Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho
Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.
Imagem de destaque do artigo
... e o português não é uma das 24 línguas oficiais da União Europeia?

Na capital espanhola, o jovem futebolista português João Félix recém-transferido para o Atlético de Madrid faz (e bem) o que em Portugal é raro ver-se: jogadores e treinadores estrangeiros expressando-se na língua do país onde trabalham. Diferente, muito diferente foi a opção do eurodeputado Pedro Marques, que preferiu discursar em inglês na sua estreia no Parlamento Europeu – ignorando, inclusive, que o português até faz parte das 24 línguas oficiais da União Europeia.

Imagem de destaque do artigo
Palavra grave (ou paroxítona) – e não esdrúxula (ou proparoxítona)

A palavra rubrica recorrentemente maltratada na televisão portuguesa.

 

Imagem de destaque do artigo
Sobre o uso do anglicismo voucher

«Um termo com pêlos eriçados, que [...] soa a pobreza vocabular, ecoa a pedantismo, transpira vaidade saloia, transborda de deslumbramento pacóvio perante a palavra estrangeira» – assim se refere Guilherme de Almeida ao uso do anglicismo voucher, que pode ser substituído por palavras bem enraizadas no português como vale, talão ou cheque e demais palavras compostas relacionadas.

Imagem de destaque do artigo
No concurso televisivo Joker

Ferrujento, em vez de ferrugento – só mesmo por um domínio muito oxidado da sua própria língua.

Imagem de destaque do artigo
Um numeral dado a confusões

Acerca do peso financeiro da hemodiálise nos custos do setor da saúde em Angola, circulou em Portugal a notícia segundo a qual o montante atingia a incalculável cifra de 15 biliões de kwanzas. Afinal, não deixando de ser elevada, a despesa era de 15 mil milhões de kwanzas...

[Apontamento do autor publicado originalmente  na página do Clube de Jornalistas, com a data de  24 de junho de 2019.]

Imagem de destaque do artigo
A propósito de uma série francesa deficientemente traduzida

Em português, a forma feminina com uso consolidado de maestro é maestrina. Até há uma portuguesa chefe de orquestra – o que ainda desculpa menos quem traduziu e legendou para a RTP 2 a série francesa "Orquestra".

Imagem de destaque do artigo
Traduções tristemente hilariantes

O guia de conversação hoje mais conhecido como English as she is spoke, do português Pedro Carolino, é um título que há muito faz parte do anedotário em torno do desconhecimento da língua inglesa. Mas que dizer do português que traduz mal o inglês? Um texto de Ana Sousa Martins para a rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Português, transmitido pela Antena 2, no dia 19 de maio de 2019.

Imagem de destaque do artigo
Uma confusão lexical

Aconteceu num relato da penúltima jornada da I Liga Portuguesa de Futebol, do desafio Chaves-Vitória de Setúbal. Como a derrota de qualquer dos contendor, agravaria o risco da despromoção de divisão, o segundo golo – na descrição do relator do jogo – tinha lançado o descrédito  na equipa mais em risco de descida. Um caso de óbvia confusão lexical. 

Imagem de destaque do artigo
Visitar o Porto sem ouvir falar português

O atual crescimento urbano, a especulação imobiliária e o turismo massificado acarretam uma aculturação que impõe o inglês nos nomes das lojas e até no atendimento em restaurantes, suplantando o português. A cidade do Porto não escapa a esta vaga, como revela a jornalista Catarina Pires num apontamento entre nostálgico e crítico, saído  no Diário de Notícias de 6 de maio de 2019.

Imagem de destaque do artigo
Ou é um número ordinal ou o símbolo do grau

3 graus, 6 graus, 9 graus, 12 graus não é o mesmo que 3.º ano, 6.º ano, 9.º ano, 12.º ano.