Início Respostas Consultório Área linguística: Sintaxe
Paulo Rebelo Gonçalves Coimbra, Portugal 251

A expressão inglesa "press release" equivale ao português «comunicado de imprensa» ou «comunicado à imprensa». O que é mais correto: "comunicado de" ou "comunicado à"?

Marcelo Castro Silva Consultor financeiro Lisboa, Portugal 884

«Depois quero ver se vão reclamar do quê...»

Esta frase está gramaticalmente correcta?

Obrigado.

Rodrigo Pereira Estudante Lisboa, Portugal 284

Qual das seguintes frases está correta segundo o português europeu padrão?

«Eu hei-de experimentar a comprar pão daquele.»

«Eu hei-de experimentar comprar pão daquele.»

Tratar-se-á do mesmo fenómeno que ocorre com a preposição a antes do infinitivo como em:

«A continuar este trabalho, vou conseguir ganhar mais.»

E já agora qual o nome para estes fenómenos? Trata-se do gerúndio com a mais verbo no infinitivo?

Obrigado!

Isabel Caçorino Tradutora Lisboa, Portugal 508

Diz-se «posar em biquíni» ou «posar de biquíni»?

Muito obrigada.

Tiago Ferreira Marques Fotógrafo Porto, Portugal 622

Apesar de toda a consulta no Ciberdúvidas de artigos similares, é-me complexo decidir qual a melhor opção.

«Que ciência nos ensina os livros?»

«Que ciência nos ensinam os livros?»

Pensei que a primeira opção será a mais correcta, mas, algumas horas depois de escrever a frase, tive a clara sensação de que estava errada. Compreendo que a solução simples seria optar por «Os livros ensinam-nos que ciência?», mas esta frase claramente não cumpre os objectivos da primeira no contexto em que será usada (primeira frase de uma sinopse).

Muito obrigado.

Tatiana Nikolaeva Zabolotnaia Professora Fortaleza, Brasil 168

«Imaginemos, não o diálogo, que esse já aí ficou, mas os homens que o sustentaram, estão ali frente a frente como se se pudessem ver, que neste caso nem é impossível, basta que a memória de cada um deles faça emergir da deslumbrante brancura do mundo a boca que está articulando as palavras,...» José Saramago, Ensaio sobre a Cegueira, pág. 180

Gostaria muito que me dissessem se o que da proposição «que neste caso nem é impossível» no texto de Saramago faz parte da locução o que, e ipso facto, equivale a isto, e essa mesma construção poderia ser vista como relativa apositiva, ou, se se trata de um que causal segundo pensa o gramático brasileiro Napoleão Mendes de Almeida.

Agradeço-vos, desde já, não só a minha resposta mas também o vosso trabalho monumental.

Muito obrigada!

Daniel Klemm Estudante Lisboa, Portugal 125

Como devo escrever? «Metade dos inquiridos não concordou com a medida», ou «Metade dos inquiridos não concordaram com a medida»? «Um terço desses peritos não sabe do que fala» ou «Um terço desses peritos não sabem do que falam»? «Uma grande percentagem de portugueses fala inglês», ou «Uma grande percentagem de portugueses falam inglês»?

Muito grato.

Lino Mendes Reformado Montargil, Portugal 258

Todos os jornais escrevem «equipa de futebol feminino», mas o correto não será «equipa feminina de futebol»?

Obrigado.

Dolores Pina professora Mortágua, Portugal 305

Há pessoas que utilizam erradamente a expressão «que deslocaram-se», em vez de «que se deslocaram». Por que motivo não se deve usar a primeira expressão?

Nuno Santos professor Lisboa, Portugal 569

Tenho algumas dúvidas sobre a natureza e as funções sintáticas associadas a uma frase passiva de se. Por exemplo, na frase «vendem-se casas», que é equivalente a «casas são vendidas (por alguém)», gostaria que me confirmassem que se trata efetivamente de uma frase passiva. Além disso, qual a função sintática do constituinte «casa»" – é que na frase equivalente é o sujeito, certo? Nesse caso, tem a mesma função?

Obrigado e um grande bem-haja pelo vosso precioso trabalho.