Início Português na 1.ª pessoa
Imagem de destaque do artigo

Azoinar, bramar, catrapuz, estalo, fungar, ganir, latir, roersorver, zurzir. Ardor, brenha, crosta, trago, sarro, xarroco. Frio, mar, rotação, trôpego, vibrar. Mas também nomes como Abarroco, Buzarcante ou Dramuziande. Algumas das palavras que, na língua portuguesa – e são tantas mais –, reproduzem os sons da natureza, o barulho de máquinas, meros ruídos, gritos de pessoas, o timbre da voz humana, cantos de animais, neste extrato do artigo do autor, "O Português vem da língua latina, e não da céltica", transcrito do terceiro volume da antologia Paladinos da Linguagem (edição Aillaud e Bertrand, Lisboa, 1921), organizada por Agostinho de Campos. Manteve-se a grafia e respetiva norma originais.

Imagem de destaque do artigo

«Certas modas linguísticas – escreve o humorista português na sua crónica Boca do Inferno, na revista Visão de 23/03/2017 – ficam circunscritas a determinados meios (por exemplo, a expressão "quando assim é" quase não é usada fora do âmbito das entrevistas rápidas que ocorrem após um jogo de futebol), outras estão limitadas a uma faixa etária (é raro ouvirmos um maior de quarenta anos dizer que determinada coisa é "top"), mas há algumas que ultrapassam as barreiras da idade e da origem social, e infectam uma sociedade inteira. [E há, agora,] a multiplicação de "entões". (...)»

Imagem de destaque do artigo

Até 1911, ano da entrada em vigor da sua primeira reforma ortográfica, a língua portuguesa – como recorda o autor, na Introdução do terceiro volume da antologia Paladinos da Linguagem (ed. Livrarias Aillaud e Bertrand, 1923) – era «o único dos grandes idiomas cultos europeus que não tinha ainda o seu cânone ortográfico seguro, coerente e fixo». Reinando até aí «o puro arbítrio de cada escritor ou escrevente», a verdade é que, onze anos passados da sua adoção como lei do país, seguida em todas as publicações oficiais e escolares, ainda se faziam ouvir, alto e em bom som, os ecos dos que se opunham às novas regras da escrita do português, elaboradas pelos filólogos portugueses Adolfo Coelho, Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Cândido de Figueiredo, Gonçalves Guimarães, Gonçalves VianaJ.J. NunesJosé Leite de Vasconcelos e Júlio Moreira. Com as suas particularidades, como se explana – e contesta – no que a seguir se transcreve na íntegra.

Imagem de destaque do artigo

 «(...) num cenário em que um dos desafios da banca tem sido o de conter
a queda das receitas. Ou seja, o corte do cost-to-income doméstico de 82%
para 45% passará sobretudo pelo “cost” e não tanto pelo “income”. (...)»

 

[in Dinheiro Vivo, 12/03/2017]

Imagem de destaque do artigo

«Como se explica que uma Academia [das Ciências de Lisboa] que foi a principal defensora do acordo [ortográfico de 1990], que teve uma longa troca de negociações com a Academia brasileira, que foi a grande responsável pela promulgação do acordo, o esteja neste momento a pôr em causa? Será que estamos perante uma situação de “rei morto, rei posto"?»

[Comunicação da presidente da Associação dos Professores de Português, Edwiges Ferreira, no Encontro de Profissionais da Escrita (sobre a adoção do Acordo Ortográfico em Portugal) – com a gravação vídeo aqui –, realizado na Academia das Ciências de Lisboa, no dia 9 de Março de 2017. Título da responsabilidade desta edição à comunicação, transcrita, com a devida vénia, da página da Associação de Professores de Português, com data de 13 de março de 2017.]

Imagem de destaque do artigo

«A nossa História foi aquela que foi, e a "defesa da unidade essencial da língua portuguesa" é hoje tagarelice ideológica, nunca tendo sido (e, repito, ainda bem) um empenho político. Sim, Portugal nunca foi linguisticamente imperialista. Uma parvoíce? Um golpe de sabedoria? É tarde para nos preocuparmos com respostas. A "desagregação da língua portuguesa, que cada Acordo disse querer estancar, é de há muito irreversível.»

Considerações feitas pelo escritor e linguista Fernando Venâncio na comunicação que apresentou no Encontro de Profissionais da Escrita (sobre a adoção do Acordo Ortográfico em Portugal) – com a gravação vídeo aqui e aqui –, realizado na Academia das Ciências de Lisboa, no dia 9 de Março de 2017.

[Texto disponível, na íntegra, no Pórtico da Língua Portuguesa.]

Imagem de destaque do artigo

Artigo do autor, publicado na sua página pessoal e no Pórtico da Língua Portuguesa, da Academia da Ciências de Lisboa (ACL), constante da sua intervenção no colóquio Encontro de Profissionais da Escrita (sobre a adoção do Acordo Ortográfico em Portugal) – com a gravação vídeo aqui e aqui –, realizado em Lisboa, no dia 9 de março de 2017.

Imagem de destaque do artigo

Crónica do escritor português Miguel Esteves Cardoso sobre um processo fonético típico do português de Portugal, em especial, da modalidade lisboeta de pronunciação, cada vez mais difundida por todo o país. Trata-se da extrema redução das vogais em sílabas átonas, sobretudo do e átono, que, na prática desaparece (benefício soa "bnfício"), fenómeno que leva, segundo o autor, qualquer falante do chamado "lisboetês" a transformar-se num "papa-sílabas".

Imagem de destaque do artigo

Texto versejado do autor à volta de palavras com cuja homofonia e homografia lidamos há muito, muito tempo – mais propriamente desde a reforma ortográfica de 1945, com a eliminação de uma série de acentos diferenciadores* –... sem os protestos, pós-AO, por causa da abolição do acento agudo, por exemplo, na 3.ª pessoa do singular do presente do indicativo do verbo parar.

Além dos casos referidos neste texto, a eliminação do acento gráfico nas palavras homógrafas graves consagradas pelo Acordo de 1945, em Portugal, e pela Lei n.º 5765, de 18 de dezembro de 1971, no Brasil, regulou desde então muitos outros. Por exemplo: acerto (ê) / (é), acordo (ô) / (ó), forma (ô) / (ó) (substantivos/ formas verbais); cor (ô) / (ó) (substantivo / elemento da locução "de cor"); bola (ô) e bola (ó), sede (ê) e sede (é); molho (ô) / molho (ó), ambos substantivos. Cf. "Supressão dos acentos nas palavras homógrafas: pelo, para, molho. sede, cor", de Lúcia Vaz Pedro ("Jornal de Notícias", 4/10/2015). 

Imagem de destaque do artigo

«Sem sentido» é como o gramático e académico brasileiro Evanildo Bechara qualifica a iniciativa unilateral da Academia das Ciências de Lisboa de uma revisão do Acordo Ortográfico, «um tratado internacional assinado pelos oito países de língua oficial portuguesa. Entrevistado pelo jornalista Miguel Roque Dias para o programa Língua de Todos do dia 24/02 p.p., aponta a dedo o presidente da ACL, Artur Anselmo, que considera «fora de rumo» nessa campanha.