Português na 1.ª pessoa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa
Imagem de destaque do artigo
Pejorativas, dos tempos da escravidão

«Denegrir», «criado-mudo», «fazer nas coxas», «não sou tuas negas», «trabalho de preto» e «da cor do pecado» são algumas da palavras e expressões que usamos no dia a dia sem nos apercebermos como elas podem ser consideradas ofensivas na sua ressonância do que era a escravidão e os  dolorosos tempos vividos pelos negro ao longo da História. Compilação da autora, que, com a devida vénia, transcrevemos do portal brasileiro Universa, com data de 20 de abril de 2019.

Imagem de destaque do artigo
Cinco anos passados da entrada do país na CPLP

A despeito do compromisso da Guiné Equatorial na adoção do português como terceira língua oficial do país, cinco anos passados da sua entrada na CPLP,  com o estatuto de membro de pleno direito, até a página oficial do Governo de Malabo  continua só em espanhol, em francês e.. em inglês. Quanto à outra condição – a abolição da pena de morte no país –  é o que se sabe

Imagem de destaque do artigo
Novos sentidos das palavras

Os verbos evitardispensar são usados atualmente em contextos próximos da negação total ou parcial. Miguel Esteves Cardoso, na sua crónica do dia 22/04/2019 no jornal português Público,  discorre sobre os sentidos que estes verbos conquistaram no léxico comum e como este percurso pode interferir na nossa relação afetiva com a língua. Texto escrito segundo norma anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Imagem de destaque do artigo

Texto do autor sobre obra “Portugiesisch – Weltsprache des Rechts”, publicada pela Deustsch-Lusitanischen Juristenvereinigung, em Heidelberga, dado à estampa no número 136 da  revista O Direito (2004), IV, 811-812. Escrito na norma ortográfica de 1945, em vigor ainda na altura em Portugal.

 

Imagem de destaque do artigo
Nos nomes comuns e nas denominações das estações do ano e dos dias da semana

O uso da minúscula inicial conforme o n.º 1 da Base XIX do Acordo Ortográfico de 1990, num apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro.

Imagem de destaque do artigo
Em nomes de pessoas reais ou imaginárias, festividades, títulos, pontos cardeais, abreviações e denominações de instituições

Os casos em que a maiúscula inicial é obrigatória, conforme o n.º 2 da Base XIX do Acordo Ortográfico de 1990, num apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro.

Imagem de destaque do artigo
Um uso nem sempre adequado

Num acidente, como o que aconteceu na ilha da Madeira com um autocarro com turistas alemães, entre  mortos e feridos, todos são vítimas. Um uso, porém, nem sempre acertadamente seguido nos registos  informativos, noutras circunstâncias.

Imagem de destaque do artigo
O género e grafia da denominação oficial

Afinal qual é a forma correta de nos referirmos e de grafarmos o nome da organização fundada pelo australiano Julien Assange, muito citada ultimamente, depois da sua detenção na Embaixada do Equador, em Londres (onde se encontrava asilado há sete anos)? Por vezes, termos novos que nada têm em comum com a língua portuguesa levam a que indiscriminadamente os tornemos femininos ou masculinos e não nos preocupemos com a devida concordância.

Imagem de destaque do artigo
Os títulos de livros, nomes de santos, disciplinas, logradouros públicos e nomes de templos

Apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro sobre os casos em que se torna facultativo o uso de minúsculas e maiúsculas iniciais, conforme a Base XIX do Acordo Ortográfico de 1990.

Imagem de destaque do artigo
Frederico Lourenço defende as línguas clássicas a propósito da sua Nova Gramática do Latim

Apesar de alguns sinais de recuperação, é mínima, se não mesmo nula, a oferta de latim e grego no ensino não universitário de Portugal, situação agravada pela escassez e desatualização dos materiais de estudo para o público de língua portuguesa. À volta do lançamento da sua Nova Gramática do Latim (Lisboa, Quetzal, 2019) e do seu percurso académico, o professor universitário, classicista, escritor e tradutor Frederico Lourenço defende o regresso das línguas clássicas aos currículos e dá conta dos projetos de tradução que tem levado a cabo – com especial relevo para o da Bíblia em grego, incluindo os Septuaginta –, em entrevista concedida ao jornal digital Observador  (6/04/2019) e aqui transcrita com a devida vénia.

Na imagem, lápide depositada no Museu Municipal José Monteiro do Fundão, na qual se lê a seguinte inscrição em latim (entre parênteses, o desenvolvimento das abreviaturas): Nepos / Arconis F(ilius) / H(ic) S(itus) E(st) / S(it) T(ibi) T(erra) L(evis) (tradução: ««Nepos, filho de Arcão, está aqui sepultado, que a terra lhe seja leve»; informação disponível em Arqueofundao.hotspot.com e Hispania Epigraphica).