Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Gustavo Lino Estudante São Paulo, Brasil 497

Gostaria de saber se o verbo «escarnecer» leva ou não a preposição «de». Os dicionários que consultei, apesar de unânimes em anotá-lo como sinônimo de «fazer escárnio (de)» ou «zombar (de)», não foram claros em relação ao uso da referida preposição. Se o contexto no qual pensei for de alguma ajuda, tinha em mente uma frase semelhante a «Quando tropecei, as pessoas, rindo-se, escarneceram de mim» (ou seria «escarneceram-me»?). Há, para este caso, uma forma preferível? Se ambas forem válidas, há alguma diferença de sentido?

Grato pela atenção.

Misael Abreu Estudante Simão Dias (Sergipe), Brasil 506

Segundo Ferrarezi Junior (2008, p. 157)*, «Nenhuma língua utiliza duas palavras ou expressões para dizer a mesmíssima coisa. [...] Por menor que seja a mudança, ela sempre ocorre quando trocamos uma palavra ou expressão por outra.» Partindo desse pressuposto, comecei a pensar sobre a existência ou não de sinonímia perfeita entre as locuções conjuntivas. Nas sentenças a seguir, por exemplo, todas as conjunções passam uma ideia de tempo; porém, parece-me que existe uma gradação de tempestividade (quão rápida a ação irá ocorrer).

O contexto é o seguinte: ao ser questionado sobre a data em que o edital de um concurso seria publicado, o governador afirmou: [1] «Quando tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [2] «Logo que tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [3] «Tão logo tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [4] «Assim que tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» Essa hipótese está correta? Existiria uma gradação entre essas conjunções e locuções conjuntivas (não necessariamente nessa ordem)?

* Ferrarezi Junior, C. Semântica para a Educação Básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

Marco Aurélio Cunha Camargos Professor Conselheiro Lafaiete, Brasil 654

Uma dúvida, por gentileza: por que razão Luiza não leva acento e juíza leva o acento? É uma questão etimológica?

Obrigado.

Albertina Mourato professora Cascais, Portugal 377

Peço a vossa ajuda no sentido de identificação do antecedente do possessivo que consta na última linha do texto que se segue. «Os perfis biográficos dos heterónimos, cuidadosamente traçados pelo poeta, pertencem ao foro da ficção, mas ficção onde há ainda zonas penumbrosas, na sequência da leitura dos textos de cada um deles e na decifração dos enigmas da família literária em que todos eles se inserem juntamente com o seu criador.»

Obrigada. 

Rafael Nascimento Funcionário público Catanduva, Brasil 959

Estava fazendo uma leitura e me deparei com a seguinte frase: «Nunca ocorreram aos grandes cronistas, em seus textos, basearem-se tão somente nas experiências de fato vividas por eles». Aí me veio a dúvida: O verbo "ocorrer" tem de vir no plural?

Tentei encontrar o sujeito da oração, no entanto, não consegui.

Gostaria também de saber a classificação do verbo "ocorrer" na frase em questão.

Ana Silveira Professora LISBOA, Portugal 912

Gostaria de saber se, nos versos «Quando deu fim à longa narração/Dos altos feitos, grandes e subidos», o constituinte «Dos altos feitos, grandes e subidos» desempenha a função sintática de complemento do nome ou de modificador apositivo do nome e porquê.

Obrigada.

Fernando Pestana Professor Mondim de Basto, Portugal 716

Há tempo que não vos envio uma pergunta. Pois bem... vou direto ao ponto: o gramático Celso Cunha chama de prefixo conjuncional o vocábulo QUE que introduz orações optativas, como em «Que venha logo o verão!»

Gostaria de saber a classificação desse vocábulo, segundo outros estudiosos da língua, pois não encontrei nada além...

Muito obrigado! 

Francisca Santos Estudante Porto, Portugal 838

«Uma das bibliotecária aproximava-se, segurando com as duas mãos uma caixa vermelha de capa dura». Na análise sintática desta frase, um manual escolar do 10º ano identifica o segmento de capa dura como complemento do adjetivo. Não consigo entender essa classificação. Será que me podem ajudar?

Muito obrigada.

Maria Luísa Cordeiro Professora Chaves, Portugal 807

Embora tenha consultado as vossas respostas e as gramáticas de que disponho, continuo, assim como os meus colegas, a ter dúvidas no que diz respeito à classificação de último - se primeiro é um adjetivo numeral, por que razão último, que tem o mesmo comportamento "frásico", é, segundo respostas vossas e as gramáticas, um adjetivo qualificativo?!! Não tem o mesmo comportamento dos adjetivos dessa subclasse?! Na expressão «o último a chegar...», o antónimo é «o primeiro a chegar», logo, e segundo o que aprendi, tem de pertencer à mesma classe gramatical! Por favor, esclareçam - nos!

Muito obrigada.

José Santos N/A Portugal 681

É esta resposta válida? São várias as referências a Pera, desde o sítio da Câmara Municipal à página na Wikipédia que inclui a seguinte nota linguística: «A grafia Castanheira de Pera baseia-se na origem do nome desta localidade, que deriva de peralta e não de pêra (fruto da pereira). Aliás, até meados do século XIX, o nome da localidade era Castanheira de Pedrógão. A grafia Castanheira de Pêra está portanto errada, embora seja, infelizmente, muito frequente (incluindo no brasão representado neste verbete). Esta questão, muitas vezes polémica, é resolvida com o AO 1990, já que a palavra pera perde definitivamente o acento circunflexo.