Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 53

Na frase abaixo, qual advérbio melhor se emprega: onde ou aonde?

«Pela vida de Javé, teu Deus, não há nação nem reino aonde (onde) meu amo não tenha mandado te procurar (...)»

Obrigado.

Noémia Santos Professora Coimbra, Portugal 43

Precisei de preparar este conteúdo gramatical (aspeto verbal) e as explicações encontradas para definir o aspeto iterativo e o habitual deixaram-me muito confusa, dadas as suas semelhanças.

Haverá algum modo simples e claro de os diferenciar?

Grata pela atenção dispensada.

Custódia Pereira Funcionária pública Seixal, Portugal 52

Em conversa com um amigo surgiu a dúvida acerca da forma de pronunciar a palavra ferroviário, dizendo o meu amigo que esta se pronuncia com e fechado – "fêrroviário" – enquanto eu defendo que se pronuncia "férroviário", visto que deriva de ferrovia + ário.

Agradeço o esclarecimento.

João Mota Marques Aposentado Sesimbra, Portugal 183

Não encontro gentílico para Terras de Bouro (distrito de Braga).

É confusa a toponímia do lugar, e daí a dificuldade na fixação do gentílico?

Conversando com família oriunda da localidade é-me dito que lá se diz «é de Bouro», «minhoto»... e mais não ouviram!

E que me diz o Ciberdúvidas?

Obrigado!

Larissa Scherer Professora Pelotas, Brasil 43

Referindo-se à região [do Brasil], escreve-se: "Centro Serra", "Centro-serra" ou "Centrosserra"?

Conforme a regra, quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento/palavra começa com uma consoante diferente de R ou S, não se utiliza o hífen. Nos casos onde o prefixo termina com vogal e a segunda palavra/elemento começa com R ou S, essas letras são duplicadas e não se utiliza o hífen. Por exemplo, a palavra antissocial é formada pelo prefixo anti e o elemento/palavra social, mas como o prefixo termina em vogal (i) e o segundo elemento começa com S, o S é duplicado, formando assim a palavra antiSSocial. Portanto, seguindo esse raciocínio, deveria ser escrito "Centrosserra".

Mas não é o que encontramos na maioria dos textos – ou a palavra aparece escrita com hífen, "Centro-serra", ou sem hífen, "Centro serra". Entretanto, existe a regra dos encadeamentos vocálicos que poderia ser utilizada para explicar a grafia de centro-serra. Essa regra não fala sobre a utilização de prefixos. Ela estabeleceu que se deve utilizar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam para formar encadeamentos vocálicos. Ex: Rio-Niterói, Rio-São Paulo, Sampa-Sul. Portanto, quando as palavras aglutinadas não formarem um vocábulo, ou seja, uma nova palavra, deve-se utilizar o hífen.

Gostaria muito de tirar essa dúvida.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 57

«A advertência é própria para deixá-lo ciente do que se trata aqui, nestas páginas minguadas: um fugidio colóquio entre duas almas femininas – simples, corriqueiro e brando –, mas cujas consequências se supõe graves e irrecorríveis.»

Na frase acima o verbo supor está bem no singular?

Antecipadamente agradeço.

Bernardo Monteiro Estudante Porto, Portugal 217

Numa ficha de trabalho, foi pedido para referir o processo de formação de palavras do vocábulo inadiável. Esta palavra é derivada por sufixação ou por parassíntese?

Obrigado pela ajuda.

Maria João Professora Beijing, China 142

Tenho uma pergunta em relação ao uso do particípio passado, quando este funciona como modificador da frase, por exemplo:

(0) Atropelada pelo carro, aquela mulher caiu ao chão.

A minha pergunta é se as seguintes 2 frases são ambas corretas ou não e porquê?

(1) Chegados a casa, os colegas começaram a ajudar a Ana a preparar a festa.

(2) Chegada a casa, os colegas começaram a ajudar a Ana a preparar a festa.

No caso de a frase (2) não estar correta, é porque o particípio passado do verbo ‘chegar’ só se pode modificar o sujeito da frase principal, neste caso, ‘os colegas’? Então, porque é que a outra frase (3) está correta?

(3) Conferidos por duas pessoas, não deve haver mais erros nos dados.

Na frase (3), ‘conferido’ modifica ‘os dados’ que não funcionam como sujeito na frase principal.

Aguardo pela resposta e agradeço imenso!

Isa Alexandra Marques silva Professora português Vila Nova de Gaia, Portugal 179

Gostaria de saber se humildar ainda existe. Caso exista, qual o seu contexto [de uso]?

Obrigada.

Lucas Tadeus Oliveira Estudante Mauá, Brasil 167

Poderíeis analisar, para mim, a seguinte construção?

«Eis quanto me liga ao mundo.»

 

Obrigado.