Nuno Pacheco - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Nuno Pacheco
Nuno Pacheco
5K

Jornalista português, redator-principal do diário Público.

 
Textos publicados pelo autor
Enquanto combatemos o novo coronavírus, <br>o velho “ortogravírus” não pára
«...Só em Portugal é que há “infetados” em vez de infectados»

 

«Sabem o que é o “impato” da pandemia? Ou a propriedade “inteletual”? Ou os “artefatos” que a PJ encontrou? Ou a “seção” do talho? Ou o “fato de não irem” sabe-se lá onde? Ou alguém ter ficado “estupefato” com alguma coisa? Se não sabem, deviam saber. São alguns dos recentes efeitos de um vírus que se instalou na escrita portuguesa (mas também na fala: esta semana, na televisão, alguém falou em “adetos” de um clube) e não há maneira de ser erradicado. Está um pouco por todo o lado, desde o oficialíssimo Diário da República aos jornais e à televisão.»

[Artigo* do jornalista português Nuno Pacheco, crítico recorrente do Acordo Ortográfico de 1990 – cujo contraponto, "Sebastianismo ortográfico", da autoria  jurista Vital Moreira, deixamos igualmente transcrito, aqui. Cf. "O Acordo Ortográfico em tempos de pandemia".]

*in Público no dia 16 de abril de 2020.

 

«O ensino do português em África vai mal <br> e procuram-se soluções»
A situação do português entre falantes africanos e timorenses

O número de falantes da língua nos PALOP é bem menor do que apontam os números oficiais. Um congresso no ISCTE procura exemplos, dados concretos e soluções.

[Trabalho saído no Público, na edição de 8/11/2018, assinado pelo jornalista Nuno Pacheco, sobre o IV Congresso de Cooperação e Educação, realizado em Lisboa, nos dias 8 e 9/11/2018.]

«O ensino do português em África vai mal e procuram-se soluções»
A situação do português entre falantes africanos e timorenses

Trabalho saído no Público, na edição de 8/11/2018, e assinado pelo jornalista Nuno Pacheco, sobre o IV Congresso de Cooperação e Educação, realizado em Lisboa em 8 e 9/11/2018.

Ascensão e queda dos pontinhos voadores
“Sem trema, a lingüiça não tem mais sabor”

abolição do trema no Brasil, com o Acordo Ortográfico de 1990 – o que já acontecia  no português europeu, desde 1945 – e as suas repercussões na fala, neste artigo do jornalista português Nuno Pacheco, transcrito do jornal "Público" de  26/07/2018.

Ortografices ao correr da pena
Recordando as vozes críticas ao AO-90 de Maria Lúcia Lepecki, João Ubaldo Ribeiro e Afrânio Coutinho

«Uma das vozes mais activas no combate [na imprensa portuguesa] contra o Acordo Ortográfico, cuja vigência intensamente contesta» – como o assinalou a Sociedade Portuguesa dos Autores no Prémio de Jornalismo Cultural 2018 que lhe atribuiu –, o jornalista Nuno Pacheco lembra neste artigooutras vozes, brasileiras e portuguesas, igualmente críticas, ao longo destes mais de 30 anos que já dura esta querela linguística.

* in jornal Público  no dia 22 de fevereiro de 2018.