Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Almeida Garrett
Almeida Garrett
890

Almeida Garrett (Porto, 1799 - Lisboa, 1854), partiu em 1809 para os Açores aquando da invasão francesa. Em 1816, matriculou-se no curso de Direito em Coimbra e participou na revolução liberal de 1820. Após a Vilafrancada, refugiou-se em Inglaterra tomando contato com a literatura romântica (Byron, Shakespeare e Walter Scott). Em 1824 e 1826, publicou em Paris Camões e Dona Branca, os primeiros poemas do Romantismo português. Em 1826, regressou a Portugal onde se dedicou ao jornalismo. Voltou a exilar-se em 1828 em Inglaterra e foi nomeado cônsul-geral em Bruxelas. Após este período, regressou a Portugal onde se destacou na política e onde dirigiu o Teatro Nacional. Da sua obra, destacam-se: Lucrécia, de 1819; Romanceiro e Cancioneiro Geral, vol. I, de 1843; Frei Luís de Sousa, de 1843; Viagens na Minha Terra, de 1946; Romanceiro e Cancioneiro Geral, vol. II e III, de 1851, e Folhas Caídas, de 1853.

 
Textos publicados pelo autor

A Língua e a poesia portuguesa (bem como as outras todas) nasceram gémeas, e se criaram ao mesmo tempo. Erro é comum, e geral mesmo entre nacionais, pela maior parte pouco versados em nossas coisas, o pensar que a língua portuguesa é um dialecto da castelhana, ou espanhola, segundo hoje inexactamente se diz.