Início Respostas Consultório Campo linguístico: Concordância
Gonçalo Paulino Mafra, Portugal 48

Tenho dúvida se alguma das seguintes frases estará correta:

1) «Tenho um documento que me pediram que te entregasse.»

2) «Tenho um documento que me pediram para lhe entregar.»

3) «Tenho um documento que me pediram que te fizesse chegar.»

4) «Tenho um documento que me pediram que lhe fizesse chegar.»

Qual das formas estará mais correta? Certamente que o tratamento na 2.ª pessoa do singular (te) ou na 2.ª pessoa do plural (lhe, como se fosse "vos" entregasse) dependerá da relação que o interlocutor tem com a pessoa que aborda.

Mas ainda pergunto, para além disso, sendo esse pedido formulado por uma pessoa para entregar o documento a outrem, se estará correta a conjugação do verbo entregar na frase 1)  «entregasse»? O que realmente quero é ocultar quem faz esse pedido, e suponho que, em vez de dizer «X pediu-me que te entregasse isto», se disser «Tenho um documento que me pediram que te entregass»", não revelo a pessoa que faz o pedido.

 Por outro lado, se, em vez de "entregasse", estivesse "entregassem", estaria errado?

Perdoe-me a minha ignorância gramatical. Não sei se estou a confundir alguns conceitos, ainda assim, gostaria de ser esclarecido sobre este caso que expus. Obrigado pela atenção.

João Pedro Estudante Lisboa, Portugal 1K

Urso é um substantivo, bebé é um substantivo, podendo este também ser adjectivo («imaturo»); logo, a minha pergunta é: deve escrever-se "ursos bebé" ou "ursos bebés"? Por exemplo, já vi escrito "estrelas bebé", "estrelas bebés", "trutas bebé", "gatos bebés", etc. Parece que não há uma regra de formação do plural quando o hífen não é utilizado. O que levanta outra questão: a utilização do hífen é obrigatória em nomes compostos?

Cibelle Santos Estudante Lagarto, Brasil 1K

Gostaria de saber se na frase «água é bom para a saúde», o adjetivo bom está funcionando como um advérbio, ou se ele continua como um adjetivo.

Geraldo Bastos aposentado Bom Jesus da Lapa, Brasil 672

Há muitas dúvidas quanto a aplicação do infinito pessoal e impessoal. Muitas vezes, aplico o impessoal, quando em dúvida.

Na frase «a chama do Espírito Santo impulsiona os jovens a respirar (em) e seguir (em), etc.», creio que o infinito pessoal («respirarem») é o mais aconselhável. Qual a forma mais certa?

Fabrizio Boscaglia Investigador Lisboa, Portugal 954

Tenho um trabalho em mãos cujo título provável será:

"Árabes e Islão na literatura e no pensamento portugueses (1826-1935)"

"Árabes e Islão na literatura e no pensamento português (1826-1935)"

Qual é a formulação gramaticalmente mais correta?

Obrigado.
Aline Souza Servidora pública Cruzeiro, Brasil 799

Na frase «o pensar e o agir de um deve coadunar no pensar e no agir do outro». Este verbo deve, fica no singular ou no plural?

Pedro Múrias Jurista Lisboa, Portugal 1K

Peço que os consultores do Ciberdúvidas voltem a pronunciar-se sobre a concordância do verbo ser com nomes predicativos no plural, apesar de o sujeito ser singular. As respostas já existentes são poucas, e algumas delas geram dúvidas. É importante sublinhar este aspecto porque a concordância com o nome predicativo se afasta da regra geral e, por isso, suscita alguma renitência dos falantes (em rigor, dos escreventes, porque a expressão oral mais facilmente segue as intuições). Além disso, como o inglês e o francês, em estruturas semelhantes, fazem a concordância com o singular do sujeito, agrava-se a tendência para escrever da mesma maneira em português. Nalguns jornais portugueses, chega a acontecer que os autores dos texto utilizem correctamente o verbo no plural, a concordar com o nome predicativo, e os revisores mudem o verbo para o singular. Assim, é preciso sublinhar que as seguintes expressões são gramaticalmente correctas – e intuitivas – e que seriam incorrectas se o verbo surgisse no singular:

- O que ela levou foram as romãs.

- Se a política se tivesse mantido, esta turma seriam 25 alunos.

- Muitas vezes, o problema das crianças são os maus exemplos dos pais.

- A chave do Totoloto foram os seguintes números.

- Uma vez não são vezes.

- Nesse tempo, a população de Portugal eram dois milhões de pessoas.

- O direito são as regras que os tribunais aplicam.

- O alvo deles somos nós.

É certo que, nalguns casos, o verbo ser é usado no singular apesar de o nome predicativo estar no plural, mas não é essa a regra.

Obrigado!

Tiago Ferreira Marques Fotógrafo Porto, Portugal 862

Apesar de toda a consulta no Ciberdúvidas de artigos similares, é-me complexo decidir qual a melhor opção.

«Que ciência nos ensina os livros?»

«Que ciência nos ensinam os livros?»

Pensei que a primeira opção será a mais correcta, mas, algumas horas depois de escrever a frase, tive a clara sensação de que estava errada. Compreendo que a solução simples seria optar por «Os livros ensinam-nos que ciência?», mas esta frase claramente não cumpre os objectivos da primeira no contexto em que será usada (primeira frase de uma sinopse).

Muito obrigado.

M. Botto Portugal 1K

Como se diz:

«Famílias obrigadas a pedirem ajuda» ou «famílias obrigadas a pedir ajuda»?

João Carlos Amorim Reformado Lisboa, Portugal 2K

Leio (in  "A Google e a economia da atenção"  ) «graças a um algoritmo que ocupa o lugar de Deus, a Google é um titã da economia da atenção». No entanto, noutros registos (por exemplo, na Wikipédia: https://pt.wikipedia.org/wiki/Google), o género usado é o masculino: «O Google hospeda e desenvolve uma série de serviços e produtos baseados na Internet e gera lucro principalmente através da publicidade pelo AdWords.»

Pergunto: "a" ou "o" Google?