Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Área linguística: Sintaxe
Patrícia Pereira Explicadora Gafanha da Nazaré, Portugal 262

O verbo recorrer, quando transitivo indireto, rege um complemento indireto ou um complemento oblíquo?

Grata pela atenção.

Romeu Martins Estudante Braga, Portugal 533

Recentemente, tenho notado que há jovens (sobretudo jovens) que dizem “pensar de”, por exemplo: «Pensei de dizer-te para irmos ao festival». E ainda com mais frequência, "curtir de": «Não curto muito dele.»

Está bem empregada a preposição? Os verbos em questão regem a preposição de?

Obrigado.

Fernando Miao Estudante Bragança, Portugal 403

Sou um estudante estrangeiro e ultimamente tenho estado a ler um livro de língua portuguesa e deparei-me com uma estrutura que me causa confusão: «Não a víamos, dela não aparecia um braço nem uma mão ao atirar as coisas.» A minha dúvida é por que razão se coloca dela no início da frase. Outra questão é se posso substituir «ao atirar as coisas» por «a atirar as coisas».

Espero que o Ciberdúvidas me possa ajudar.

Agradeço pela atenção.

Maria Monteiro Estudante Lisboa, Portugal 620

     É igualmente correto dizer/escrever «parecido com» e «parecido a» («parecer-se com» e «parecer-se a»)? Não consigo encontrar uma resposta a esta dúvida nas gramáticas de português a que tive acesso.

    Obrigada.

Rafael Nascimento Funcionário público Catanduva, Brasil 986

Estava fazendo uma leitura e me deparei com a seguinte frase: «Nunca ocorreram aos grandes cronistas, em seus textos, basearem-se tão somente nas experiências de fato vividas por eles». Aí me veio a dúvida: O verbo "ocorrer" tem de vir no plural?

Tentei encontrar o sujeito da oração, no entanto, não consegui.

Gostaria também de saber a classificação do verbo "ocorrer" na frase em questão.

Ana Silveira Professora LISBOA, Portugal 949

Gostaria de saber se, nos versos «Quando deu fim à longa narração/Dos altos feitos, grandes e subidos», o constituinte «Dos altos feitos, grandes e subidos» desempenha a função sintática de complemento do nome ou de modificador apositivo do nome e porquê.

Obrigada.

Fernando Pestana Professor Mondim de Basto, Portugal 723

Há tempo que não vos envio uma pergunta. Pois bem... vou direto ao ponto: o gramático Celso Cunha chama de prefixo conjuncional o vocábulo QUE que introduz orações optativas, como em «Que venha logo o verão!»

Gostaria de saber a classificação desse vocábulo, segundo outros estudiosos da língua, pois não encontrei nada além...

Muito obrigado! 

Francisca Santos Estudante Porto, Portugal 846

«Uma das bibliotecária aproximava-se, segurando com as duas mãos uma caixa vermelha de capa dura». Na análise sintática desta frase, um manual escolar do 10º ano identifica o segmento de capa dura como complemento do adjetivo. Não consigo entender essa classificação. Será que me podem ajudar?

Muito obrigada.

Filipa Fava Professora Vila Nova de Gaia, Portugal 565

Nos casos de frases complexas com orações coordenadas e subordinadas, como classificamos a oração principal? Por exemplo, na frase «Quando te vi, apaixonei-me imediatamente, mas só to disse mais tarde.» – a oração principal «apaixonei-me imediatamente» é classificada como oração coordenada ou oração subordinante?

Muito grata.

Eduardo Costa Professor Brasil 598

«Embora não trate especificamente da violência contra as mulheres, o texto remete para casos de estupro e agressão física, dos quais elas são as maiores vítimas.»

Na frase acima, o vocábulo trate é um verbo transitivo indireto. Porquê?