Consultório - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Respostas Consultório Área linguística: Estudos Literários
Maria Duarte Explicadora Lisboa, Portugal 188

Mais uma vez recorro ao vosso muito útil apoio.

Creio que o sentido destes versos, que Camões põe na voz do Adamastor, será o de que o emissor ["Eu"] não conseguiu resistir à ilusão, foi ludibriado por Tétis e Dóris. Será? Contudo, à letra parece ser exatamente o contrário. Como explicar esta negação?

Obrigada, desde já!

Mónica Isabel Domingues Gonçalves Estudante Tavira, Portugal 775

Na obra Amor de Perdição, há uma incoerência de datas: no cap. I, assume-se que o nascimento de Simão é em 1784, é preso em 1804/1805 com 18 anos, o que não bate certo...

A que se deve esta incoerência?

Maria Cândida Paiva Professora Matosinhos, Portugal 294

Na frase «[…] uns feixes de mato a ziguezaguearem e a andarem e a pararem […]», podemos considerar a existência de uma enumeração para além da personificação nela existente?

António Lopes Reformado Mangualde, Portugal 371

Gostaria de saber se é possível aplicar a estrutura do conto tradicional ao conto "A Aia", de Eça de Queirós.

Assim, qual será o momento da resolução: a morte do tio bastardo ou o suicídio da aia, coincidindo, neste último caso, os momentos da resolução e da situação final?

Muito obrigado!

Luís Pereira Professor Coimbra, Portugal 364

 Há uma discordância entre a minha classificação e de outra professora, em que ela aceita que a seguinte frase, de uma crónica de Maria Judite de Carvalho, contém uma enumeração:

«Tudo aquilo é bonito, bem arranjado, atraente, higiénico, impessoal.»

Na minha perspetiva, trata-se de uma adjetivação (qualificativa) sucessiva.

Existe fronteira de classes gramaticais na enumeração? Toda a lista de classes pode ser abrangida na enumeração, como os adjetivos?!

Podem elucidar-nos?!

Obrigado pelo vosso sempre excelente trabalho.

Tania Brito Professor Faro, Portugal 655

Gostaria de saber qual a métrica dos versos seguintes desta cantiga, uma vez que há dúvidas.

«Non chegou, madr’, o meu amigo
e oj’ést’o prazo saido»

David da Silva Santos Advogado Guaratinguetá, Brasil 585

No texto de 1 Coríntios 13, verso 1, está escrito:

«Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.»

Analisando exclusivamente o texto bíblico acima, ele informa que existem duas formas de a pessoa falar várias línguas: o indivíduo pode aprender idiomas estudando ou pode ser poliglota por inspiração do Espírito Santo, daí as expressões "dos homens/dos anjos". A conduta é a mesma: falar idiomas, mas a fonte de aprendizado é diversa; no primeiro caso o conhecimento é adquirido pelo estudo, no outro ela fala línguas influenciada espiritualmente pelo Espírito de Deus.

Então pergunto: qual a figura de linguagem que foi utilizada pelo autor?

Obs: desculpem a forma que vou falar a seguir, mas é importante destacar que meu interesse é puramente gramatical, sem viés religioso nenhum. O problema é que quando a gente pergunta a religiosos ou eles não sabem, ou respondem ideologicamente.

Mais uma vez desculpem minha forma de expor o tema.

Obrigado!

Maria Fátima Morais Mota Professora Viseu, Portugal 856

Coloquei no teste a seguinte questão:

1. Indica a principal temática camoniana presente no poema.

Cenário de resposta apresentado: o poder transformador de Helena / a beleza da mulher / a representação da amada.

No entanto, alguns alunos deram como resposta «a representação da natureza».

Posso considerar como resposta correta, tendo em conta que alguns manuais integram este poema nesta temática?

Filipe Pereira Alves Desempregado Ermesinde, Portugal 667

Em vista das regras da crase e da sinalefa, acerca das quais tenho lido alguns artigos no Ciberdúvidas, sem no entanto ter percebido quais os limites para a aplicação das mesmas, gostaria de saber como se divide as sílabas métricas do seguinte hipotético verso:

Ou a aia ia ou ia eu aí.

Muito obrigado.

Rita Melo Professora Coimbra, Portugal 1K

Desejava esclarecer uma dúvida sobre a apóstrofe, recurso expressivo.

Sabemos «que consiste na interrupção do discurso para invocar, através do vocativo, alguém ou algo a que se se atribuem características de pessoa» (in Dicionário Breve de Termos Literários, de Olegário Paz e António Moniz), ou «RETÓRICA – recurso estilístico que consiste numa interpelação, geralmente exclamativa, a algo (normalmente personificado) ou alguém (usualmente ausente), por norma realizada através da utilização do vocativo e do discurso direto e destinada a conferir vivacidade e/ou realismo ao discurso» (apóstrofeDicionário Infopédia da Língua Portuguesa).

A dúvida é a seguinte:

– Na estância 133, do Canto III, d’Os Lusíadas, a apóstrofe está apenas no vocativo, «ó sol», ou no conjunto dos versos 1 a 4 da mesma estância? O mesmo se dirá da apóstrofe aos «côncavos vales» – a apóstrofe está apenas no vocativo, «ó côncavos vales», ou no conjunto dos versos 5 a 8 da referida estância?

De acordo com a primeira definição, sim, o recurso está apenas no vocativo. Porém, a interpelação ao «sol» ou aos «côncavos vales» está presente no conjunto dos versos que indico.

Antecipadamente, grata pela atenção.