Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Regras para o emprego da próclise

Sempre fico em dúvida sobre o quão longe o verbo deve estar do "termo atrativo" para usar-se a ênclise. Vejam estes casos:

1. Ele afirmou que se usa assim. 2. Ele afirmou que isso se usa assim. 3. Ele afirmou que a próclise se usa assim. 4. Ele afirmou que a próclise sempre se usa assim. 5. Ele afirmou que em todos os casos a próclise se usa assim. 6. Ele afirmou que em todos os casos, sem exceção, a próclise se usa assim. 6. Ele afirmou que em todos os casos, sem absolutamente nenhuma exceção, a próclise sempre, sempre, se usa assim.

Os exemplos não estão muito bons, mas dá pra ilustrar a questão. Em qual desses pontos deve-se parar de usar a próclise e começar a usar a ênclise e porquê?

Daniel Marques Estudante São Paulo, Brasil 605

próclise, a mesóclise e a ênclise estão sujeitas a regras estipuladas pelas gramáticas; por exemplo, a gramática de Evanildo Bechara, Moderna Gramática Portuguesa, Rio de Janeiro, Editora Lucerna, 2001, 37.ª ed., p. 587.

A próclise, que é a colocação do pronome oblíquo átono antes do verbo, está condicionada pelos seguintes casos:

– com palavras ou expressões negativas.

– com conjunções subordinativas.

– com advérbios.

– com pronomes relativos, demonstrativos e indefinidos.

– em frases interrogativas.

– em frases exclamativas ou optativas que transmitam desejo.

– com o verbo no gerúndio antecedido da preposição em.

 

No caso apresentado, «Ele afirmou que se usa assim», está-se perante uma frase complexa constituída por uma oração subordinante e outra subordinada substantiva completiva (onde se usa a próclise). Respeita, pois, a regra gramatical. A junção dos novos elementos ao enunciado não modifica a relação de subordinação entre as duas orações e as funções sintáticas que se estabelecem, razão pela qual a próclise se deve manter, independentemente do quão longe possa estar o verbo do “termo atrativo”. Por este motivo, sabendo-se que a ênclise [colocação do pronome átono depois do verbo] se deve utilizar com:

– verbo no infinitivo;

– verbo no início da frase;

– verbo no imperativo afirmativo;

– verbo no gerúndio [excetuando quando vier precedido de preposição ou de palavra atrativa, dando-se a próclise];

– verbo no infinitivo impessoal;

considera-se que a próclise está correta em todas as frases apresentadas, e não a ênclise, apesar de o emprego da pŕoclise e da ênclise poder ter diferença em Portugal e no Brasil, como o Ciberdúvidas já referiu noutras respostas anteriores. Por exemplo, aqui e aqui

Filipe Carvalho
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Sintaxe