Início Respostas Consultório Campo linguístico: Tipologias textuais
Alexandra Figueiredo Socióloga Lisboa, Portugal 654

Estou a fazer uma análise de conteúdo do discurso jornalístico sobre o crime. Deparo-me frequentemente com a expressão «morta a tiros de caçadeira» e ainda «disparou a matar». Para além da violência associada às expressões, fico com curiosidade sobre se, do ponto de vista da língua portuguesa, estarão corretamente formuladas.

Agradeço, desde já, a vossa atenção.

Joaquim Lapa Reformado Anadia, Portugal 1K

Há dias, ouvi alguém dizer que não andava a fazer "nestum". Parece a mesma palavra que a conhecida marca comercial, ou será o mesmo que «nada»? Como apareceu esta expressão?

Augusta Sá Estudante Lisboa, Portugal 5K

O que caracteriza o discurso direto livre? Como se distingue este do discurso indireto livre?

Obrigada.

Henrique Mendes Estudante Lisboa, Portugal 1K

Queria saber o que é a composição poética e a estrutura interna de um poema, pois preciso de esclarecimento para um trabalho e não percebo o que é. Poderiam ajudar-me, por favor?

Joana Teixeira Portugal 722

Gostaria de saber qual o significado da expressão «o tempo é luxo que a nossa vida não só desrespeita como desmerece».

Gilliat Filho Técnico Macaé, Brasil 3K

Parabéns pelo trabalho feito no site, muito útil para os interessados em aprender sobre a língua portuguesa.

Gostaria de recomendações de livros para português formal utilizado no ambiente das organizações empresariais e sobre como fazer uma boa ata.

De que forma posso aprimorar meu vocabulário para um português formal utilizado nas empresas?

Grato.

Paula Almeida Escriturária Aveiro, Portugal 1K

Gostaria de saber se é correcto utilizar como fecho de uma carta comercial ou de um e-mail a expressão «Sem mais assunto em mente, subscrevo-me...».

Juan Arroyo Estudante Roma, Itália 4K

Desculpem a minha insistência, mas a pergunta que faço agora é parecida com esta, mas não é a mesma. Ademais, a resposta não responde exatamente à pergunta. A pergunta é a diferença entre colocar ou não colocar a preposição, já que, de fato, se usam as duas. A pergunta é se têm matizes distintos e se são as duas corretas, e a resposta limita-se a expor as regras do complemento direito preposicionado, que eu já conheço. Coloco de novo a minha pergunta caso os senhores queiram responder com precisão:

«A minha pergunta é muito concreta: já ouvi falar do complemento direito preposicionado aplicado ao caso de Deus (amar a Deus, conhecer a Deus), mas já vi usar as duas formas muito frequentemente: buscar a Deus/buscar Deus, ver a Deus/ver Deus, sentir a Deus/sentir Deus... e um longo et cetera. Só queria saber se são duas possibilidades corretas, ou se só uma é certa, ou se encerram matizes distintos... Preciso muito da sua resposta, porque trabalho numa equipe de tradução que usa muito estes termos. Agradeceria explicação detalhada. Muito obrigado.»

Daniela Corradi Estudante Itaúna, Brasil 3K

Gostaria de saber o emprego correto da palavra custo-benefício de acordo com a nova gramática da língua portuguesa. Gostaria ainda de saber se está correto o emprego da palavra "vigido", ou seja, por exemplo: «... do prazo em que tenham vigido.»

Vera Costa Estudante Porto, Portugal 17K

Queria perguntar quais são os conectores de discurso mais utilizados no discurso político? Quais as características e estrutura do discurso político? Estas perguntas relacionam-se com o programa escolar de 11.º ano – Português.