Início Respostas Consultório Campo linguístico: Funções sintácticas
Anabela Teles Professora Coimbra, Portugal 54

Na frase «aqueles textos eram as coisas mais bonitas e perfeitas do mundo», podemos considerar que os dois adjetivos se encontram no mesmo grau (superlativo relativo de superioridade), ou temos de considerar o primeiro nesse grau e o segundo no grau normal?

Obrigada.

Pedro Teixeira Técnico Máquinas de Costura Valongo, Portugal 720

Ouvi numa música a seguinte frase: «E a nossa filha já vai ter um mano ou mana» A ocultação do artigo uma antes de mana aceita-se gramaticalmente?

Obrigado.

Diogo Morais Barbosa Revisor Lisboa, Portugal 592

Em respostas anteriores, diz-se que a regência do verbo «confrontar» é sempre «com». Mas, quando na passiva, não deve ser «pelo»? Por exemplo: «Ele foi confrontado pelo pai» (deveria ser «Ele foi confrontado com o pai»?).

Muito obrigado.

Eloisa Pires Revisora São Paulo, Brasil 591

No período «[são] estes os esclarecimentos que nos cabia(m?) prestar...», o verbo caber é flexionado, ou não? O sujeito é o que?

Obrigada.

Helena Montez Actriz Lisboa, Portugal 437

Diz-se «se se conseguir lembrar de onde ele está», ou «se se conseguir lembrar onde ele está»? E há diferença se a frase for negativa? «Não me lembro de onde ele está»/«não me lembro onde ele está».

Obrigada.

Ana Vilaça Professora Vila Nova de Famalicão, Portugal 453

Na frase «a imagem desapareceu do espelho», a expressão «do espelho» desempenha a função de complemento oblíquo, ou de modificador do grupo verbal?

Muito obrigada.

Carolina Alves Estudante Coimbra, Portugal 430

A frase «O Secretariado faz constar, pelo presente aviso, de que pretende contratar três funcionários» está correta?

Maria Manuel Chitas Professora Lisboa, Portugal 447

Na frase «associamos aquela época a um mundo de barbárie», qual é a função sintática de «a um mundo de barbárie»?

Se atentarmos na definição de complemento indireto apresentada na vossa página por Edite Prada:

«[...] o complemento indireto tem, segundo a Moderna Gramática Portuguesa de Bechara, pág. 42, as seguintes características:

a) «É introduzido pela preposição a ou mais raramente para»;

b) a palavra que o expressa «designa um ser animado ou concebido como tal»;

c) «expressa o significado gramatical de ‘beneficiário’ ou destinatário»;

d) «é comutável pelo pronome pessoal objetivo lhe/lhes» (= a ele/a eles).

Pela descrição de Bechara, podemos concluir que o complemento indireto é um nome antecedido de uma preposição que pode ser a ou para.»

Se procedermos à substituição de «a um mundo de barbárie» por lhe, obtemos a frase: «Associamos-lhe aquela época.». Esta frase suscita-me duas questões. Por um lado parece-me que a sua aceitabilidade é discutível, por outro acho que não preenche a característica enunciada em c). Em síntese, «a um mundo de barbárie» é ou não um complemento indireto?

Agradeço o vosso trabalho.

Isabel Costa Professora Trofa, Portugal 581

Na frase «Dê Vossa Reverença lição de esgrima», a expressão «Vossa Reverença» (que não está entre vírgulas) é sujeito do verbo "dê" – no imperativo – ou é um vocativo?

Se alterarmos a ordem da frase para «Vossa reverença dê lição de esgrima», talvez pareça mais sujeito do que vocativo... O vocativo poderá aparecer sem estar isolado por vírgulas? Há exceções?

Grata pela vossa atenção

Paula Cristina Bonet Coutinho Porto, Portugal 300

É correto escrever «trata-se de sinais que indicam.....», ou tem sempre de se usar o plural «tratam-se de sinais.....»? Acrescento que, no contexto da frase, os referidos sinais eram mais de um. Mas será erro dizer «trata-se», uma vez que este termo é uma espécie de «este assunto diz respeito a....», ou «trata de...»?

Obrigada, se puderem ajudar!