Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Aspeto gramatical vs. aspeto lexical

Gostaria que me esclarecessem sobre as diferenças que existem entre valor imperfetivo, durativo, habitual e iterativo. O valor imperfetivo pode ser simultaneamente durativo? Não consigo identificá-los claramente nas frases. A título de exemplo, no segmento «hoje os investigadores continuam a fazer perguntas (...)», o complexo verbal «continuam a fazer» que valor expressa?

Muito obrigada pela atenção dispensada.

Ana Santos Estudante Porto, Portugal 445

Os valores aspetuais perfeito-imperfeito realizam-se na flexão do verbo. É o aspeto gramatical.

Uma ação perfetiva (realizada pelo pretérito perfeito) corresponde a uma ação unificada, sumariada, holística. Imaginemos um intervalo de tempo como uma linha espacial, com um princípio (limite da esquerda) e um fim (limite da direita). O intervalo de tempo da ação perfetiva tem o limite da direita fechado. Esse intervalo de tempo pode ter demorado um segundo ou décadas, mas o seu limite temporal da direita é perspetivado como fechado:

1. A minha filha brincou no parque, depois fomos às compras e foi tudo perfeito.

Pelo contrário, a situação imperfetiva oferece uma visão analítica da ação, na sua extensão não mensurável. O intervalo de tempo da ação é aberto, ou seja, o termo da ação não é considerado. O aspeto imperfetivo, em português, pode ser expresso pelo pretérito imperfeito, pelo presente, pelo pretérito perfeito composto, ou pelo progressivo (estar a + INF):

2. Eu brincava neste parque. Tudo era perfeito.

O valor durativo pertence à semântica do verbo que designa a ação, independentemente das opções morfológicas do locutor, ou seja, independentemente da flexão em que se encontra o verbo (se bem que nem todas as combinatórias sejam aceitáveis, como por exemplo: ? «A bomba estava a explodir»). Falamos então de aspeto lexical.

Na avaliação integral do valor aspetual de uma predicação (e não só do complexo verbal) consideram-se também os complementos e adjuntos do verbo (a composicionalidade da predicação).

Sistematizemos os valores aspetuais não puramente gramaticais:

Situações estativas: ser azul; odiar

Situações dinâmicas: correr/correr 5 km

Situações durativas: crescer

Situação pontual: explodir

Situação composta por uma ocorrência singular: partir

Situação composta por ocorrências plurais: a) iterativa: dormitar b) frequentativa: estuda muitas vezes c) habitual: costuma estudar d) gnómica: estudar é enriquecer

Situação atélica: jogar, cantar, pensar

Situação télica: afogar-se, nascer, morrer

Como há perífrases cujos verbos auxiliares não estão totalmente vazios do seu significado lexical, também é possível considerar:

Situação iminencial: está para estudar

Situação inceptiva: começa a estudar

Situação continuativa: continua a estudar

Situação pré-final: está a acabar de estudar

Situação final: acaba de estudar

Situação cessativa: deixa/para de estudar

Situação egressiva: tem a matéria estudada.

A análise aspetual da frase «os investigadores continuam a fazer perguntas»: situação imperfetiva (flexão de presente), continuativa e frequentativa – por causa do plural «(fazer) perguntas» (= «perguntar muitas vezes»).

Ana Martins
Tema: DT (Dicionário Terminológico) Classe de Palavras: verbo