Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Campo linguístico: Regência
Carlos Alberto Conti Revisor São Paulo, Brasil 175

Qual é a regência de conveniado?

Grato.

Isabel Silva Professora Braga, Portugal 166

Gostaria que me esclarecessem acerca da subclasse da forma verbal sospiro [= suspiro], ou seja, se é um verbo transitivo direto/indireto ou intransitivo, no contexto do verso «o por que eu sospiro», presente na cantiga de amigo "Ondas do mar de Vigo".

Grata pela atenção.

Nelson Brás Tradutor Figueira da Foz, Portugal 332

[...] [G]ostaria de vos transmitir a minha gratidão pelo excelente serviço que prestam no que se refere à defesa do verdadeiro português (hoje em dia tão frequentemente vilipendiado) em toda a sua riqueza de vocabulário, vertentes e matizes. Ultimamente, no âmbito da minha profissão de tradutor/revisor, tenho sido confrontado com uma crítica que me parece infundada. Apesar de ninguém me ter apresentado qualquer fonte fidedigna que possa servir de suporte a tal correção, também não consegui, até agora, encontrar qualquer argumento em contrário plasmado numa obra oficialmente reconhecida, pelo que apelo à vossa ajuda para garantir que me exprimo da forma mais correta possível.

Ao traduzir a expressão «establish connection to» (por exemplo, «establish connection to a different network»), utilizo por vezes a frase «estabelecer ligação com», à semelhança do que faço quando traduzo «establish connection with a different network» ou «connect to a different network». Acontece que, de vez em quando, recebo comentários que classificam tal expressão como sendo incorreta, indicando que a mesma deve ser substituída por «estabelecer ligação a». O argumento é sempre o mesmo: a regência do verbo ligar, no sentido de «unir/pôr em comunicação» implica que se utilize a preposição a. Apesar de concordar com o exposto relativamente ao verbo ligar, (uma vez que a utilização de com só é aplicável no sentido de «acender/pôr a funcionar»), não me parece que a regência no caso em apreço deva ser associada ao substantivo ligação, adotando as regras do verbo ligar, mas sim ao verbo estabelecer. Assim sendo, é óbvio que, ao telefonar a alguém, não posso «ligar com o destinatário», mas sim «ligar ao destinatário».

Quanto à expressão «estabelecer ligação com», não me parece que possamos aplicar o mesmo princípio, uma vez que entendo que a mesma implica reciprocidade, ou seja, quando «ligo» a alguém, o destinatário pode atender a chamada ou não, mas quando «estabeleço ligação com» alguém, a ligação concretiza-se, de facto. O mesmo acontece quando estabeleço laços, relações de amizade, acordos «com alguém» (e não "a alguém"). Por outro lado, se considerarmos a frase «O João liga-se (à Internet) com aquela rede operativa», também podemos presumir que o com na tradução de «establish connection with» é referente à utilização de um determinado meio (rede, etc.) para estabelecer a ligação. Contudo, existem muitas outras situações em que determinado termo pode ser interpretado de forma distinta, dependendo do contexto, o que não faz com que tais expressões devam ser abolidas (como é o caso de «os seus problemas», em que «seus» pode referir-se ao destinatário ou a terceiros).

Perante o exposto, agradeço que me confirmem se o meu raciocínio é correto, ou se, no caso em apreço, especificamente, a tradução «estabelecer ligação com» deve ser sempre substituída por «estabelecer ligação a».

Susana Simplício Gestora Projectos Lisboa, Portugal 513

«Teria muito gosto de fazer parte da sua equipa» ou «teria muito gosto em fazer parte da sua equipa»?

Manuel Correia Dias Professor/ Tradutor Évora, Portugal 275

[...] [E]m muitos dos [livros de Geshe Kelsang Gyatso traduzidos por certa editora brasileira] encontramos a expressão «caminho à iluminação» (ex. «O caminho à iluminação é um dos objetivos dos ensinamentos de buda.») ou, no caso de um dos títulos, encontramos Novo Guia à Terra Dakini. Tanto num caso como no outro, parece-me que a preposição correta a utilizar seria para, ou seja «caminho para a iluminação» e Novo Guia para a Terra Dakini. Gostaria de conhecer a vossa posição.

Obrigado.

Maria Duarte Explicadora Lisboa, Portugal 453

Na frase «As cortes têm-no como salvador da pátria», que grupo frásico constitui «como salvador da pátria»?

Desde já agradeço a vossa preciosa ajuda.

Lanito Molita Estudante Lisboa, Portugal 329

Venho parabentear-vos por este vosso esforço em prol da língua portuguesa e, ao mesmo tempo, questionar-vos sobre uma particularidade da regência de enamorar.

Na pergunta «A regência de enamorar-se», [...] vós respondestes que «A regência correcta de enamorar-se é com a preposição de.» No entanto, pesquisei na Internet e encontrei vários sítios que regem enamorar-se com a preposição por, tal como a regência de apaixonar-se. Serão erros desses mesmos sítios ou a regência de enamorar-se está a mudar e está a começar a aceitar essas duas possibilidades? Pergunto isto porque tive um professor de linguística na faculdade que me dizia que o idioma não é feito pelas convenções, mas sim pelos falantes do mesmo.

Desde já, muito obrigado pelo vosso auxílio.

Maria Manuela Neves Casinha Nova Professora Portimão, Portugal 1K

Na frase «chamavam gulosa à Maria», qual é a função sintática de gulosa?

Obrigada.

Patrícia Pereira Explicadora Gafanha da Nazaré, Portugal 1K

O verbo recorrer, quando transitivo indireto, rege um complemento indireto ou um complemento oblíquo?

Grata pela atenção.

Romeu Martins Estudante Braga, Portugal 1K

Recentemente, tenho notado que há jovens (sobretudo jovens) que dizem “pensar de”, por exemplo: «Pensei de dizer-te para irmos ao festival». E ainda com mais frequência, "curtir de": «Não curto muito dele.»

Está bem empregada a preposição? Os verbos em questão regem a preposição de?

Obrigado.