Início Respostas Consultório Campo linguístico: Estrangeirismos
João Carlos Amorim Reformado Lisboa, Portugal 538

A propósito do lançamento do último disco do grupo musical Ala dos Namorados, intitulado Vintage, tanto os seus participantes, nas entrevistas que concederam, por exemplo à Antena 1, como a própria promoção do CD nesta emissora de rádio, dizem sempre a palavra em inglês: /vinteidje/. Independentemente de duvidar que essa seja mesmo a pronúncia inglesa*, parece-me que, sendo a palavra de facto um anglicismo, ela já entrou, e há muito, na língua portuguesa – e devidamente dicionarizada com o significado genérico de «boa colheita» –, pelo que deve ser pronunciada como tal. Ou seja, /vĩntɐdʒe/. Estou certo?

* Em inglês, não será, antes, com acentuação na primeira sílaba?

João Pedro Fonseca Jornalista Lisboa, Portugal 254

 [Atualmente chamada Frente Fatah al-Sham], [escreve-se] «Frente "al-Nusra"» ou «Frente "al-Nosra"»?

Os anglo-saxónicos usam com u, os francófonos com o.

Lurdes Augusto Professora Lisboa, Portugal 374

Qual o processo de formação de palavras de "chalé"?

Obrigada.

Renato Souza Rio de Janeiro, Brasil 391

No contexto hoteleiro, os anglicismos «check-in» e «check-out» podem ser substituídos, respectivamente, por «verificação de entrada» e «verificação de saída»?

Júlio César Ferreira Reformado Vizela, Portugal 468

Oiço, com alguma frequência, os comentadores e relatores de desporto, principalmente de futebol, referirem : «este jogador é da "cantera" do clube...» Já vi em muitos dicionários e a palavra, em português, não existe.

O que significa e porque é tantas vezes referida?

João Carlos Amorim Reformado Lisboa, Portugal 1K

Tropeçando há dias num artigo de opinião intitulado "Os efeitos da Turistificação de Lisboa" (jornal Público, 25/11/2016), e como o encontrei dicionarizado, pergunto: "turistificação" está bem formado? E, se sim, então também é aceitável o verbo "turistificar"? Agradeço um comentário a mais este(s) termo(s) do... "turistiquês" .

P.S. — No mesmo artigo vinha outra palavra, "gentrificação" que, confesso, também desconhecia de todo.

Diogo Morais Barbosa Revisor Lisboa, Portugal 458

«T-shirt» deve levar sempre maiúscula inicial? Se, por um lado, vários documentos publicados parecem sugerir que não, por outro lado a origem da palavra é a forma «T», e não a forma «t»...

Obrigado.

João Nogueira da Costa Lisboa, Portugal 776

 «–Vai aceitar os resultados?

– Vou manter-vos em suspense, diz Trump.»

A propósito desta transcrição sobre o terceiro debate entre Hillary Clinton e Donald Trump, em Las Vegas, em 19.10.2016, vi algumas pessoas com dúvida em como pronunciar a palavra suspense. Eu sempre a pronunciei à francesa, mas os meus amigos mais novos estranham tal pronúncia.

Consultei o Google e encontrei estes dois artigos: [...] "A Suspensão do suspense", Língua à Portuguesa, 21/07/2009; [...] "Suspense", Ciberdúvidas, 8/02/2001.

Como a resposta do vosso consultor F. V. Peixoto da Fonseca [...], é muito taxativa, gostaria de ouvir uma nova opinião do Ciberdúvidas sobre este assunto.

Muito obrigado.

Nelson Alexandre Fernandes Garcia Barra Professor de Informática Santarém, Portugal 563

Gostaria de saber se deverei expressar [o anglicismo] cookies no feminino ou no masculino, encontrando-me na fase final da redação de uma dissertação de mestrado. Na minha expressão oral e verbal quotidiana sempre utilizei cookies no feminino. No entanto, tenho-me confrontado com várias referências bibliográficas que fazem referência ao termo cookies no masculino. A adensar ainda mais esta minha questão, tenho-me confrontado com dicionários que fazem referência ao termo cookie como um substantivo feminino e outros como um substantivo masculino.

Agradeço um esclarecimento claro quanto ao género deste substantivo, [na] língua portuguesa.

Paulo de Sousa Tradutor Cascais, Portugal 556

A expressão inglesa dog-whistle politics («política do apito do cão» – alusão ao som alto emitido por um apito, o qual só um cão consegue ouvir) é sobretudo usada nos EUA quando, na mensagem política, são empregados termos e conceitos aparentemente inócuos, mas potencialmente controversos, e que apenas uma porção (fação) do eleitorado compreende e identifica, deixando a maioria na ignorância ou com uma ideia muito diferente.

Por exemplo, a atual candidata à presidência dos EUA, Hillary Clinton, diz que o seu adversário, Donald Trump, sobrevive à custa dessa prática política, referindo ainda que a dog-whistle politics não é solução para os problemas da América, e muito menos do mundo.

Considerando que política do apito do cão não seria entendível, pois não vigora (ainda) na linguagem corrente (nos países de língua inglesa, quando começou a ser usada há cerca de uma década, careceu de explicação por parte dos meios de comunicação social), pergunto: seria aceitável traduzir-se por «política demagógica», «política da demagogia» ou «demagogice política», ou talvez outra expressão que pudessem sugerir?