Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Ensino
Questões relativas ao ensino do português língua materna/língua estrangeira.
Imagem de destaque do artigo
Frederico Lourenço defende as línguas clássicas a propósito da sua Nova Gramática do Latim

Apesar de alguns sinais de recuperação, é mínima, se não mesmo nula, a oferta de latim e grego no ensino não universitário de Portugal, situação agravada pela escassez e desatualização dos materiais de estudo para o público de língua portuguesa. À volta do lançamento da sua Nova Gramática do Latim (Lisboa, Quetzal, 2019) e do seu percurso académico, o professor universitário, classicista, escritor e tradutor Frederico Lourenço defende o regresso das línguas clássicas aos currículos e dá conta dos projetos de tradução que tem levado a cabo – com especial relevo para o da Bíblia em grego, incluindo os Septuaginta –, em entrevista concedida ao jornal digital Observador  (6/04/2019) e aqui transcrita com a devida vénia.

Na imagem, lápide depositada no Museu Municipal José Monteiro do Fundão, na qual se lê a seguinte inscrição em latim (entre parênteses, o desenvolvimento das abreviaturas): Nepos / Arconis F(ilius) / H(ic) S(itus) E(st) / S(it) T(ibi) T(erra) L(evis) (tradução: ««Nepos, filho de Arcão, está aqui sepultado, que a terra lhe seja leve»; informação disponível em Arqueofundao.hotspot.com e Hispania Epigraphica).

Imagem de destaque do artigo
Que mais assombram os professores

A vírgula entre o sujeito e o predicado, a falta de acentos, os problemas ortográficos, as regências verbais ou as palavras inexistentes... Estes são alguns dos erros persistentes que os professores têm de corrigir vezes sem conta nas nossas escolas, como nos dá conta Carla Marques numa listagem de 10 erros frequentes, cuja origem se procura compreender. 

Imagem de destaque do artigo
Frederico Lourenço, a propósito da sua Nova Gramática do Latim
Por João Céu e Siva/Frederico Lourenço

Excertos da entrevista que Frederico Lourenço, classicista, professor da Universidade de Coimbra e tradutor Bíblia grega, concedeu ao jornalista e escritor João Céu e Silva [in Diário de Notícias, de 16/03/2019] j sobre a sua mais recente obra, a Nova Gramática do Latim (Lisboa, Quetzal, 2019).

Na imagem, uma representação das divisões administrativas do ocidente da Hispânia na época romana.

Imagem de destaque do artigo
A multifuncionalidade da língua, conciliando o prazer da leitura

«Indubitavelmente, o texto literário projeta ao máximo a multifuncionalidade da língua, conciliando o prazer da leitura ao desenvolvimento da compreensão/expressão escrita. Essa leitura deverá ser atenta, reflexiva, capaz de esmiuçar sentidos, de ensinar a descobrir as potencialidades do português.» São considerações da professora Lúcia Vaz Pedro no apontamento que segue, dedicado ao papel da literatura e da leitura no ensino/aprendizagem do Português.

Imagem de destaque do artigo
Escrita criativa na aula de Português

A experiência da escrita criativa que foge às marras do tradicional e às técnicas «puramente reprodutivas» é a base de um relato/reflexão sobre os desafios que se podem levar para a sala de aula (artigo transcrito do jornal Observador, com a devida vénia).

Imagem de destaque do artigo
Tanto no ensino como para o domínio da língua

Muitos dos problemas dos utilizadores do português passa por um total desconhecimento das suas regras – como descreve neste apontamento a professora Lúcia Vaz Pedro.

Imagem de destaque do artigo
Orientações para atividades de acompanhamento

«É preciso tomar consciência de que, ao nível da Língua Portuguesa, tudo passa pela leitura», lembra a a professora Lúcia Vaz Pedro neste texto, escrito expressamente para o Ciberdúvidas com o intuito de registar algumas sugestões para, no estudo da disciplina de Português, os pais acompanharem os filhos mais de perto e de forma relevante.

Imagem de destaque do artigo
Por que método?

Em Portugal, aceita-se frequentemente que a tradicional exposição em aula de conteúdos gramaticais, embora vigore na prática, é contraproducente no desenvolvimento de competências, sendo preferível uma abordagem indutiva. Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, dá conta de como comparou os dois métodos no texto que segue, lido na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português, pela Antena 2 transmitido em 27/01/2018 .

Imagem de destaque do artigo
Falsas certezas no ensino das línguas

Em Portugal, julga-se que há respostas óbvias no domínio da pedagogia, da didática ou das metodologias no ensino de línguas, mas parecem escassear os dados quantitativos que as validam. O que se tem como certeza talvez não passe de mera impressão, faltando acesso ao tipo de formação requerida por uma investigação bem fundada. A crítica é da linguista Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, que a formula num texto elaborado para a rubrica "Cronigramas" do programa Páginas de Português, transmitido pela Antena 2 em 16/12/2018.

Imagem de destaque do artigo
O papel da memória na aprendizagem

A memorização anda hoje mal vista no contexto escolar, mas será que a compreensão e a aprendizagem poderão dispensar tal processo na desenvolvimento e consolidação de competências? Procurando responder à questão, o texto que se segue é a transcrição do apontamento que Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, fez para a rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português, emitido pela Antena 2 em 9/12/2018.