Um erro maléfico, palavras sem feminino, o significado de icástico e os usos de ficar alerta(s) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Aberturas Abertura
Um erro maléfico, palavras sem feminino, o significado de icástico e os usos de ficar alerta(s)
Um erro maléfico, palavras sem feminino,
o significado de icástico e os usos de ficar alerta(s)
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 199

1. O facto de na tradução portuguesa do título do novo filme da DisneyMaléfica: Mestre do Mal, se optar pela forma masculina (mestre) e não pela forma feminina (mestra) dá azo a um exercício de interpretação em busca de possíveis intenções subjacentes a esta má opção gramatical, num apontamento de Carla Marques, colaboradora permanente do Ciberdúvidas. Questões relacionadas com a formação do feminino têm motivado diversas publicações que apontam quer para o predomínio da flexão masculina, num sentido, quer para a pressão que a realidade extralinguística exerce sobre a língua, noutro sentido. É esta pressão que procura a estabilização do uso de femininos de palavras como general, presidente, carteiro, pedreiro ou alfaiate, só para recordar alguns casos mais evidentes.

No Ciberdúvidas, muitos outros artigos/respostas têm abordado esta temática: «juíza + a aprendiza», «Qual o feminino de bombeiro, «A árbitra», «A tropa no feminino», «O feminino de bispo, gamo e pardal»,  «embaixador / embaixatriz», «Soldado / soldada?», «Generala», «Embaixador/as e embaixatrizes, cônsules e consulesas», «Primeira-ministra».  

2. No Consultório, procura-se aferir se o termo icástico é uma palavra monossémica, o que impedirá que se lhe associe subjetividade. Ainda no domínio lexical, faz-se a distinção entre musculado musculoso e esclarece-se o uso do verbo fazer associado à expressão do tempo cronológico e do tempo atmosférico. Atentando, por outro lado, nas expressões «a montante» e «a jusante», explica-se por que razão não contraem com o artigo definido. Por fim, analisa-se a possibilidade de a palavra alerta poder flexionar em número. 

3. O início do ano letivo tem trazido à atualidade noticiosa diversos casos de violência nas escolas portuguesas. A classe docente, como é natural, não fica alheia a estes acontecimentos que nada têm a ver com a sua funçãp primordial: ensinar. Num artigo que aborda o cansaço físico e psíquico que os docentes vivem no atual contexto de ensino, a professora Lúcia Vaz Pedro partilha o seu ponto de vista, numa altura em que é importante conhecer os vários lados da situação que se vive (artigo originalmente divulgado no jornal Público).  

4. A proximidade existente entre palavras como aderênciaadesão é uma das situações que, por vezes, gera perplexidade aos utilizadores da língua, o que os leva a hesitar na sua utilização (e, eventualmente, a errar). O mesmo se verifica entre as palavras despercebido e desapercebido ou entre cético e sético. Estes e outros casos são tratados pela lexicógrafa Ana Salgado, no seu apontamento «Palavras que nos confundem», publicado na plataforma Gerador

5. O professor universitário e tradutor Marco Neves disponibiliza, no seu blogue Certas Palavras, o primeiro capítulo da obra Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português  (já aqui apresentada) onde aborda alguma especificidades do português, nomeadamente o valor gramatical de alguns verbos.

6. Na atualidade relacionada com a língua, damos destaque às seguintes notícias: 

— O Camões – Centro Cultural Português em Maputo promove um Curso de escrita criativa intitulado “Escrever para Crianças”, dinamizado pelo escritor Calane da Silva, durante o mês de novembro;

— A abertura de uma escola anglo-portuguesa em Londres, no ano letivo de 2020-2021, que dividirá o ensino das disciplinas entre o português e o inglês (notícia aqui);  

— O IILP (Instituto Internacional da Língua Portuguesa) vai promover o XI Curso de Capacitação, que visa à capacitação de professores, bem como de pessoas em formação na área de português como língua estrangeira/segunda língua, para a elaboração de roteiros didáticos para o português língua estrangeira;

— A proposta de constituição da língua de portuguesa a língua de trabalho do Comité Paralímpico Internacional que será votada no dia 27 de outubro pelos membros deste comité (ver notícia).

     Recordemos, a este propósito, o parecer da linguista Margarita Correia, que indica que a grafia correta da palavra é a forma paraolímpico

7. A primeira reunião do Conselho de Ortografia da Língua Portuguesa (COLP), a homenagem prestada aos académicos Evanildo Bechara e João Malaca Casteleiro e o livro Comunicar com Sucesso, da professora e consultora linguística Sandra Duarte Tavares são os temas em destaque nos programas de rádio que a Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa produz para a rádio pública portuguesa.

Estes programas são repetidos: o Língua de Todos, no sábado, dia 26 de outubro, depois do noticiário das 09h00, e o Páginas de Português no sábado seguinte, dia 2 de novembro, às 15h30. Hora oficial de Portugal continental,  ficando ambos os programas disponíveis posteriormente aqui e aqui.