parece que não há uma regra de formação do plural quando o hífen não é utilizado. O que levanta outra questão: a utilização do hífen é obrigatória em nomes compostos?

Marcos Joel Empresário São Paulo, Brasil 42

Está correta a seguinte frase: «É a esta última visão que me filio»?

Carlos Santos Vendedor Porto, Portugal 360

Podem esclarecer-me como se pronuncia o plural de escolho? Deve pronunciar "escólhos" ou "escôlhos"?

Obrigado.

Luis Oliveira Malmö, Suécia 512

Qual a origem da palavra briol, no sentido de «muito frio»?

José Monteiro Gestor Lisboa, Portugal 255

Qual a forma correta: «água do mar» ou «água de mar»?

Orlando Brasalano Jornalista Lisboa, Portugal 398

Uma pergunta inusitada mas com pertinência circunstancial: deve dizer-se «Eu telefono-a» ou «Eu telefono-lhe».

O segundo modo é o corrente. Por que motivo?

Obrigado.

Thiago Lima Estudante Araraquara, Brasil 476

Existe realmente uma diferença entre os verbos pensar e achar? Em alguns sites tentam separá-los, principalmente para ensino de português como língua estrangeira, mas como nativo a única diferença que vejo é que pensar é usado para situações como provas, redações e maior formalidade e achar para situações corriqueiras, não impedindo que pensar entre no lugar de achar.

Obrigado.

Luís Varela Controlador de qualidade Porto, Portugal 478

Surgiu uma controvérsia em torno da expressão «tá-se bem», a que, por curiosidade, fui dar num site de conjugação de verbos onde me surgiu o verbo "estar-se". Está todo conjugado e parece-me correcto, embora tenha dúvidas se tal pode ser chamado de verbo. Apesar da dúvida, penso que se trata de assuntos diferentes.

Portanto, no primeiro caso a dúvida é se o correcto é "tá-se", ou "tasse". No segundo caso, se existe este verbo e se o se é um pronome pessoal reflexo que depois nas diferentes conjugações se ajusta ao sujeito.

Desde já agradeço a ajuda que possa receber.