Combustível, largo, China, clima, assédio, populismo, paiol, toupeira ... – palavras em fim de ano - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Combustível, largo, China, clima, assédio, populismo, paiol, toupeira ... – palavras em fim de ano
Combustível, largo, China, clima, assédio, populismo, paiol, toupeira ...
– palavras em fim de ano
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 134

1. «Não gostar de tudo» será o mesmo que «não gostar de nada»? A diferença é comentada no consultório, cuja atualização inclui a análise de uma frase de Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett (1799-1854), um breve apontamento sobre a história da insólita grafia Bahia e o regresso das dúvidas ainda suscitadas pelo verbo contratualizar.

1543787157294_Coletes_Amarelos.png2. Na rubrica O nosso idioma, a jornalista Rita Pimenta explora a semântica do vocábulo combustível, na ordem do dia por causa dos distúrbios em Paris, em 1/12/2018, durante a manifestação dos «coletes amarelos» contra o aumento do preço dos combustíveis (texto transcrito do jornal Público, de 2/12/2018). Nas Controvérsias, outra mudança que se rejeita: a da alteração do nome de um velho largo em Lisboa, severamente criticada pela jornalista Ana Fernandes no Público de 28/11/2018.

3. Em Diversidades, a língua veicular do nosso tempo, o inglês, tem o seu perfil histórico traçado pelo professor universitário e tradutor Marco Neves, num texto que se transcreve com a devida vénia do blogue Certas Palavras.

4. A atualidade fica marcada neste dia pela visita oficial a Portugal do presidente da República Popular da China, Xi Jiping (na imagem, o nome China, em mandarim Zhōngguó). O contacto com a China tem motivado empréstimos vocabulares e a criação de muitas expressões, que já foram objeto de atenção no consultório e nas demais rubricas do Ciberdúvidas, a saber: "Marco Polo e o negócio da China"; "Iuane e yuan"; "O hífen em palavras como tinta da China"; "O sufixo -idade e o 'sentimento de ser chinês'"; "O gentílico de Nanquim (China)"; "Marco Polo, Angola e uma final do futebol português … em inglês". Sobre o intercâmbio linguístico com este país, tendo por centro o território de Macau, ler também "Macau, «enorme ponte virtual» entre a China e a língua portuguesa", "O português em África e na China, do ângulo de Macau", "Português Língua Estrangeira: negócio da China?", "O português na televisão e na China"; "A sintaxe do medo, o termo decrescimento e os palavrões na relação com o ser humano"; "O português em expansão, palavras de inadequado uso, o verbo desmoer e uma oração relativa 'bíblica'"; "O Português na China".

5. Continuando com temas da atualidade, refira-se ainda a Cimeira do Clima que a Organização das Nações Unidas realiza de 2 a 14/12/2018, em Katowice, na Polónia. Uma palavra recorrente nas notícias será com certeza descarbonizar, que denota a redução das emissões poluentes por ação humana. À volta do tema, sugere-se a consulta dos seguintes artigos e respostas: "Os adjetivos derivados de clímax: climáctico e 'climácico'" ; "..'Alterações climáticas' ou 'mudanças climáticas'"; "A formação da palavra edafoclimático"; "Condições atmosféricas"; "As acepções do adjectivo temporal"; "Condições edafoclimáticas" ; "O adjectivo climatérico"; "Do clima à ortografia". E, à medida que 2018 chega ao seu termo, aparecem as já tradicionais listas de candidatas à palavra do ano, salientando-se cinco entre elas, no que diz respeito a Portugal. Trata-se da tradicional iniciativa da Porto Editora, conforme uma notícia do jornal digital Observador: assédio, toupeira, professor,  paiol e populismo. Para saber porquê, ler aqui.