Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Fábio Vasco Operador/técnico de call center Quinta do Conde, Sesimbra, Portugal 228

Gostava de saber a legitimidade/origem do termo "cardência", quando me refiro a um móvel antigo com espelho pois, apesar de encontrar referências na Internet, não encontro o termo dicionarizado (pelo menos no Priberam).

Obrigado!

Ana Maria Barros Pedagoga Timóteo, Brasil 442

No período:

«[A]conteceu que, quando o espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas depois nunca mais.»

O termo mais pertence sintaticamente a que classe gramatical?

Presumo não ser advérbio de intensidade, logo a que classe pertence?

Obrigada!

Farajollah Miremadi Engenheiro Lisboa, Portugal 611

Podia dizer-me o porquê de usar o verbo no futuro de pretérito nas seguintes frases :

1- «Depois disto, o rei D. Dinis, o sexto rei de Portugal, viria a criar a Universidade de Coimbra...»

2 - «... Mas tal só viria a suceder-se em 1147, durante a governação de D. Afonso Henriques...»

3- «... a sua derrota perante os muçulmanos viria a ditar o fim do seu império no ano de 711.»

Em geral, tal aplicação de verbo no futuro de pretérito nestas frases parece seguir uma regra comum, não é?

Se sim, qual?

Obrigado

Armando Cordeiro Arquiteto Coimbra, Portugal 237

Em arquitetura usa-se muito frequentemente a palavra projetual para se referir qualquer coisa relacionada com um projeto de arquitetura.

A palavra existe? O seu uso é correto?

Givanei Lima Dias Júnior Estudante Vitória da Conquista, Brasil 232

1. Na frase «quantos dias DEMORAM para fazer efeito o remédio?», o verbo demorar na frase a seguir deve ficar no plural, concordando com «dias», ou no singular, por indicar passagem de tempo?

2. No caso do verbo levar, em sentido de transcurso de tempo, deve-se seguir a regra dos verbos haver e ter e colocá-los no singular?

«Levou 10 dias» ou «levaram 10 dias»?

Obrigado!

Sávio Christi Ilustrador, quadrinista, escritor, pintor, letrista e poeta Vitória (Espírito Santo), Brasil 239

As gírias massa e fofo são sinônimas equivalentes?

Caso não, quais as diferenças exatamente?

Tipo assim: «Ah, mas ele é muito fofo!», e: «Ah, mas ele é muito massa!» (não como ofensas... mas como elogios!).

Muitíssimo obrigado e um grande abraço!

Maria Duarte Explicadora Lisboa, Portugal 248

Mais uma vez recorro ao vosso muito útil apoio.

Creio que o sentido destes versos, que Camões põe na voz do Adamastor, será o de que o emissor ["Eu"] não conseguiu resistir à ilusão, foi ludibriado por Tétis e Dóris. Será? Contudo, à letra parece ser exatamente o contrário. Como explicar esta negação?

Obrigada, desde já!

Christian Jiménez Estudante Brasília, Brasil 263

«Seu programa nacional-desenvolvimentista guardava uma série de dificuldades e contradições ao mesmo tempo em que avança a modernização nacional para passos realmente importantes, [bem/assim como] sua fórmula populista de condução política via o risco da ingovernabilidade.»

Seria correto o uso de «bem/assim» como nesse contexto, possuindo o significado de «além disso», «ademais», etc.?

Noemia Freitas Professora Hong Kong , China 275

Gostaria de saber em quais circunstâncias devo usar «em direção a» ou «na direção de» e qual a diferença.

Beatriz Correia Dentista Brasil 261

A pedido de um colega, estou revendo um texto da área médica que contém repetidas vezes frases como esta:

«Setenta por cento dos pacientes foram definidos como apresentando um baixo grau de sangramento.»

A mim, soa muito mal o gerúndio após «definidos como», mas não sei justificar por quê.

O que há de errado? Uma sintaxe calcada no inglês? Ou seria uma construção aceitável?

Grata pela atenção.