Português na 1.ª pessoa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa
Má educação ou crime?
A diferença, na lei, entre injúrias e boçalidade
«O bem jurídico protegido [com o crime de insultos a um agente da utoridade] é a honra que tem duas dimensões: a subjectiva, que respeita à forma como cada pessoa se vê a si própria, à sua auto-estima; enquanto a objectiva respeita ao modo como essa pessoa é vista pelos outros, pela sociedade. Uma pessoa pode ver lesada a sua auto-estima sem que se registe qualquer lesão à sua consideração social, e a reputação de uma pessoa pode ser lesada sem que tal tenha qualquer consequência sobre a ideia que essa pessoa tem de si mesma.»
 
 Artigo do advogado Francisco Teixeira da Mota, transcrito, com a devida vénia, do jornal Público do dia 28 de janeiro de 2023. Escrito segundo a norma ortográfica de 1945.
A classe de palavras de <i>dele</i>
Uma forma com valor possessivo

Apontamento da consultora Inês Gama sobre a classe de palavras do vocábulo dele, divulgado no programa Páginas de Português, da Antena 2.

Sinais misteriosos, já se vê
O caso da fantasmagórica CPLP

«Presentemente, a "comunidade" de língua portuguesa não passa de um discurso da boca para fora. Problemas históricos e políticos mal resolvidos entre os diferentes estados dessa pretensa comunidade, ideologia e geopolítica, para citar apenas estes fatores, contribuem para isso.»

Artigo de opinião do escritor angolano João Melo, que critica a atual estagnação das relações culturais no interior da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Texto publicado no Diário de Notícias de 30 de janeiro de 2023 e aqui transcrito com a devida vénia.

Ler o mundo em português
Uma experiência libertadora e emocionante

«[...] [P]roduzimos significados através do uso de múltiplas linguagens, verbal, visual, sonora, sensorial, todas elas mediadas pelas línguas que falamos, como o português, e pelas culturas que nos abrigam. Por isso, ler o mundo em uma cidade angolana será uma experiência diferente de uma cidade brasileira, portuguesa ou caboverdiana, porque as percepções do mundo e os modos como usamos a mesma língua são profundamente marcados pelo que somos, individual e coletivamente.»

Crónica da linguista Edleise Mendes (Universidade Federal da Bahia) incluída no programa Páginas de Português, transmitido pela Antena 2 em 29 de janeiro de 2023.

Fazes mesmo questão?
«Fazer perguntas», e não "fazer questões"

«Se anuncias ao teu interlocutor que lhe vais "fazer uma questão" estarás oferecendo pretexto a que ele te responda: "Dá-me mais jeito um casaquinho de malha".»

Crónica do jornalista Fernando Alves, na rubrica Sinais na TSF, em 23 de janeiro de 2023, sobre  a expressão recorrente «fazer uma questão» do «linguajar noticioso».

Os aldrabões sem nome
A tradução do inglês fraudster

«A fraude é um plano maquiavélico de longo curso e o indivíduo desprezível que o põe em prática precisa de um substantivo só para ele. Que tal embusteiro? Ou "'banhista' da cobra"?»

Crónica de Miguel Esteves Cardoso incluída no jornal Público em 18 de janeiro de 2023. Transcreve-se com a devida vénia o texto original, mantendo a ortografia de 1945 em que está escrito.

Como ser <i>bully</i> em português?
Um problema de tradução

 «[Para traduzir bullying] gosto de humilhação e de «humilhação coerciva». Amesquinhamento também é bom. Ou aviltamentoAvacalhamento pode funcionar. Ou subordinação. Ou apequenamento. E que tal desdignificação

Crónica do escritor Miguel Esteves Cardoso à volta da (difícil) tradução do termo inglês bullying. Texto incluído no jornal Público em 20 de janeiro de 2023 e aqui transcrito com a devida vénia, mantendo a ortografia de 1945, conforme o original.

Todes juntes, vamos!
Sobre a linguagem inclusiva

«A linguagem inclusiva tem tudo para vir a ser exclusividade de um grupo restrito. É preciso muita determinação para incorporar ao idioma o gênero neutro – que existia no latim, com outra finalidade, e de que o português guarda resquícios  e levá-lo às últimas consequências» – reflete Eduardo Affonso, nesta crónica acerca da linguagem inclusiva, publicada em O Globo e no seu mural do Facebook no dia 21 de janeiro de 2023.

«Transmitir em direto de»
A preposição de com valor locativo

A expressão correntemente usada «transmitir desde» é analisada pela professora Carla Marques, no seu apontamento divulgado no programa Páginas de Português, da Antena 2

O ensino das preposições em Português como Língua Estrangeira
Porque é o seu ensino é desafiante?

«Muitas vezes, no decurso das aulas, perguntam-me porque é correto dizer «chegar a casa» e não «chegar para casa»? A este propósito, a experiência indica-me que muitos dos problemas relacionados com o uso das preposições em PLE dizem respeito a casos especiais da sua aplicação.»

Artigo da professora Inês Gama sobre o ensino das preposições em Português como Língua Estrangeira (PLE).