Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Márlon de Jesus Funcionário Público Porto Velho, Brasil 1K

Em tempos de pandemia do coronavírus, espalha-se rapidamente na imprensa e redes sociais brasileiras as locuções concorrentes "álcool em gel" e "álcool gel". Qual das duas é a correta?

Além disso, seria possível a palavra composta "álcool-gel"?

Agradeço-lhes de antemão a atenção dispensada e rendo-lhes voto de saúde!

Adelaide Saraiva Professora Portugal 663

Em português de Portugal, devemos escrever «estar de quarentena» em vez de «estar em quarentena»? Qual dos dois o mais correto?

Antecipadamente grata pela vossa resposta.

Tiago Moita Tradutor/revisor Lisboa, Portugal 480

Tendo em conta que o verbo testar é transitivo directo, isso não faz de "positivo" em "testar positivo" o complemento directo?

Não me parece fazer sentido. Testa-se a pessoa, não o resultado, diria eu. Soa-me a um decalque do inglês "test positive for", mas encontram-se tantos exemplos na imprensa, que fico na dúvida.

Ficaria muito agradecido se pudessem clarificar esta questão.

 

O consulente escreve segundo o AO de 45.

Olga Ferreira Professora Leiria, Portugal 303

Gostaria que me esclarecessem, por favor, a seguintes dúvidas, por falta de consenso, sobre a análise sintática [dos constituintes] da frase seguinte: «A lua é como barca perdida.»

«barca perdida» –- predicativo do sujeito; «perdida» – modificador restritivo do nome. [...]

Tenho pesquisado em diferentes fontes linguísticas e não encontrei um único exemplo semelhante que me convença que «perdida» é um '«modificador restritivo do nome» inserido no predicativo do sujeito «como barca perdida».

Se o predicativo do sujeito é uma função sintática interna ao grupo verbal e que pode ser desempenhada por um grupo nominal, cujo núcleo do grupo é um nome, que o define, sendo neste caso «barca», e se o predicativo do sujeito está relacionado com o sujeito e completa o sentido do verbo copulativo ser, por que razão o segmento «barca perdida» não é apenas predicativo do sujeito, dado que predica a «A lua»?

Por outro lado, «barca perdida» está antecedida por «como», que introduz o segundo termo de comparação nesta frase. Então a «lua» é comparada a «barca perdida». Caso «perdida» seja um modificador restritivo do nome, restringe [o] quê, «barca»?

Se omitirmos o hipotético modificador restritivo do nome, o sentido do grupo nominal fica completo sem este? Considero que não! A frase fica agramatical: «A lua é como barca.» O modificador não é selecionado pelo nome «barca», pelo que [«perdida»] não pode ser um modificador restritivo do nome, ao contrário do complemento do nome, que é selecionado por um nome.

Por último, será que «perdida» é modificador restritivo do nome de «A lua», dado que completa o sentido do verbo copulativo ser e está relacionado com o sujeito «A lua»? Julgo que não! Mais uma vez a frase fica sem sentido: «A lua é como perdida.»

Face ao exposto, considero que os elementos da expressão «como lua perdida» são indissociáveis e, por isso, constituem o predicativo do sujeito de «A lua». [...]

Obrigada.

Miguel Miranda Lucas Estudante Bélem, Brasil 566

Eu tenho dez anos, sou português, mas moro no Brasil, onde estudo no 5.º ano.

No Brasil, aprendo: porque(ê) e por que(ê), todos com diferentes significados, mas em Portugal penso que não usamos por quê e por que.

Queria saber quais são as regras em Portugal e o que dita o acordo ortográfico.

Obrigado.

Steve Mackenzi Estudante Santa Maria - RS, Brasil 324

Recentemente vi uma postagem nas redes sociais com a seguinte frase: «Namore alguém que acredita na ciência e defende o SUS.»

Minha dúvida é: a forma certa não seria «Namore alguém que acredite na ciência e defenda o SUS»? Ou as duas formas estão corretas?

Desde já, agradeço.

José de Vasconcelos Saraiva Estudante de Medicina Foz do Iguaçu, Brasil 379

Desejava saber sobre o emprego do pronome complemento -o depois de formas verbais terminadas em ditongo nasal. Já encontrei em textos de autores portugueses de boa nota este registo, por exemplo, "dizem-o" por dizem-no. É correto semelhante uso, ou só enfático?

Gratíssimo ao vosso excelente trabalho!

Matheus de Oliveira Silva Revisor de textos Bauru, Brasil 303

Quando escrevemos um soneto, podemos dizer que o esquema rímico é o seguinte: ABAB/ABAB/CDD/CDD.

No entanto, quando escrevo um poema que esteja, por exemplo, em versos alexandrinos, e eu desejo rimar os hemistíquios, como posso proceder para representar meu esquema rímico?

Pensei em algo assim, sem saber se faço direito: "AaBAB/AaBAB/CcDD/CcDD"

Nessa minha representação, o segundo verso de cada estrofe teria seu primeiro hemistíquio rimado com o verso anterior.

Obrigado.

Antonio Lima Professor Bonito-PA, Brasil 295

No Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa, de Domingos Paschoal Cegalla, ele afirma que xadrez como adjetivo é invariável quando relacionado a cores de tecido. Ex: «tecido xadrez», «camisa xadrez», «gravatas xadrez».

Sendo assim, na frase «estas gravatas xadrez das crianças são lindas», não haveria concordância de gênero e número.

Seria essa uma exceção à regra?

Grato pela resposta.

Lu Wang Estudante Pequim, China 353

Agradeço que me expliquem como analisar a frase «Ainda bem que tiveste uma boa classificação nas provas de apuramento.»

Quais as funções sintáticas de «ainda bem» e de «que» nesta frase?