Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho
Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.
<i>Play, Play... quantas vezes mais Play?</i>
Um prémio em inglês para ... músicos portugueses

Prémios Play para «as músicas e os artistas que mais se destacaram na Música Portuguesa», via RTP Play, um dos canais associados à sua transmissão televisiva. E logo na celebração do Dia Mundial da Língua Portuguesa...

«O foco no <i>lifestyle</i>», promete ela
Modismos anglófilos

Marca de lifestyle  e de phygital, eventos com talks e uma prometida ambição de se tornar uma love brand com um cool hunting q.b. caracteriza um anunciado novo projeto editorial lançado em Portugal. Será mesmo para leitores portugueses?

Um novo museu em Lisboa sobre o <i>quake</i> de 1755?!!
Inaugurado mesmo ao lado do Palácio do PR... português

Lembrar o terramoto que destruiu Lisboa, em1755, com nome em inglês, só se for para visitantes anglófonos...

As secretas
Os anglicismos «serviços de inteligência» e CEO

«Muitos jornalistas portugueses – sobretudo nas televisões – parecem estar em conflito aberto com a nossa língua, enquanto namoriscam com o inglês.» Considerações do jornalista José Manuel Barata-Feyo, Provedor do Leitor do Público, que, na edição deste jornal de 2 de março de 2022, comenta as críticas dos leitores ao uso excessivo dos anglicismos, designadamente, o de duas expressões muito presentes na escrita mediática: «serviços de inteligência» e CEO.

 

 

 

 

 

«Ajuda letal»?
Um modismo assente numa clara contradição

«A expressão «ajuda letal» foi retomada recentemente na comunicação social portuguesa, associada ao contexto da guerra na Ucrânia para referir o apoio em armamento bélico ao Governo de Kiev por parte  dos EUA e outros países ocidentais». Um modismo que encerra uma clara contradição, como explica a professora Carla Marques

A língua portuguesa (ou a falta dela) no Festival da Canção
Sobre o uso do inglês no concurso da Eurovisão

«[O] que nos diz a língua sobre a probabilidade de vencer ou obter um bom lugar no [Festival Eurovisão da Canção]?  Desde a introdução das semifinais (uma a partir de 2004 e duas desde 2008) apenas três canções não inglesas venceram o concurso (“Molitva” da Sérvia, em 2007, “Amar pelos dois” de Portugal, em 2017, e “Zitti e Buoni” de Itália, no ano passado).» Uma reflexão crítica de Jéssica Mendes ao uso do inglês na canção "Saudade, saudade", de Maro, que representa Portugal na edição de 2022 do Festival Eurovisão da Canção.

Informante vs. informador
A diferença entre «informar» e «denunciar»

Ao contrário do uso indistinto no Brasil, em Portugal sempre houve a diferença entre quem, às claras e, até por razões profissionais, presta informações disto ou daquilo (por exemplo, os meteorologistas, com «indicações sobre o tempo») e o seu inverso. Uma diferença substancial, mas cada vez mais ignorada nas traduções televisivas, como é o caso da série policial espanhola A Unidade, emitida na RTP 2  

Work in Viana
Portal de emprego anglófono... em Portugal

Um portal na internet com informação da oferta e da procura de emprego criado pela Câmara Municipal de Viana do Castelo. Com nome em inglês porquê? 

Só mesmo  para sportinguistas… anglófonos?
Baby Sporting , Lion Zon, World Class Scouting, Out-of-the-box, Team Manager...

Sendo o Sporting um clube – centenário, ainda por cima – de Portugal, qual a razão da opção pelo inglês em nomes como Backstage, Lion ZonOut-of-the-box, Word Class Scouting, Team Manager, etc., etc, etc.? Interroga-se o jornalista José Mário Costa, cofundador do Ciberdúvidas neste apontamento a respeito de mais um caso de abuso dos anglicismos.

Uma vitória... amargamente descrita
Insonsa em vez de insossa

O barbarismo insonso/a até já tem "consagração" dicionarística, mas...