«Cancro da mama» vs. «cancro de mama» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Cancro da mama» vs. «cancro de mama»

Deve dizer sempre «cancro da mama», e nunca «de mama»? Este último está sumamente errado?

Compreende-se que da é a contratação de de+a, mas então o artigo definido é imprescindível?

Obrigada.

Adelaide Richardson Locutora Seixal, Portugal 354

É prática comum o uso do artigo definido quando nos referimos ao cancros que afetam os diferentes órgãos: «cancro da mama», «cancro do pâncreas», «cancro do pulmão», etc. Tal uso está consagrado na página da Liga Portuguesa contra o Cancro.

Contudo, podemos verificar que entre os profissionais de saúde não há acordo, pois também há registos de «cancro de mama» sem o artigo, como é o caso da Fundação Champalimaud, que atesta esta forma. Concluímos assim que ambas as formas estão corretas, no entanto prevalece o uso do artigo em «cancro da mama». 

Refira-se que, no Brasil, onde em vez de cancro se diz câncer, há variação no uso do artigo definido com o termo referente ao órgão afetado. É a conclusão que se tira pela consulta do sítio eletrónico do Ministério da Saúde brasileiro: «câncer de mama», «câncer de pâncreas» (sem artigo definido), mas «câncer da bexiga», «câncer do pulmão» (com artigo definido) – ainda que sejam mais frequentes «câncer de bexiga» e «câncer de pulmão» noutras páginas eletrónicas identificadas como brasileiras.

Sara Mourato
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: determinante