Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Guilherme Ramos Advogado Porto, Portugal 94

Qual é a origem da expressão «compasso de espera»? Terá algo a ver com o compasso pascal?

Obrigado.

Sara Graça Ferreira Neves Professora Sazes do Lorvão, Portugal 203

A minha dúvida prende-se com a subclasse dos verbos, considerando a ativa e a passiva.

A propósito da frase «Quando a pergunta me foi feita» (não estando expresso o complemento agente da passiva), encontrei uma ficha com uma questão para indicar a subclasse do verbo fazer, dando como solução transitivo indireto. Ora, esta situação levou-me a considerar o porquê de se admitir que o complexo verbal passivo peça complemento indireto (me) e se ignore o facto de o sujeito da frase passiva constituir um complemento direto na ativa. Ou seja, na ativa o verbo fazer é transitivo direto e indireto.

Passando para a passiva, essa classificação mantém-se (uma vez que a ação é a mesma) ou altera-se?

Mas, se é diferente, por que motivo consideraram que o complexo verbal «foi feita» pede complemento indireto (comum à ativa e passiva – «foi feita a quem?») e não se considera que selecione também complemento agente da passiva («foi feita por quem?»), não existindo nas subclasses do verbo principal uma para este tipo de complemento...(o transitivo indireto seleciona complemento indireto ou oblíquo, mas não encontrei em nenhuma gramática o complemento agente da passiva).

Faz-me confusão considerar o que é óbvio (o me que se mantém nas duas formas) e ignorar o que fica por esclarecer...

Reconhecendo que esta seria daquelas perguntas que não se fazem, a estar feita, surgiu-me a dúvida e, independentemente da utilização da questão da ficha, gostaria de a esclarecer.

Guilherme Rodrigues Estudante Vitória, Brasil 263

Li a seguinte citação, apud Celso Luft:

«[...] não se deve pôr entre vírgulas o advérbio situado entre o verbo e o complemento. Hoje isso é prática comum, mas indefensável, no jornalismo e no estilo oficial. Escreve-se, por exemplo: ‘chegou, ontem, de São Paulo’ ‘não recuperou, ainda, os sentidos’ ‘comprou, agora, duas casas’; ‘demitiu-se, também, do Ministério’. Não há pausa em tais sequências: portanto, não se justifica a vírgula. Só num caso, excepcional, de ênfase ou de cabível relevo (Gladstone Chaves de Melo, Gramática fundamental da língua portuguesa, 3. ed., Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico, 1978, p. 248).»

Se possível, gostaria de saber mais informações sobre essa regra. Costumo utilizar esse tipo de vírgula para isolar o advérbio, então fiquei receoso de estar cometendo um equívoco. Contudo, não encontrei outros materiais tratando (,) especificamente(,) do tema.

Muito obrigado!

José Garcia Formador Câmara de Lobos, Portugal 301

Normalmente, as conjunções subordinativas atraem os pronomes. No entanto, na frase que se segue é possível que o pronome destacado venha depois do verbo?

«Odeia-o porque ver-SE casada com ele será um inferno.»

Obrigado.

Iago Maia Estudante Dourados, Brasil 240

Gostaria de saber se há alguma diferença entre os verbos supor e pressupor.

Seria bom apresentar exemplos de uso ou fornecer mais detalhes para demonstrar como esses termos são aplicados em diferentes situações.

Agradeço a quem puder elucidar a minha dúvida sobre essa distinção.

Ruslán Akhmetzyanov Professor Ufá, Rússia 265

Queria perguntar se se pronuncia a letra R que vai depois das letras S, N ou L como R forte, da maneira espanhola ou não.

Por exemplo a palavra honrar – [onrrar], no lugar de [onrar].

Obrigado.

Diogo Morais Barbosa Revisor Lisboa, Portugal 180

Num contexto mais específico, a questão é: «autor-matriz» ou «autor matriz»?

Num contexto mais abrangente, a questão é: justifica-se (e, se sim, em que medida) o uso de hífen em «matriz»?

Muito obrigado.

Pedro Miguel Ferreira Machado Desempregado Braga, Portugal 251

A frase seguinte pode ser considerada correta: «Do modo como ando e ando, andei»?

O cerne da minha dúvida centra-se na repetição da forma verbal ando intercalada pela conjunção coordenativa copulativa e. Do mesmo modo, na mesma linha de raciocínio, poderia dizer «E falei e falei e falei e falei e ele não me ouviu»?

Além disso, há ainda um caso semelhante que, para mim, é mais aceitável: o do mais. Por exemplo, «Correu mais e mais, até que chegou à meta», «Comeu mais e mais e mais até engordar».

Não vos parece que a expressão «mais e mais» tem o mesmo sentido de «cada vez mais» e pode-se tratar aqui de uma influência da sintaxe inglesa? Notem os exemplos: «Simply by going on and on...« ou «She wants more and more...».

Aguardo o esclarecimento das minhas dúvidas. Votos de um ótimo trabalho!

Diogo Morais Barbosa Revisor Lisboa, Portugal 357

Volto a esta questão, porque me parece que a vossa resposta anterior colide novamente com vários dicionários.

Lê-se:

«Mau grado (=«apesar de») nada tem que ver, pois, com o substantivo malgrado (= «má vontade», «desagrado»). Cf. Textos Relacionados, ao lado.».

Sucede que dicionários como o Priberam e o da Porto Editora referem expressamente que malgrado pode ser uma preposição com o sentido de «apesar de», «não obstante».

Em que ficamos?

Muito obrigado, como sempre!

Sávio Christi Ilustrador, quadrinista, escritor, pintor, letrista e poeta Vitória (Espírito Santo) , Brasil 235

A Wikipédia e o Wikcionário em português atestam que é possível grafar o nome muçum (peixe preto, branco e vermelho e com escamas) como mussum (com dois ss mesmo no lugar de ç)... Isso está correto?

Aprendi que, com dois ss (e inicial maiúscula também no caso), Mussum é o nome de um comediante e sambista brasileiro, cujo nome (artístico) vem diretamente do peixe, mas sempre fui levado a crer que o peixe só se grafasse com ç!

Obrigado.