Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
André Felipe Técnico em química Piracicaba, Brasil 182

Por favor, eu gostaria de sanar uma dúvida sobre teoria da comunicação.

Eu estava estudando esse assunto e me deparei com o seguinte conceito sobre comunicação:

«É um processo que envolve a troca ou compartilhamento de IDEIAS entre 2 ou mais interlocutores por meio de signos (verbais ou não verbais), regras semióticas convencionadas e mutuamente entendíveis."

Desculpe se parecerem óbvios os questionamentos abaixo:

Um "bate-boca" entre pessoas no qual há ocorrência de palavras vulgares é considerado comunicação? Uma "conversa fiada" idem?

O motivo dessa minha dúvida é que eu tenho para mim que o significado de ideias se refere a algo mais intelectualizado, mais pensado teorizado e afins, uma vez que palavras obscenas e conversa fiada nada teriam a ver com intelectualidades, teorizações, pois parte de uma situação mais espontânea, que não passou por uma reflexão dos interlocutores. Entendem minha dúvida?

Um YouTuber disse uma vez: «Pessoas intelectuais falam sobre IDEIAS e pessoas INCULTAS falam sobre pessoas.»

Fiquei pensando sobre isso...

Desde já, obrigado a vocês!

Farajollah Miremadi Engenheiro Lisboa, Portugal 165

Podiam esclarecer se a resposta dada em "O relativo quem e a preposição a" está em contraste com o que já se tinha dito na resposta "O emprego dos relativos que e quem" (26/09/2018, ponto iii), no qual se diz que «quem não pode ter a função de sujeito, nem complemento direito»?

Segundo o primeiro documento, quem pode ter qualquer destas funções, como podemos ver nos exemplos 4 e 5 ali.

Como é que é possível que a frase «Sei quem a Rita encontrou no cinema» esteja correta, enquanto a frase «Chegou o rapaz quem conheci» é gramatical?

Será forma correta se removermos «o rapaz» e dissermos «Chegou quem conheci»?

Daniel Camargo Professor Limeira, Brasil 218

A expressão temporal «até então» pode, modernamente, ter como equivalente também «até agora»?

À luz da tradição gramatical, então, nesse tipo de contexto, se refere a tempo passado, mas, no Brasil, é muito comum esse outro tipo de registro.

Em Portugal, comportamento semelhante talvez indique mudança em curso, não?

Obrigado.

Luisa Amorim Gestora Porto, Portugal 161

A grafia correta é "co-plantação" ou "coplantação"?

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 413

Examine-se este excerto evangélico:

«Então o pai reconheceu ser precisamente aquela a hora em que Jesus lhe dissera 'o teu filho vive'; e creu, ele e todos os de sua casa.»

Qual a razão do uso da vírgula após a palavra creu?

Acrescento que, embora o sujeito não esteja em posição canônica, sendo ele imediatamente posposto ao verbo, não demandaria vírgula, a exemplo de «Partiu o motorista e os passageiros em meio a uma terrível tempestade», «Receberam o candidato e seu professor os aplausos mais calorosos».

Obrigado.

João Trindade Médico Lisboa , Portugal 198

Existe a palavra regressível? Não encontro referência dela nos vários dicionários que consultei.

Obrigado.

Diogo Morais Barbosa Estudante Lisboa, Portugal 201

Uma pergunta muito concreta: devemos dizer «o médico está de estetoscópio no pescoço» ou «o médico está de estetoscópio ao pescoço»? Qual o critério de escolha, nestes casos, entre «ao» e «no»?

Julian Alves Estudante Rio de Janeiro, Brasil 256

Eu tinha de fazer essa pergunta a vocês antes, porém não me foi possível, então faço a vocês agora.

A consultora Carla Marques respondeu a um consulente a respeito do verbo alcançar, presente na obra de Machado de Assis O Alienista. Confesso que, depois da explicação dela, fiquei confuso, pois não consegui compreender a construção em outras situações: «[…] não podendo el-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra, [… ]» (Machado de Assis, O Alienista)

Leve em consideração a seguinte exposição:

1.º Se se trata do verbo alcançar como transitivo direto e indireto (conforme foi apontado por Carla Marques), por que o pronome dele parece exercer a função de sujeito de «ficasse em Coimbra», quando na verdade tal exerce função de objeto indireto? Assim sendo, é como se a frase pudesse ser estruturada do seguinte modo: «… não podendo el-rei alcançar de que ele ficasse em Coimbra…».

2.º Se eu estiver errado a respeito da observação do pronome como sujeito, então seriam permitidas as construções do tipo: «… não podendo el-rei alcançar de mim/ti que ficasse/ficasses em Coimbra…»

3.º Mas, se eu estiver certo na minha observação do referido pronome como sujeito, então permitidas seriam tais construções: «… não podendo el-rei alcançar de eu/tu que ficasse/ficasses em Coimbra…» Ou: «… não podendo el-rei alcançar de que eu/tu ficasse/ficasses em Coimbra…»? Se sim, por quê?

4.º A frase de Machado de Assis poderia escrever-se no modo reduzido assim: «… não podendo el-rei alcançar de ele que ter ficado em Coimbra…»?

5.º Seria correto substituir o verbo alcançar pelos verbos conseguir e obter (já que o dicionário Aurélio as apresenta como sinônimas) na frase original de Machado de Assis: «… não podendo el-rei conseguir/obter dele que ficasse em Coimbra…»?

Desculpem-me por minha exposição ser tão extensa.

Desde já, meu muitíssimo obrigado.

Taiyo Loechel Tradutor Isesaki, Japão 339

Caros amigos do fórum, muito obrigado por sempre responderem de forma rápida, completa e atenciosa. Aqui vai outra dúvida com que me deparei ao escrever:

«Por as mãos estarem escorregadias...[acontecimento x]»

«Pelas mãos estarem escorregadias...[acontecimento x]»

Esta contração é obrigatória ou facultativa?

João Domingos Tradutor Lisboa, Portugal 305

Quando em inglês se diz America, referindo-se os Estados Unidos, será legítimo traduzir por Estados Unidos, sendo que América será um termo que engloba todo o continente americano? E, nesse caso, deverá American ser traduzido por estado-unidense?

Apesar do uso comum de americano para definir os habitantes dos EUA, não será esse um termo muito genérico que poderia até incluir canadianos, mexicanos e afins, que também vivem no continente americano?

Obrigado.