Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho
Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.
A pronúncia da palavra <i>obus</i>
Um erro de leitura grave com uma palavra aguda

Não são muitas as palavras de duas sílabas que terminam em -us e se escrevem sem qualquer acento gráfico, como acontece com Jesus, que tem acento tónico na última sílaba, constituindo, portanto, uma palavra aguda (isto é, oxítona). Mas a raridade destes casos não é desculpa para fazer de obus uma palavra grave. Um apontamento de um nosso consulente, o professor João Nogueira Costa.

O verbo <i>estar</i>  trocado pelo verbo <i>ter</i>
Um legenda...inadvertida

Aconteceu num programa da RTP1  uma  inadvertida legenda: em vez  da 3.ª pessoa do singular  do pretérito perfeito do indicativo do verbo estar,  ficou como se tratasse do verbo ter ...

Um presidente americano entre vírgulas
Um caso de pontuação referencialmente absurda

De como o conhecimento do mundo pode tornar absurdas certas vírgulas. O tradutor Luciano Eduardo de Oliveira dá conta de um caso ocorrido no canal internacional da televisão pública portuguesa.

Quem sabe ler
A acentuação gráfica e as sílabas tónicas

A anedota publicada por Rui Rio na rede social Twitter e em que pôs os pés pelas mãos no que toca a palavras não acentuadas. Um apontamento do professor João Nogueira da Costa, que o publicou na sua página de Facebook em 19/01/2020.

Após
Erros de ortografia do ministro da Educação do Brasil

 Os erros de ortografia do ministro da Educação do Brasil, Abraham Weintraub, até já foram glosados no jornal inglês The Guardian...

A pronúncia de <i>taxidermia</i>
Uma palavra grave, e não esdrúxula

Num concurso televisivo useiro em erros de português, ouviu-se falar em "taxidérmia", como o mesmo que «arte ou profissão de preparar cadáveres de animais, de modo que estes conservem, tanto quanto possível, certas características morfológicas que apresentavam em vida» (dicionário da Infopédia). Esta é a definição de um termo cuja grafia correta é taxidermia.

Pobre língua : «melhor» e «mais bem»
Um erro frequente no discurso jornalístico

O comparativo mais bem trocado por melhor – um erro frequente  no discurso público de jornalistas, comentadores e titulares de cargos públicos em Portugal, assinalado neste apontamento* do jurista Vital Moreira.

*in blogue Causa Nossa com a data de 15 de dezembro de 2019.

Quatro lados e... nenhum acento!
Mais um descuido no concurso Joker

Mais uma  chamada de atenção ao concurso Joker, no primeiro canal da televisão pública portuguesa. O descuido, desta vez, tem que ver com o acento (errado) no substantivo trapezóide.

O verbo <i>haver</i> encharcado de dúvidas
Maus-tratos do uso erróneo

«Se dúvidas houvessem»??!!...

Tropeções demais no português mais básico
Um acento duplicado... numa pergunta de cultura geral

Descaso com a acentuação gráfica num concurso televisivo de apreciável audiência em Portugal.