Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Paulo Ricardo dos Santos Gonçalves Professor Rondonópolis, Brasil 126

O advérbio principalmente pode ser utilizado como um tipo de operador argumentativo?

Veja a frase:

«Cada porta fechada aumenta essa insegurança e sensação de impotência, principalmente no cenário atual que nos prende em um ciclo de rejeição.»

Obrigado.

Martim Balcão Lisboa, Portugal 138

Não consigo encontrar, em parte nenhuma, a origem do nome Balcão.

Balcão pode ser usado como: nome intermédio ou sobrenome, sendo a sua utilização como nome intermédio o mais frequente.

Alguns dizem que provém duma alcunha, que depois se tornou nome, mas não consigo encontrar a resposta.

Espero que o Ciberdúvidas me possa ajudar.

Diana Cristina de Sousa Mesquita Barbosa Médica Maia, Portugal 117

Tenho uma dúvida relativa à acentuação ou não da palavra "paraparésia".

"Paraparesia" ou "paraparésia"?

Hemiparesia não se acentua.

Grata por toda a colaboração.

Hakeel Gabriel Professor Luanda, Angola 194

Em «vi-os aos dois», «comprei-as a todas», qual é a função sintáctica dos termos em destaque de acordo com a Terminologia Linguística para o Ensino Básico e Secundário[1], a Nomenclatura Gramatical Portuguesa (1967) e a Nomenclatura Gramatical Brasileira (1959)?

 

[1 N. E. – Esta terminologia, conhecida pela sigla  TLEBS e, entre 2004 e 2007, aplicada no ensino básico e secundário de Portugal, foi substituída em 2008 pelo Dicionário Terminológico, que constitui, conforme se lê na Direção-Geral de Educação, «um documento de consulta, com função reguladora de termos e conceitos sobre o conhecimento explícito da língua, de forma a acabar com a deriva terminológica». Sobre a TLEBS e a polémica que gerou, consultem-se os artigos reunidos pelo Ciberdúvidas aqui.]

Rafael Souza Engenheiro Salvador, Brasil 112

Gostaria de conhecer a origem da expressão «como o "que"» (ou «como que», não sei ao certo já que o som das duas expressões é muito próximo), muito utilizada em algumas regiões do Brasil no final de algumas frases.

Exemplos: «O chá está quente como o "que"»; «Corri como o "que"».

Obrigado.

Gilcileno Amorim Tradutor Mossoró (RN), Brasil 222

Leio nos jornais impressos, vez por outra, o emprego da palavra cirurgiado.

Estaria correto o uso desse neologismo ou seria condenável a utilização dessa palavra, perante a norma culta da língua portuguesa?

Obrigado.

Rui Wahnon Tradutor aposentado Colares, Sintra, Portugal 349

Vi na televisão a seguinte frase numa legenda, que julgo ser incorrecta[*]: «Não vamos ir».

Agradecia um comentário, perante a atitude de um colega que a defendeu e não aceitou os meus argumentos.

Desde já grato.

 

[* N. E. – O consulente adota a norma ortográfica de 1945.]

Maria Duarte Explicadora Mafra, Portugal 240

Antes de mais, parabéns pelo vosso trabalho!

Na frase «duvido que chova», temos modalidade epistémica com valor de [in]certeza ou de probabilidade?

Muito obrigada desde já!

Raquel Santos Estudante Porto, Portugal 247

Li atentamente todas as respostas que deram sobre o uso de nomeadamente. A dúvida recai no elemento precedente.

Observem-se as seguintes frases:

a) Fátima recebe católicos, nomeadamente, europeus, latinos e asiáticos.

b) Fátima recebe, nomeadamente, europeus, latinos e asiáticos.

A frase b) estaria correta? Para mim falta-lhe um nome que seja especificado / esclarecido posteriormente pelo nomeadamente. Nesta frase poderia ser «católicos» ou «várias pessoas. O que o nomeadamente faz é especificar, dar exemplos, desses católicos ou dessas pessoas. Porém, se não há referência na frase aos mesmos, esta estaria correta?

Bem hajam pelo vosso excelente trabalho!

Jessica Mendes Estudante Lisboa, Portugal 333

Vivo em Lisboa, e ouço e uso muitas vezes o verbo assilhar. Já o procurei na Infopédia e no Priberam, mas não encontro.

É correto?