Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Monica Machado Tradutora Devauden, Reino Unido 160

Obrigada desde já pelas muitas e importantes respostas que nos têm dado ao longo destes muitos anos.

Hoje a minha pergunta tem a ver com a grafia de nomes de espécies zoológicas que incluam apelidos de cientistas que as descobriram e se esse apelido se escreve com maiúscula ou minúscula. Apesar das muitas pesquisas que fiz, não consegui encontrar uma explicação clara.

O dicionário online da Porto Editora grafa os exemplos abaixo com minúscula. Mas há muitas referências da especialidade que as grafam com maiúscula.

Se houver regra para isto, podem, por favor, explicar? E a regra, se existir, é diferente pré e pós-acordo ortográfico? E, se assim for, qual a forma certa para cada um dos acordos?

Cuvier’s beaked whale – "baleia-de-bico-de-Cuvier" ou "baleia-de-bico-de-cuvier", sendo que Cuvier provém do nome Georges Cuvier (1769-1832, anatomista francês?

Bryde's whale – "baleia-de-Bryde" ou "baleia-de-bryde", sendo que Bryde provém do nome Johan Bryde (1858-1925), cônsul norueguês?

Obrigada pela resposta.

Daniel Camargo Professor Limeira, Brasil 201

Numa sentença como «está aparecendo todo o mundo, menos eu», o emprego do pronome reto eu se mostra adequado?

Pergunto isso, porque, nesse contexto, menos funciona como preposição, já que significa «exceto», não?

Obrigado.

Antonio Carlos Costa Engenheiro São Bernardo do Campo, Brasil 195

«Maria estava mal/bem da cabeça.»

Amigos, recorro mais uma vez a vocês para perguntar-lhes que função sintática exerce o sintagma «da cabeça».

Complemento nominal, talvez?

Daniel Camargo Professor Limeira, Brasil 159

Numa sentença como «Saudade de sair sem lenço nem documento... Ô, saudade», ô expressaria o mesmo sentido da interjeição de vocativo ó?

Em caso afirmativo, a vírgula que o separa do termo saudade seria desnecessária?

Obrigado.

Armando Dias Reformado Lagos, Portugal 196

A propósito do termo infodemia – que, salvo erro, só se encontra dicionarizado na Priberam: «Excesso de informação sobre determinado tema, por vezes incorreta e produzida por fontes não verificadas ou pouco fiáveis, que se propaga velozmente (ex.: infodemia de notícias falsas nas redes sociais*).» – já vi a seguinte formulação: «Infodemia de desinformação»

Não haverá aqui conceitos distintos? É que infodemia não é necessariamente desinformação (quando muito pode levar a isso) e a desinformação não é quantificável: é desinforrmação, ponto.

Obrigado.

* Ver aqui explicação.

Luís Guimarães Jornalista Amadora, Portugal 311

Exemplo: «a pequena linha azul apareceu devagar *como que* por artes mágicas»

Sugestão: «a pequena linha azul apareceu devagar *como se* por artes mágicas».

Está difundido o «como que», quando faz muito mais sentido (para mim) utilizar a segunda opção, *como se* (fosse)...

Estou certo ou estou errado?, perguntaria o Sinhôzinho Malta (e eu também, já agora).

Obrigado.

Paula Cunha Estudante Aveiro, Portugal 272

Qual a tipologia dos atos de fala presentes nas frases:

A) Não vou optar por processá-los.

B) Acho mal que as coisas funcionem assim.

C) Acho que ele publicou um livro.

D) Considero que estes investimentos foram desnecessários.

Considerei atos de fala assertivos, nas frases A); C); D) Considerei expressivo, na frase B).

Poderão ajudar-me a esclarecer esta dúvida?

David Luso Tradutor Madrid, Espanha 186

Começa a surgir, cada vez mais, o verbo to upcycle (e os deverbais upcycling e upcycled) que, segundo o Cambridge Advanced Learner's Dictionary & Thesaurus (© Cambridge University Press), significa «to make new furniture, objects, etc. out of old or used things or waste material» (sendo principalmente este último traço, a reutilização de "resíduos/subprodutos" para algo artístico, aquilo que diferencia este conceito do de reciclar).

Este neologismo é traduzido, em espanhol, como suprarreciclar (e, respetivamente, suprarreciclaje e suprarreciclado).

Em português, também poderia ser adequada a tradução de to upcycle/upcycling/upcycled como “suprarreciclar”/“suprarreciclagem”/“suprarreciclado”, respetivamente?

Agradeço, desde já, a vossa resposta.

Lucas Gomes Autónomo São Paulo, Brasil 295

«Fiz o bolo conforme a receita.»

Na frase acima,«conforme a receita» é uma locução adverbial?

Se sim, é possível existir locução adverbial iniciada por conjunção? A palavra conforme é uma conjunção?

Obrigado!

Antonio Lima Professor Bonito-PA, Brasil 316

Nos verbos que estão no imperativo (ex: «fique/fica sentado, Lucas!») há voz ativa ?

Grato pela resposta.