Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório
Lobo do Olival Informático Portugal 310

Sei que as conjugações verbais na segunda pessoa do plural são cada vez mais raras, principalmente na parte mais sul do país, incluindo-me, eu, nesses que não as empregam de forma natural no seu cotidiano.

Para contextualizar a minha questão proponho a análise de duas frases:

«Não se esqueçam.»

«Não vos esqueçais.»

A primeira é aquela que é mais comum nos dias de hoje e a segunda é aquela que, no meu entender, estaria, formalmente, mais correcta.

A minha questão é:

Como é que se deu esta evolução? Deveu-se à repetição recorrente de um "erro" até ao ponto em que foi integrado e aceite como correcto ou a sua forma pode ser considerada correcta?

Obrigado.

 

O consulente escreve conforme o Acordo Ortográfio de 1945.

Lucas Tadeus Oliveira Estudante Mauá, Brasil 194

Estava lendo uma análise do soneto «Transforma-se o amador na coisa amada» e vi um cacófato no final do terceiro terceto.

«Assim co'a alma minha se conforma.»

Pensei no diminutivo de mama («peito de mulher, seios»), mas um amigo meu pensa no corte de carne.

Seja como for, gostaria de saber de duas coisas:

1) Possivelmente, era já um cacófato no tempo de Camões? Existia o corte de carne ou o uso de mama/maminha para designar seios de mulher?

2) Agora, em Portugal ele ocorre também?

Ana Maria Santos Professora Seixal , Portugal 150

Gostaria de saber qual é a origem da palavra "morçoas" que deu nome a um lugar da vila de Alhos Vedros.

Obrigada.

Guilherme Lemos Uberaba, Brasil 204

Eis que tenho de fazer uma indagação... Tal pergunta é relativa ao livro O Alienista, escrito por Machado de Assis.

Não depreendi o sentido da expressão «...não podendo el-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra...». Podem me elucidar esta frase?

No vocábulo, «alcançar dele» e, do mesmo modo, a conjugação do verbo «ficasse» (modo subjuntivo), não compreendi o porquê do emprego...

Que dizem?

Obrigado.

Sávio Christi Ilustrador, quadrinista, autor literário e youtuber Vitória (Espírito Santo), Brasil 168

A mãe de um amigo meu de infância me disse que eu não posso chamar três amigas pessoais minhas daqui de Vitória (Espírito Santo) de conterrâneas, já que não somos naturais da mesma cidade, ou, por extensão, do mesmo estado (eu próprio sou natural de Brasília, a primeira e a terceira são naturais de Timóteo [Minas Gerais] e a segunda é natural do Rio de Janeiro [cidade]).

Acontece que o dicionário explica que conterrâneo(a) é quem é da mesma terra do que o (a) outro (a), mas ele não diz que tem que ser da mesma terra NATAL (ou seja, terra DE NASCIMENTO...)!

Além disso, nós quatro somos muito mais capixabas do que brasilienses (em meu caso, que me mudei para Vitória em 1992), mineiras (nos casos da primeira e da terceira, que se mudaram para cá em 2000) ou cariocas (no caso da segunda, que se mudou para cá em 1990), haja posto que já estamos por aqui há tempos!

Capixaba é o natural ou residente do Espírito Santo (estado)... não é verdade?

A mãe de meu amigo de infância está correta ou não com isso tudo e por que no caso?

Obrigado.

Lucas Tadeus Oliveira Estudante Mauá, Brasil 252

Donde surgiu a forma «tomara que...»?

Vi o uso «tomaras tu poder...», uso este que não conhecia desta forma.

Geralmente compara-se este tempo com sua forma composta, o que é bem mais fácil de entender.

«Tomara que possas» é a forma contemporânea de «tomaras tu poder»?

Flávio Gomes Instrutor de Inglês Brasil 266

Dicionário Online de Português mostra que o verbo convir, em todas as suas acepções, é transitivo indireto, e, como exemplo na acepção de «demonstrar concordância ou entrar num acordo», cita a frase: «Convenho que estejas certo.»

Minha dúvida é: visto que ele é transitivo indireto, a frase correta não deveria ser obrigatoriamente «convenho EM que estejas certo»?

Obrigado!

Nicolau Herédia Estudante Brasil 228

No Extremo Oriente existe uma ilha, a ilha de Takeshima. O nome assim escrito, como se vê, não está aportuguesado.

Procurei a natural e possível forma “Taquexima” no Google, e, embora em nenhum texto recente estivesse presente essa forma, surpreendentemente a encontrei num escrito chamado «Cartas qve os padres e irmãos da Companhia de Iesus escreuerão dos Reynos de Iapão & China aos da mesma Companhia da India, & Europa des do anno de 1549. até o de 1580».

Será passível de consideração essa grafia aportuguesada, mesmo que antiquíssima?

Será que não se usou noutros textos fora dos meios virtuais?

Nelson Brás Tradutor Figueira da Foz, Portugal 226

a) «Certifique-se de que os dados do seu passaporte possam ser lidos de forma clara e de que a imagem não contenha partes desfocadas ou afetadas por reflexos»;

ou b) «Certifique-se de que os dados do seu passaporte podem ser lidos de forma clara e de que a imagem não contém partes desfocadas ou afetadas por reflexos»?

Apesar de já ter lido uma resposta sobre este tema [...], confesso que as frases acima me deixam um pouco confuso quanto à possibilidade de utilização do conjuntivo, uma vez que o elemento de «certeza/realidade/facto» não é claro:

1 – A ação que condiciona a boa leitura do documento ainda não foi realizada;

2 – Subentende-se, com facilidade, que o leitor terá de fazer mais do que «certificar-se de que». Nomeadamente, terá de se esforçar por obter uma digitalização correta do passaporte. Ou seja, a expressão «certificar-se de que» comporta um significado mais abrangente do que um simples «verifique se está tudo bem»;

3 – Existe sempre a possibilidade de o leitor não seguir o conselho (por esquecimento, etc.).

Os elementos acima remetem-nos para outra explicação: «o emprego do subjuntivo também indica que uma ação, ainda não realizada, é concebida como subordinada a outra, expressa ou subentendida, de que depende diretamente». Por conseguinte, sinto-me tentado a considerar que a utilização do conjuntivo na frase a) é correta.

Estarei equivocado?

Grato pela atenção.

Carlos Cruchinho Docente Viseu, Portugal 282

Abísmico – esta palavra existe na língua portuguesa?