Do clima à ortografia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Do clima à ortografia
Do clima à ortografia
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 1K

1. A realização da Cimeira do Clima em Paris, de 30 de novembro a 11 de dezembro p. f., é o tema da atualidade. As notícias e os artigos andam, portanto, repletos de termos dos campos lexicais da climatologia e da ecologia, domínios que também têm sido abordados no Ciberdúvidas, como se exemplifica pelos títulos das seguintes respostas em arquivo: "Climático", "O adjetivo climatérico", "Alterações climáticas ou mudanças?", "Condições atmosféricas", "As aceções do adjetivo temporal", "Erros inadmissíveis", "Condições edafoclimáticas", "A formação da palavra edafoclimático". E, já agora, que tal uma rememoração de alguns dos mais expressivos provérbios e expressões populares ligados ao clima e ao estado do tempo? Aqui estão alguns.

Cf. O que é verdade e mito nos provérbios populares sobre o clima

2. A rubrica O nosso idioma acolhe dois textos cujos tópicos de discussão se repartem pela ortografia e pela gramática, a saber:

– "Deixemos respirar livremente as ortografias nacionais", um artigo que Artur Anselmo, presidente do Instituto de Lexicologia e Lexicografia da Língua Portuguesa da Academia das Ciências de Lisboa, publicou no Jornal de Letras (n.º 1178, de 25 de novembro a 8 de dezembro de 2015), no qual este académico, a propósito do colóquio Ortografia e Bom Senso, promovido pela Academia das Ciências de Lisboa, nos dias 9 e 10 de novembro p.p., reivindica «o direito à ortografia nacional, em Portugal, no Brasil ou em qualquer outro país lusófono onde a marca da autonomia cultural esteja claramente presente no uso da língua»;

– acompanhando a relação entre norma e usos linguísticos em Angola, uma crónica de Edno Pimentel foca uma construção incorreta – «entre janeiro a dezembro» –, recorrrente no discurso jornalístico angolano.

No consultório, a gramática está igualmente no centro das atenções: qual a classe de palavras da forma centena? E, no plano sintático, como usar corretamente a locução «mesmo se» e construir uma frase condicional sem a palavra que geralmente a identifica, a conjunção condicional se?

Finalmente, a Montra de Livros recebe rápidos apontamentos sobre obras que se publicaram em Portugal nos últimos meses ou conheceram nova edição; salientamos, com interesse para a dialetologia, Porto, naçom de falares, de Alfredo Mendes, e, para os mais jovens, O Livro dos Provérbios I, de António Mota.