Início Respostas Consultório
Débora Martins estudante Portalegre, Portugal 602

Qual o processo de formação das seguintes palavras? Retrovisor; ciberespaço; passatempo; descobrimento; ternura; sociologia; trespassar; ilegal; vaivém; belas-artes; bem-me-quer; louvável; cooperar; saltitar; autocarro; desalmado; abraço; apadrinhar; flor da idade; agronomia e planalto.

Obrigada.

Débora Martins estudante Portalegre, Portugal 1K

Como posso distinguir os vários tipos de modificador?

Obrigada

Luís Pereira Professor Coimbra, Portugal 227

Está correto aceitar que comida deriva, por processo não afixal, de comer? Não se trata aqui de um erro da editora? Algumas redefinições gramaticais também me intrigam.

Dada a explicação de uma editora, no processo não afixal, em que ensina a retirar simultaneamente a vogal temática a e o sufixo r à forma verbal trocar, por exemplo, e depois acrescentar a vogal o para construir troco, não estamos a afixar novamente o sufixo o? Isto não é mais confuso para um aluno e, afinal, não se trata de um processo de afixação?

E já agora, porquê a terminologia afixação em vez de afixal, se se opõe a não afixal? Para mim, faz sentido, sim, o processo da derivação regressiva: trocar > troca, em que apenas se retira o sufixo do infinitivo r.

Obrigado pela vossa paciência e tempo despendido.

Débora Martins estudante Portalegre, Portugal 733

Como posso distinguir o que nas orações? Tenho dúvida em saber se é oração subordinada adjetiva ou se é uma oração subordinada adverbial.

Luís Pereira Professor Coimbra, Portugal 242

Está correto considerar que a expressão "a boatos" («Não dês ouvidos a boatos.») desempenha a função de complemento indireto e posso aceitar o teste: "Não lhes dês ouvidos" ?

Obrigado pelo vosso trabalho e tempo.

Paula Fernandes Professora Lisboa, Portugal 250

Por vezes, tenho dificuldades em distinguir o valor aspetual imperfetivo, habitual e iterativo. Se me puderem ajudar, agradeço imenso. Assim, na expressão «Eles iam todos os dias ao cinema», o valor é habitual ou iterativo? E na frase «Quando era jovem, lia livros de aventuras», o valor é habitual ou imperfetivo?

Muito obrigada.

Marco Oliveira Engº Informático Lisboa, Portugal 469

Na utilização de pronomes pessoais referentes à divindade, são geralmente colocados com letra maiúscula: «…viemos adorá-Lo (Mt 2:2)», «…começaram a acusá-Lo (Lc 23:2)», «Amá-Lo com todo o coração». No entanto, alguns autores e tradutores colocam um apóstrofo no meio do pronome: «…viemos adorá-l’O », «…começaram a acusá-L’o», «Amá-l'O com todo o coração». Seria possível explicar se as duas formas estão corretas ou se apenas uma é válida?

João Nogueira da Costa Lisboa, Portugal 673

A resposta do Ciberdúvidas, dada por D´Silvas Filho, não esclarece por que razão o vocábulo ontem já se escreveu com h: “hontem”. É uma questão que também nunca consegui apurar. Terá sido por analogia com hoje ou com a palavra latina heri que significa «ontem»? No Diccionario da Lingua Portugueza de Antonio de Moraes Silva (8.ª edição, Volume II, 1891), a entrada ontem remete-nos para “hontem”, dando alguns exemplos: «desde hontem», «até hontem», «para hontem», «hontem foi dia sancto». Também na palavra erva, o mesmo dicionário nos remete para herva.

Mas neste vocábulo pode perceber-se a grafia com h através do seu étimo latino: herba. Do mesmo modo se podem compreender as grafias de húmido (português europeu) e úmido (português do Brasil), pois em latim existem as duas grafias: umidus e humidus. Alguns dicionários de latim referem que o h de é adventício, foi acrescentado a umidus por uma falsa aproximação com o vocábulo humus («terra»). Mas com o vocábulo ontem, que veio do latim ad noctem, não se percebe a ortografia “hontem”…

Natividade Ribeiro professora Aveiro, Portugal 498

Surgiu uma dúvida entre colegas, quando alguém afirmou que a palavra "caixinha" não era uma palavra derivada por sufixação. Teria sido numa formação sobre a Nova Gramática do Português Contemporâneo, [na qual] aprendera tal regra. Fomos investigar, mas não encontrámos nenhuma regra que nos orientasse nesse sentido. Ora, lembrei-me do Ciberdúvidas e que talvez tivesse uma resposta para a nossa pergunta. Aguardo ou aguardamos ansiosamente a vossa resposta!

Agradeço desde já a vossa disponibilidade e o excelente trabalho que realizam nesta página. 

Henrique Caires Estudante Belo Horizonte, Brasil 345

Segundo a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, capítulo 11, pronomes possessivos, pág. 341-342, o pronome possessivo em «Que palpita em teu louvor» tem valor equivalente a "de ti" (em louvor de ti), que exerceria a função de complemento nominal. Dessa maneira, diferentemente do que ocorre com a maioria das construções, seria esse possessivo, de fato, um complemento nominal e não um adjunto adnominal?