Início Respostas Consultório
Zeferino Candongo Professor Benguela, Angola 328

Como diferenciar as Conjuncões das Preposições e conjunções preposicionais ou preposições conjuncionais?

Paulo de Sousa Tradutor Oeiras, Portugal 338

Pode anestético ser sinónimo de anestésico (=anestesia ou aquilo que produz anestesia)? Alguns dicionários apenas assim o atestam, outros, porém, relacionam-no unicamente com aquilo «que revela falta de estética». Serão acolhidas, em português europeu, ambas as aceções?

Paula Figueiredo Professora Viseu, Portugal 922

Na frase «Devemos todos ajudar.», deve considerar-se o sujeito simples (todos) ou nulo subentendido (nós)?

Apesar de ter já consultado outras respostas, continuo com dúvidas a este respeito.

Obrigada.

Pedro Martins Tradutor Lisboa, Portugal 211

Gostaria de obter ajuda para as seguintes questões: 1) Qual das frases está correta: a) O IPSS, I.P. tem diversas responsabilidades. b) O IPSS, I.P., tem diversas responsabilidades. c) O IPSS, IP, tem diversas responsabilidades. d) O IPSS, IP tem diversas responsabilidades. ou a) A Solvex, S.A. é a única empresa no mercado. b) A Solvex, S.A., é a única empresa no mercado. c) A Solvex, SA é a única empresa no mercado. d) A Solvex, SA é a única empresa no mercado. Essencialmente, a minha dúvida prende-se com o uso da vírgula neste contexto, não sabendo se há separação de elementos essenciais constituintes da frase ou se a vírgula (entre IPPSS e IP e entre Solvex e SA) faz parte do sujeito. 2) Da mesma forma, gostaria de perceber se os pontos de abreviatura em I.P. ou S.A. se colocam ou se seguem o mesmo processo adotado nas siglas precedentes. 3) Finalmente, gostaria de perceber se existe um espaço entre o ponto e a próxima letra, nestes casos: S.A. ou S. A.? I.P. ou I. P.?

Muito obrigado.

Jorge Clemente Moura da Costa Docente Funchal, Portugal 1K

A minha questão prende-se com a ordem da mesóclise dupla, por exemplo nas expressões «A Joana dar-vo-la-ia.» ou «A Joana dá-la-vos-ia.» A Gramática de Lindey Cintra parece sugerir que apenas a primeira forma está correta, mas não há qualquer teoria que sustente essa sugestão. Será que me podem ajudar?

Nuno Magalhães Braga, Portugal 346

Gostaria de saber qual a origem e significado da expressão «Fazer-se de Inês». 

Hiolanda Esteves Docente Guimarães, Portugal 586

Na frase «Sou homem: nada do que é humano me é estranho», qual a função sintática que assume a palavra "nada"? Como se pode qualificar, em termos de oração, «nada do que é humano»?

Vicente de Paula da Silva Martins Professor Universitário (UVA, Brasil, Ceará, Sobral) Sobral, Brasil 249

Ao longo da releitura de Capitães da Areia (edição de 1937), de Jorge Amado, deparei com esta construção: «– Tú não pode passar um dia sem bater coxas com esta bruaca, não é? Tú vae acabar tútú..» (CA, 1937, p.92). O que intrigou aqui foi a acepção para "tutu". Das quatro possibilidades de sentido para "tutu" (sem tantos agudos), nenhum se encaixa perfeitamente ao que espero do contexto. Qual o sentido para "tutu" no caso em tela?

Maria Teresa Chaves professora V. Nova de Gaia, Portugal 588

Na frase, «Penso, aliás, que tal intervenção terá de dispor de outras alternativas para além das atualmente existentes, que não são eficazes», o que, na segunda ocorrência, «que não são eficazes», é um pronome relativo ou uma conjunção causal?

Grata pelo esclarecimento.

Isabel Freire Professora Santarém, Portugal 68

No manual de 11.º ano, Caminhos, surge a seguinte questão - que ainda por cima está integrada num teste com a estrutura do exame e em que quase todas as questões são extraídas de exames nacionais: «A forma verbal "estão expostos" encontra-se no: a) presente do modo indicativo. b) pretérito perfeito composto do modo indicativo. c) pretérito-mais-que-perfeito composto do modo indicativo. d) pretérito perfeito composto do modo conjuntivo.» A solução dada como correta é a b), o que considero errado.Gostaria de esclarecimentos, por favor.