A introdução do português na Escola Internacional da ONU e o conhecimento gramatical entre futuros docentes - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A introdução do português na Escola Internacional da ONU e o conhecimento gramatical entre futuros docentes
nos programas A Língua de Todos e Páginas de Português
268

O português tornou-se em novembro de 2018 uma das dez línguas ensinadas na Escola Internacional das Nações Unidas, um estabelecimento de ensino privado fundado em 1947, em Nova Iorque, onde estuda a generalidade dos filhos dos funcionários da ONU. Trata-se para já de um projeto-piloto que será avaliado a cada seis meses e que fica a dever-se aos esforços conjuntos de Portugal e do Brasil, mas cuja continuidade dependerá da procura que a nossa língua tenha na escola. O programa Língua de Todos* (emitido pela RDP África) contará com José Carlos Adão, adjunto da coordenação do Instituto Camões em Nova Iorque, para falar do referido projeto.

Língua de TodosRDP África, sexta-feira, 1 de março, 13h15, com repetição no sábado, dia 2 de março, depois do noticiário das 9h00.

A linguista Cristina Vieira da Silva, investigadora no Centro de Investigação em Estudos da Criança da Universidade do Minho (CIEC-UM) e professora da Escola Superior de Educação Paula Frassinetti do Porto, aplicou um questionário a um conjunto de estudantes na primeira aula de uma unidade curricular do 1.º ano da licenciatura em Educação Básica numa instituição de ensino superior. O diagnóstico centrou-se especificamente na identificação de classes de palavras, dado ser este, segundo as diretrizes curriculares, um conteúdo gramatical estruturante. Os dados indicam que, embora a taxa de acerto se situe acima dos 50%, ainda há uma significativa quantidade de futuros professores que não revela conhecimento gramatical básico. No Páginas de Português** (na Antena 2), entrevista-se Cristina Vieira da Silva sobre as conclusões deste estudo e as implicações do conhecimento gramatical na formação de professores.

 **Páginas de PortuguêsAntena 2, 3 de março, 12h30, com repetição no sábado seguinte, dia 8 de março, pelas 15h30. Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programa disponíveis posteriormente, aqui e aqui.