Dora Gago - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Dora Gago
Dora Gago
3K

Doutorada em Literaturas Românicas Comparadas pela Universidade Nova de Lisboa (2007), Mestre em Estudos Literários Comparados (Univ. Nova) e licenciada em Português-Francês pela Universidade de Évora.). Foi Professora Auxiliar e, posteriormente, Associada, no Departamento de Português da Universidade de Macau (China), tendo sido diretora e vice-diretora do mesmo departamento. Com funções letivas, também, no ensino secundário em Portugal, Leitora do Instituto Camões na Universidade da República Oriental do Uruguai; investigadora de pós-doutoramento na Universidade de Aveiro e pós-doc visitante na Universidade de Massachusetts Amherst. Autora de publicações na área da Literatura Comparada e também de poesia e de ficção, com  comunicações em Congressos Internacionais em vários países e participado em festivais literários (na Índia, Macau, Portugal). Recebeu vários prémios, destacando-se o Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca (2006), com A Sul da escrita. Tem 12 livros publicados, sendo os mais recentes: Uma cartografia do olhar: exílios, imagens do estrangeiro e intertextualidades na Literatura Portuguesa (2020, finalista dos Prémios de Ensaio do Pen Club), Floriram por engano as rosas bravas (2022) e Palavras nómadas (2023).

 
Textos publicados pela autora
O homem do leme
Aulas ao som dos Xutos e Pontapés
Por Dora Gago

«Uma das músicas que gostava de passar — conta neste texto* a professora e escritora Dora Gago —  era “o homem do leme” dos Xutos e Pontapés para o comparar com outros homens do leme, como é o caso de Vasco da Gama no episódio de o Adamastor de Os Lusíadas e o “homem do leme” de “o Mostrengo” na Mensagem de Pessoa

*in Algarve Informativo, com a data de 17 de fevereiro de 2024.

Uma luz em tempo de trevas
O milagre da leitura
Por Dora Gago

«Portugal, hoje és nevoeiro”». Mais actual do que nunca. A minha mente divaga como cavalo sem freio, galopando sem limites entre tempos e espaços. Sim, é isto que a leitura faz em nós: planta sementes, condensa ou expande o tempo, dilata o espaço e os horizontes, alarga-nos o universo.»

Artigo da professora e escritora Dora Gago, transcrito, com devida vénia, da revista digital Algarve Informativo, com a data de 3 de fevereiro de 2024. Texto escrito segundo a norma ortográfica de 1945.

Do verbo aziar ao <i>nécessaire</i>
Tempos de escassez vocabular e da falta de leitura básica nas escolas
Por Dora Gago

«Por vezes — conta neste artigo a professora e escritora Dora Gago — , o vocabulário que tenho de explicar é tão elementar que se torna difícil. [Até] houve um aluno que me disse que eu falava com “coisas que pareciam tiradas dos livros”. As “coisas” ou “cenas” corresponderão a palavras, vocábulo que também se vai apagando daquilo que antes se podia chamar de «bagagem vocabular», agora reduzida a um nécessaire, uma daquelas malinhas muito pequeninas, onde colocamos o mais básico quando viajamos.»

Leitura: lentes para ver o mundo
Num tempo cativo das notícias falsas, do sensacionalismo e da manipulação
Por Dora Gago

«Há já uns bons anos, talvez mais de quinze, alguns alunos de uma turma de 9.º ano me terem confidenciado, que nunca viam filmes nem séries que não fossem faladas em português. Perante a minha estranheza, explicaram: não eram capazes de ler as legendas. (…) Hoje, todos os sinais evidenciam que esta situação só piorou.»

Artigo da professora e escritora Dora Gago, transcrito, com a devida vénia, da revista digital Algarve Informativo, com a data de 22/12/2023. Texto escrito segundo a norma ortográfica de 1945

 

Das famílias e dos parentescos
As características específicas no mandarim
Por Dora Gago

A complexidade dos nomes distintos (e a sua razão) para cada um dos membros da família no mandarim, comparados com os da língua portuguesa.

Artigo da professora e escritora Dora Gago, transcrito, com a devida vénia, da revista digital Algarve Informativo, com a data de 4 de novembro de 2023. Texto escrito conforma a norma ortográfica de 1945.