Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Área linguística: Semântica
Gil Costa Pescador Soutelo do Douro, Portugal 442

Ao falar com uma brasileira, perguntei-lhe se íamos ganhar o Mundial [de futebol]. Respondeu «Não sei. Está dando tanta zebra!». Tive de ir ver o que significa: «Aplica-se quando um equipa considerada favorita pela sua maior qualidade é derrotada por outra de menor gabarito.» Mas fiquei curioso acerca da origem de tão estranha expressão.

Obrigado. 

Tatiana do Carmo Técnica de Livro de Contas Edimburgo, Escócia, Reino Unido 516

Conhece-se a origem da expressão «conversa fiada». Terá a ver com fiar de ficar a dever ou ir fiando um fio de conversa?

Desde já obrigada.

Ana França Estudante Lisboa, Portugal 781

Tenho uma pergunta em relação ao uso da expressão «sei lá!» Por que razão tem esta o valor negativo de «não sei» quando não comporta qualquer marcador de negação?

Obrigada pela atenção.

Misael Abreu Estudante Simão Dias (Sergipe), Brasil 781

Segundo Ferrarezi Junior (2008, p. 157)*, «Nenhuma língua utiliza duas palavras ou expressões para dizer a mesmíssima coisa. [...] Por menor que seja a mudança, ela sempre ocorre quando trocamos uma palavra ou expressão por outra.» Partindo desse pressuposto, comecei a pensar sobre a existência ou não de sinonímia perfeita entre as locuções conjuntivas. Nas sentenças a seguir, por exemplo, todas as conjunções passam uma ideia de tempo; porém, parece-me que existe uma gradação de tempestividade (quão rápida a ação irá ocorrer).

O contexto é o seguinte: ao ser questionado sobre a data em que o edital de um concurso seria publicado, o governador afirmou: [1] «Quando tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [2] «Logo que tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [3] «Tão logo tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» [4] «Assim que tivermos a data correta, divulgaremos nos meios de comunicação.» Essa hipótese está correta? Existiria uma gradação entre essas conjunções e locuções conjuntivas (não necessariamente nessa ordem)?

* Ferrarezi Junior, C. Semântica para a Educação Básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

Marcos Vinícius Santana Estudante Rio Vermelho, Minas Gerais, Brasil 764

A expressão «Ah, tá!» é uma locução interjetiva ou são duas interjeições separadas? 

Obrigado mais uma vez.

Carlos Araújo Professor São Paulo, Brasil 734

Na seguinte enunciado «Florestas devastadas, solo, ar e água contaminados, fauna em extinção - tudo faz crer o fim, futuros desertos», em futuros desertos, poderia haver dupla interpretação, isto é, futuro poderia ser adjetivo do substantivo deserto = deserto que há de vir; porém, poderíamos pensar no futuro que será despovoado, desabitado. Mesmo pelo contexto, poderíamos pensar que o futuro será desértico ou o deserto será vindouro. Estaria correto o pensamento?

José Luís Garcês Administrativo Odivelas, Portugal 992

«O povo da Cidade de Tomar reuniu-se e, pela primeira vez, elegeu como mordomo da Festa dos Tabuleiros uma mulher.»

Sei que o feminino de mordomo é governanta, quando aplicado à gestão de uma casa, que não é o caso. Penso que a forma correta é mordomo, tanto para o masculino como para o feminino, mas como já vi diversas pessoas escreverem mordoma, gostaria da vossa ajuda para esclarecimento.

Muito obrigado.

Carlos Guimarães Funcionário público Lisboa, Portugal 1K

«Caiu para sempre», em vez de morreu, que recurso expressivo é?

Obrigado.

Maria Quaresma Professora Barreiro, Portugal 808

Gostaria de saber a vossa opinião sobre a presença da sinestesia nos seguintes exemplos: a) «deixando atrás de si como uma claridade, um reflexo de cabelos de oiro, e um aroma no ar»; b) «um dia de inverno suave e luminoso».

Obrigada pela ajuda!

Cisco Félix Chivembe Tradutor/Intérprete Windhoek, Namíbia 1K

Queria saber por que é que a expressão «assalto à mão armada» se grafa com acento grave. Parece-me dar a impressão de que a mão é que está a ser assaltada. Para perceber isso basta substituir «mão» por um substantivo masculino.