Início Respostas Consultório
Rúben Manuel Bettencourt Professor Povoação - S. Miguel, Açores, Portugal 745

Como classificar a segunda oração da frase: «O avô chegava a mentir, de tanto medo que tinha dela.», causal ou consecutiva?

Se, por um lado, a oração é marcada pelo conector tanto... que, típico das consecutivas, e pelo facto de exprimir o grau de intensidade («de tanto medo»), por outro lado, a relação de sentido entre as duas orações é de consequência - causa, sendo o medo que "o avô ... tinha dela" a causa para o facto de ele lhe mentir.

Assim, tendo em conta o facto de a oração subordinada possuir formalmente os marcadores indicativos das subordinadas consecutivas, mas evidenciar um nexo semântico causal, como classificá-la corretamente: causal ou consecutiva?

Margarida Isabel de Brito Janeiro Jornalista Faro, Portugal 237

XIII Mostra de Teatro do Concelho de Loulé denomina-se Cenários, daí que, em texto recente, mais concretamente em Nota de Imprensa, referi-me a ela como A Cenários – Mostra de Teatro de Loulé. Na verdade, outros colegas denominam o evento como «O Cenários». Creio que estou correta, mas já duvido.

Agradecia o vosso melhor esclarecimento.

Obrigada.

Maria Cunha Professora Guimarães, Portugal 1K

Em primeiro lugar, deixem-me agradecer o quanto a vossa ajuda é preciosa para todos (alunos e professores). Agora, gostaria que me ajudassem a esclarecer uma dúvida. Na frase «Mas hoje, vendo que o que sou é nada», a palavra «nada» é um pronome indefinido ou um substantivo? Como explicar a diferença entre ambos?

Obrigada.

Eulália Gaspar Professora Lisboa, Portugal 856

Na frase «Ninguém entra no laboratório», qual o tipo de sujeito? Qual a função sintática de «no laboratório»?

Obrigada.

Ana Goulão Estudante Lisboa, Portugal 1K

Gostaria de saber qual o valor expressivo da hipálage presente nos versos «(...) é que eu te falo das palavras/desamparadas e desertas/pelo silêncio fascinadas.», do poema O Silêncio, de Eugénio de Andrade.

Ângela Fonseca Professora Covilhã, Portugal 1K

Na frase «Ele levantou-se o mais cedo possível.», a que classe e subclasse de palavras pertence o elemento "o"?

Grata pela vossa atenção. 

José Santiago Professor Brasília, Brasil 839

«O Cortiço, de Aluísio Azevedo, é um romance naturalista.», «O cachorro soltou-se da coleira.» Na primeira oração, o termo «de Aluísio Azevedo» é um aposto explicativo? Na segunda, o termo «da coleira» é um objeto indireto, adjunto adverbial de lugar ou complemento circunstancial?

Desde já agradeço a ajuda dispensada.

Iolanda Marisa Alexandre Batista Professora Lisboa, Portugal 240

Na frase «desencadeando antipatia e recusa da aproximação entre os mortais quando o caos aparece no horizonte», qual é a função sintática de «entre os mortais»? Complemento do nome de «aproximação» ou modificador do grupo verbal de «desencadear»? 

Grata pela atenção.

Pedro Bicker Tradutor Gouveia, Portugal 1K

Numa enumeração de várias palavras antecedidas pelo ablativo «pelo», este tem de ser repetido ou é usado apenas antes da primeira palavra e nas seguintes usa-se o artigo definido? Por exemplo, «a casa foi usada pelo Pedro, pela Fernanda e pela Vitória» ou «a casa foi usada pelo Pedro, a Fernanda e a Vitória»?

Grato

Luís Pereira Professor Montijo, Portugal 1K

Gostaria de saber como formaria o superlativo absoluto analítico numa frase com mais do que um adjetivo, como por exemplo: «O João era divertido, atencioso e sociável.» Nessas situações coloca-se o advérbio apenas antes do primeiro adjetivo ou antes de todos?