O sentido das palavras, o papel dos pais no ensino dos filhos, a vitalidade e o declínio das línguas no mundo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
O sentido das palavras, o papel dos pais no ensino dos filhos, a vitalidade e o declínio das línguas no mundo
O sentido das palavras, o papel dos pais no ensino dos filhos,
a vitalidade e o declínio das línguas no mundo
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 143

1. Os falantes procuram muitas vezes a palavra que expressa uma determinada ideia. É esse o fundamento de uma das questões colocadas no Consultório que procura a expressão que signifique "a um só tempo". Noutras situações são os sentidos que são sondados, como acontece em «Qual a diferença entre trabalho cooperativo e trabalho colaborativo?» Os usos estão também, agora e sempre, na base de inúmeras dúvidas com que os falantes se deparam na sua experiência de língua: «Diz-se «O tempo é de cerca de 30 minutos» ou «O tempo é cerca de 30 minutos»?», «Cancro de mama ou da mama?», «Posso dizer "nem nenhum"?» e «Quais os modos verbais a usar numa oração subordinada exclamativa introduzida por "Que bom"?». Ainda uma nova nota na resposta relativa ao símbolo do litro (ml ou mL?)

2. Os pais podem assumir um papel fundamental na orientação do estudo dos filhos. Centrando-se na especificidade da disciplina de Português, a professora e formadora Lúcia Vaz Pedro inicia a sua colaboração regular no Ciberdúvidas com um conjunto de conselhos envolvendo diferentes áreas do português. Uma forma de orientar o trabalho dos alunos, disponível na secção Ensino

Cf. Volta ao mundo a bordo da palavra pai

3. A força da narração de histórias é-nos trazida pela professora Sandra Tavares Duarte, que, na sua crónica, nos explica a importância das narrativas na comunicação e, em particular, no mundo dos negócios (na área da publicidade, por exemplo). Uma ferramenta que desperta o lado emocional dos seres humanos e que, por essa mesma razão, é muito eficaz (disponível na rubrica O Nosso Idioma).

4.  Na Montra de Livrosapresenta-se a obra O Piropo Nacional, da Editora Guerra e Paz. Uma obra onde se reúnem piropos de diferentes naturezas e origens: do mais galante ao mais brejeiro. 

5. Registo para algumas curiosidades de âmbito linguístico:

— No mundo, encontramos línguas plenas de vitalidade, faladas por milhões de pessoas. De acordo com o sítio Ethnologue, a língua portuguesa é a sétima língua mais falada do mundo (com cerca de 220 milhões de falantes), numa lista em que o chinês, com os seus dialetos, ocupa o primeiro lugar, seguido do espanhol, do inglês,  do hindi (língua oficial da Índia), do árabe e do bengali (língua oficial do Bangladesh) (mais informações aqui). 

— Noutro plano, muitas línguas vivem uma fase de declínio, estando à beira da extinção. É o caso do ladino, língua também conhecida como judeu-espanhol, que está em risco de desaparecimento, apenas com cerca de 100 mil falantes, muitos dos quais já idosos. Esta era a língua falada no passado pelas comunidades judaicas em Portugal e em Espanha. Segundo a linguista Susanna Zaraysky, «a língua tem duas variantes principais, a Haketia, originária do Norte de África – uma mistura do espanhol do século XV com árabe, hebreu e francês – e os dialetos de judeu-espanhol que se desenvolveram nos Balcãs e na Turquia – uma mistura do espanhol do século XV com influências de turco, grego, hebreu, árabe, francês e línguas eslavas» (notícia desenvolvida aqui);

— No interior da própria língua, assistimos à criação e ao desaparecimento de palavras. Uma nota para a palavra parassuicídio, um termo inusitado que refere atitudes suicidas que não implicam risco de morte ou comportamentos de risco que revelam que o indivíduo não se preocupa com a possibilidade de poder desencadear a sua morte (Dicionário Infopédia em linha). Esta é uma palavra formada pela junção do prefixo para-, que significa «além de»  ao nome suicídio. A junção do prefixo a uma base iniciada por -s- determinou a grafia com dois -ss-, de acordo com a regra já presente no Acordo Ortográfico de 1945

 6Divulgamos aqui os temas dos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa. O Língua de Todos* (emitido pela RDP África) contará com José Carlos Adão, adjunto da coordenação do Instituto Camões em Nova Iorque, para falar do projeto-piloto que elevou o português (em novembro de 2018) a uma das dez línguas ensinadas na Escola Internacional das Nações Unidas, um estabelecimento de ensino privado fundado em 1947, em Nova Iorque, onde estuda a generalidade dos filhos dos funcionários da ONU. No Páginas de Português** (na Antena 2), passará uma entrevista com Cristina Vieira da Silva, professora da Escola Superior de Educação Paula Frassinetti do Porto sobre o conhecimento gramatical de futuros docentes: implicações para a formação de professores.

 Língua de TodosRDP África, sexta-feira, 1 de março, 13h15, com repetição no sábado, dia 2 de março, depois do noticiário das 9h00 + **Páginas de PortuguêsAntena 2, 3 de março, 12h30, com repetição no sábado seguinte, dia 8 de março, pelas 15h30. Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.