Início Respostas Consultório Campo linguístico: Coesão/Coerência
Fernando Gaspar Técnico Lisboa, Portugal 628

Qual o exato significado da locução temporal «tanto que»?

Obrigado.

Arsénio Sacramento Tradutor Cascais, Portugal 1K

A expressão «por outro lado» só pode ser usada para se estabelecer um contraste entre dois elementos («Gosto muito de viajar. Por outro lado, acho que as viagens são perigosas»), ou também pode ser usada no contexto de uma enumeração («O governo construiu muitas estradas. Além disso, investiu em hospitais. Por outro lado, o governo também revitalizou os caminhos de ferro»)?

Nuno Vilaça Odivelas, Portugal 540

Na expressão «não vos faz querer ler o livro», se eu quiser substituir «o livro» por um pronome pessoal, como devo proceder? Eu responderia «não vo-lo faz querer ler», mas estou em dúvida também com «não vos faz querer lê-lo». Qual das formas está correta (ou ambas são corretas)?

Agradeço a atenção.

Joana Cardoso Estudante de Mestrado Santiago do Cacém, Portugal 924

Está correto o uso da expressão «Para mais» no início de uma frase, com o sentido de «Adicionalmente», «Além do mais» ou «Além disso»? Tenho tendência a utilizar esta expressão de vez em quando, mesmo com um certo grau de dúvida sobre se estará correta, pois não encontro grandes referências a não ser o seu uso pontual em alguns sítios da Internet... mas soa-me bem. Estarei errada?

Henrique Mendes Estudante Lisboa, Portugal 859

Queria saber o que é a composição poética e a estrutura interna de um poema, pois preciso de esclarecimento para um trabalho e não percebo o que é. Poderiam ajudar-me, por favor?

Paulo Fonseca Montijo, Portugal 480

A minha questão está relacionada com a escrita literária e a utilização de incisos nas diferentes perspetivas do texto. A dúvida surge sempre que sinto que faz sentido colocar ações, ou pensamentos, de uma personagem diferente da que está a usar a palavra. Quando o texto está escrito na perspetiva da primeira pessoa, porque tudo é visto do seu ponto de vista, terá de ser assim; no entanto, quando o texto está escrito na terceira pessoa, não é tão linear. Existem regras precisas quanto ao uso dos incisos na escrita literária? Por exemplo, é regra que os incisos digam respeito apenas à personagem que tem a palavra?

Helena Lopes Portugal 1K

Vinha perguntar como classificar a locução «por isso», uma vez que surge sempre nas gramáticas como locução conjuncional ou conjuntiva, apesar de se constituir exatamente como as locuções adverbiais.

Obrigada pelo vosso ótimo trabalho!

João Rodrigues Professor Pombal, Portugal 1K

Escrevo-vos no sentido de esclarecer a classificação do advérbio efetivamente, uma vez que tenho encontrado diferentes opiniões relativamente ao seu enquadramento nas diversas gramáticas.

Devo concluir, portanto, que o mesmo pode ser classificado como de frase, afirmação ou conectivo?

Consideremos o seguinte exemplo, retirado de um caderno de exercícios: «Realmente fui muito feliz naquele lugar. Efetivamente, não me lembro de mais nenhum espaço que me faça sorrir e ter esperanças como aquele.» Como se classifica, neste contexto, o advérbio e porquê?

Agradeço, desde já, a enormíssima ajuda que o Ciberdúvidas tem dado àqueles que se preocupam e estudam a língua portuguesa. 

Amélia Faia Professora Covilhã, Portugal 6K

Pelas pesquisas que fiz, [...] só tive acesso à informação de que consequentemente estabelece um nexo de consequência. [...] Gostava de esclarecer a minha dúvida em relação à frase «o rapaz caiu, consequentemente, partiu uma perna»: se são duas orações coordenadas assindéticas, então o advérbio consequentemente pode pertencer a que subclasse? 

Roziane Martins Estudante São Paulo, Brasil 8K

Gostaria de que esclarecessem uma questão sobre emprego do tempo verbal com que eu e minhas colegas da faculdade de Psicologia sempre ficamos em dúvida .

Algumas colegas defendem que, na introdução de um trabalho acadêmico, se deveria, obrigatoriamente, usar o verbo tão-somente no futuro do presente. Argumentam que, na introdução, se relataria, em breves pinceladas, o que, de forma mais detalhada, se falará futuramente no decorrer do texto de que faz parte a referida introdução. Por exemplo: «O presente trabalho buscará avaliar a capacidade do indivíduo em relação a...»

Pois bem. Se o próprio Camões, na “introdução” de Os Lusíadas (Canto I), escreve «Cantando espalharei por toda parte...», não sou eu certamente que me arriscaria a dizer que elas estão erradas quanto a usar o verbo no futuro.

Mas será que usar o verbo no passado também não estaria correto? Por exemplo: «O presente trabalho buscou avaliar a capacidade do indivíduo em relação a...» Ora, seja na introdução ou não, estamos relatando um trabalho que, na verdade, já foi feito, no passado, em um momento anterior ao texto que estamos redigindo, para formalizar esse trabalho realizado.

Será que não é só uma questão de perspectiva, de decidir em que momento do tempo poremos o enunciador em relação ao fato que ele enuncia e de decidir qual fato afinal importa destacar? Devemos destacar o trabalho realizado, que se formaliza com o texto, ou destacar o próprio texto cujo curso segue após sua introdução?! Fico imaginando também se, com o verbo no passado, o texto ficaria mais discreto, como talvez conviesse a um texto científico. Não se trata de poesia, vale lembrar. Aliás, será que o verbo no passado produziria um efeito de maior certeza sobre o que foi feito, ao passo que o verbo no futuro não, pelo menos no caso em tela?

Muito obrigada.