Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico
Questões relativas ao Acordo Ortográfico.
Imagem de destaque do artigo

A história da língua e os principais pontos de viragem – e quem os protagonizou – nas regras da ortografia do português ao longo dos últimos 600 anos, neste texto do autor, que se transcreve, com devida vénia, do jornal digital português "Observador", de 22/01/2017.

Imagem de destaque do artigo

Perante o anúncio dos aperfeiçoamentos que a Academia das Ciências de Lisboa tenciona introduzir na aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 (AO) em Portugal, o jornalista Nuno Pacheco exorta a «[q]ue volte tudo à mesa, para que, "remendando" o AO ou deitando-o fora, não haja mais escolhas impensadas, baseadas em panaceias há muito desmentidas». Texto publicado no jornal Público de 19/1/2017 (o autor não segue o AO).

Imagem de destaque do artigo
Aperfeiçoamentos necessários na sua aplicação

Texto que o consultor D'Silvas Filho divulgou na sua página pessoal e em versão publicada no Pórtico da Língua.

Obs.: Para uma melhor contextualização, consultar igualmente os pareceres que a académica e coordenadora da nova edição do dicionário da Academia das Ciências de Lisboa (ACL), Ana Salgado, disponibiliza no Pórtico da Língua, definindo os ajustamentos anunciados em 23/11/2016 pela própria ACL:

Sobre ântero-, ínfero-, íntero, látero-, póstero-, súpero- (7/12/2016);

Sobre o emprego do hífen (1) (13/12/2016);

O prefixo re- (19/12/2016);

Sobre a acentuação gráfica (6/1/2017).

Imagem de destaque do artigo

«Sendo uma convenção internacional, o AO só poderia ser modificado por acordo entre os governos dos países que o ratificaram», escreve neste apontamento o constitucionalista português Vital Moreira, em referência às proposta de alteração anunciadas pela Academia das Ciências de Lisboa, primeiro em notícia aqui reproduzida, e depois nas declarações prestadas pelo respetivo presidente, Artur Anselmo, em entrevista ao jornal “Público” de 12/12 p.p.

Imagem de destaque do artigo

Entrevista do presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Artur Anselmo, ao jornal "Público" de 12/12/2016, a propósito do anunciado documento "Subsídios para o Aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico". Ver, ainda a segunda parte desta entrevista, «Dizer que o Brasil cedeu alguma coisa é uma hipocrisia total»

Imagem de destaque do artigo

Segunda parte da entrevista do presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Artur Anselmo, ao jornal "Público" de 12/12/2013 – ver «Para nós, o normal é o respeito pelas ortografias nacionais» –, para quem «o respeito pelas normas de cada país é essencial para um bom entendimento em matéria ortográfica: um mesmo sistema, o da Língua Portuguesa, e várias normas, consoante os países a que digam respeito.» Por isso, na sua opinião, o Acordo Ortográfico não tem sentido.

Imagem de destaque do artigo

Texto do autor, publicado na sua página pessoal, a propósito dos anunciados contributos em estudo por parte da Academia das Ciências de Lisboa para o «aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico de 1990», no contexto dos trabalhos, igualmente em curso para a 2.ª edição do seu Dicionário do Português Contemporâneo.

Imagem de destaque do artigo

Notícia do semanário Expresso de 1/12/2016 sobre as propostas anunciadas pela Academia das Ciências de Lisboa de alteração de algumas novas mais controversa estipuladas no texto-base do Acordo Ortográfico de 1990, em vigor em Portugal desde  – nomeadamente quanto às consoantes mudas. Título original: "Academia das Ciências de Lisboa quer fazer alterações ao Acordo Ortográfico  na ótica (o na óptica?) de um novo Dicionário".

Imagem de destaque do artigo

Comunicado que a Academia das Ciências de Lisboa (ACL), em 23/11/2016, anunciando a elaboração da 2.ª edição do seu Dicionário da Língua Portuguesa Contemporâneo, e estar «empenhada no aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico de 1990», com  «um estudo que visa aperfeiçoar o novo Acordo Ortográfico e estabelecer novos critérios orientadores mais uniformes». Ver também documento Subsídios para um Aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, de Ana Salgado, lexicógrafa, membro da secção de Filologia e Linguística da Classe de Letras da ACL e coordenadora do seu novo dicionário.

Imagem de destaque do artigo

Neste novo contributo de D'Silvas Filho,para o debate da nova ortografia, o autor de Prontuário Universal – Erros Corrigidos de Português e também consultor do Ciberdúvidas apresenta um conjunto de regras para a escolha de vocábulos «defender o português europeu, tão maltratado nos atuais vocabulários portugueses», sugerir  «aperfeiçoamentos no AO90, mas sem o recusar liminarmente» e «esclarecer devidamente os seus pontos dúbios». Anteriores contributos do autor  sobre este tema: aqui e aqui

As entradas que são referidas no texto a seguir estão em processo de atualização, encontrando-se disponíveis no sítio eletrónico do autor.