Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Cristina Castro Professora Matosinhos, Portugal 189

A frase «não sabia que tenho uma amendoeira no quintal» está correta? A coesão temporal não apresenta dúvidas?

Fui corrigida, porque a forma verbal tenho deveria estar no passado.

Obrigada

Fábio Morgado Formador Lisboa, Portugal 184

A frase em questão é:

«Memórias de quem se emociona porque sabe o que é sem ela viver.»

A oração «(de) quem se emociona» desempenha a função de complemento do nome pela ligação estabelecida com o nome/grupo nominal «memórias».

A minha questão prende-se com a classificação da oração.

Sendo introduzida pelo pronome relativo (sem antecedente) quem deveria ser classificada como substantiva relativa; contudo, atendendo à função sintática que desempenha, deveria ser classificada como substantiva completiva uma vez que as substantivas relativas não desempenham, até onde sei, essa função sintática? E como podemos justificá-lo?

Obrigado.

João Almeida Estudante Portugal 139

Como já foi escrito neste sítio, na Resposta a "Taquicardia" (dada por Carlos Rocha, 13 de novembro de 2013), o consenso académico coloca taquicardia, com o acento [tónico]em di, como a pronúncia correta.

Contudo, a minha dúvida vai no sentido de que o segundo elemento desta palavra provém do étimo grego κᾰρδῐ́ᾱ (kardíā); ao passar esta palavra para o latim científico (fonte de infinitos termos médicos), colocamo-la sob a regra da penúltima, que nos diz que a penúltima sílaba, por ser breve (a sílaba grega original é um iota breve), perde o acento, que passa para a antepenúltima sílaba.

Deste modo, o termo médico em latim científico tachychardia passaria a pronunciar-se com acento na antepenúltima sílaba, como o seu termo cognato em português, taquicardia, do mesmo modo como ocorre na pronúncia espanhola de taquicardia?

(Nota: na Resposta a "A pronúncia e o acento de ambrósia" (Carlos Rocha, 18 de maio de 2021), o iota breve de ἀμβροσία (ambrosía) também faz com que, na transposição latina, o acento passe para a antepenúltima sílaba.)

Rodrigo Vasconcelos Advogado Belo Horizonte, Brasil 268

A resposta que D'Silvas Filho deu a uma consulta de 21.12.2007 sobre as variantes úmido e húmido sugere que a variante brasileira (úmido) inovaria relativamente à portuguesa (húmido), embora não escandalizasse (muito), mesmo nos «hábitos europeus» dos portugueses, já que dispensaria um h que não se pronunciava.

É isto verdadeiro apenas em parte, já que, embora o período pseudoetimológico da ortografia nos legasse húmido, era originariamente umidus o étimo latino. Assim, o que era falso cultismo (húmido) se tornou, com o tempo, a forma popular, a qual os formuladores da ortografia oficial brasileira acabariam por preterir em favor do cultismo, este sim, etimologicamente correto, úmido.

Não quero com isto sugerir que o étimo latino correto deva ser o parâmetro por excelência para a definição da aceitabilidade de determinada grafia, até porque, para mim, o parâmetro por excelência é o uso culto efetivo, real, nos nossos dias, pelo que úmido é errado em Portugal, e certo no Brasil, e húmido é errado no Brasil e certo em Portugal.

A minha única intenção foi esclarecer que, diferentemente do que sugeriu D'Silvas Filho, não houve liberalidade brasileira, mas, pelo contrário, rigorismo.

Miguel Reis de Araújo Estudante São Carlos, Brasil 245

A palavra esports, do inglês, se refere aos esportes eletrônicos, como jogos de computador que são jogados profissionalmente em campeonatos.

Essa palavra ficaria confusa no português, visto que se confunde com a palavra esportes.

Sendo assim, qual seria a grafia correta da palavra em português: "e-esportes" (traduzindo o termo), "e-sports" (com hífen, para evitar confusão) ou com a grafia em inglês mesmo, esports (como em email)?

Miguel Reis de Araújo Estudante São Carlos, Brasil 174

A palavra timer, do inglês, pode ser traduzida como temporizador, porém existem algumas palavras estrangeiras que passaram a fazer parte da língua portuguesa.

Minha dúvida é se a palavra timer faz ou não parte do português, já que eu já a encontrei em alguns sites de dicionários, como no dicio.com.br.

Obrigado.

Isabel Ventura Investigadora Lisboa, Portugal 263

Qual é a diferença entre igualdade e equidade? Em que contextos podem/devem ser usadas?

Grata pela atenção.

Diogo Morais Barbosa Estudante Lisboa, Portugal 246

Dizemos «A mãe agarrou o menino» ou «A mãe agarrou no menino»? E porquê?

Muito obrigado!

Maria Gonçalves Estudante Portugal 199

A modalidade expressa na frase: «Nas imediações de Tarddert, sou acordado pelo frio dos picos do Alto Atlas», retirado do relato «Marrocos. Miragens», de Manuel João Ramos, é apreciativa ou epistémica com valor de certeza?

A dúvida surgiu pela dificuldade em saber se o frio é algo objetivo ou subjetivo. Por exemplo, para o narrador, a temperatura que faz nos picos do Alto Atlas é baixa, tendo este frio, mas para alguém que viva num local cujas temperaturas rondem as do lugar anteriormente referido pode não estar frio.

Muito obrigada pela atenção.

Joana Martins Jornalista Lisboa, Portugal 257

Gostava de saber se algum dia existiu (mesmo que há muito tempo atrás) a grafia "lápiz", e não a que usamos hoje, lápis.

Bem hajam.