Lúcia Vaz Pedro - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Lúcia Vaz Pedro
Lúcia Vaz Pedro
27K

Professora de Português e Francês no ensino secundário, na Escola Secundária Inês de Castro (Vila Nova de Gaia). Licenciada em 1992 pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem mais de trinta livros (escolares, romances e infantis) publicados, entre os quais se contam Português atual, Manual do Bom Português Atual, Língua Portuguesa e Matemática e Camões Conseguiu Escrever Muito para Quem Só Tinha Um Olho, bem como edições escolares do Auto da Barca do Inferno e de Os Lusíadas. Formadora na área de Língua Portuguesa, em centros de formação para professores, em colégios privados, na Universidade Católica, na  Sonae, no Jornal de Notícias, no Porto Canal; e a convite do Instituto Politécnico de Macau, em 2014, deu também formação a professores universitários chineses. Assinou durante alguns anos uma crónica semanal no Jornal de Notícias, intitulada "Português Atual" e uma rubrica diária sobre língua portuguesa no Porto Canal. Elaborou um contributo para o grupo de trabalho parlamentar para avaliação do impacto da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Em 2018, foi-lhe atribuída a medalha de mérito cultural pela Câmara Municipal de Gaia. Consultora permanente do Ciberdúvidas, no ano letivo de 2021–22, em regime de destacamento a temo inteiro pelo Ministério da Educação de Portugal.

Vide, ainda:  Autorretrato de uma professora entre o ensino e a escrita

 

 
Textos publicados pela autora
A crítica e o cómico em Gil Vicente
A “marca” literária do 1.º autor teatral português

A expressão latina «ridendo castigat more («corrige os costumes, sorrindo») simboliza toda a obra do primeiro grande dramaturgo em Portugal – assinala a professora Lúcia Vaz Pedro neste seu terceiro artigo dedicado à literatura em língua portuguesa.

Ser conscientemente humano e unido
Uma lição a aprender em A Crónica de de D. João I de Fernão Lopes

A versatilidade da crónica, como género género literário, neste apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro, focando em particular o caso de A Crónica de D. João I de Fernão Lopes 

O desnudar da humanidade na poesia trovadoresca
Várias influências entrelaçadas

As características mais marcantes das cantigas de amigo e de amor, neste segundo texto da professora Lúcia Vaz Pedro da nova rubrica no Ciberdúvidas dedicada à literatura em língua portuguesa.

O poder demiúrgico do escritor
Escrever para não morrer

«Quando o escritor acredita que o que escreve é a sua missão mais importante no mundo, terá o mesmo destino de Sísifo e vê-se condenado a empurrar pela montanha acima uma sempiterna pedra que nunca deixará de rolar pela montanha abaixo», considera a professora Lúcia Vaz Pedro neste texto inaugural da nova rubrica no Ciberdúvidas dedicada à literatura em língua portuguesa – da poesia trovadoresca a Camões, Eça de QueirósFernando Pessoa até às obras e seus autores contemporâneos.

Na educação, o exemplo vem de cima, sim!
Não deve um professor mandar calar um aluno?

«Um professor deve ensinar. Fá-lo-á muito melhor, quando os alunos permitem que ele o faça. Para isso acontecer, os pais, os irmãos mais velhos, a família deve dar-lhes o exemplo, pois o exemplo vem de cima.»

Artigo de opinião de Lúcia Vaz Pedro, professora de Português e Francês no ensino secundário, incluído no Público em 4 de abril de 2022, a propósito de um outro artigo saído no mesmo jornal, em 31 de março de 2022, da autoria de Ana Stilwell e Isabel Stilwell, no qual se sustenta que os professores não deviam mandar calar os alunos e a boa-educação é atribuição das escolas – "à [sua] cultura de empresa".