Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa Ensino
Questões relativas ao ensino do português língua materna/língua estrangeira.
Os alunos estrangeiros nas escolas portuguesas
O impacto da língua materna na aprendizagem do português

«Para que um professor de PLNM consiga assegurar um ensino de qualidade e no qual proporcione um acompanhamento que permita esclarecer muitas das dúvidas dos seus alunos é necessário que, para além da atenção prestada aos modelos e materiais didáticas, se procure também conhecer um pouco o grupo de estudantes, nomeadamente, as suas culturas e línguas» – afirma a consultora Inês Gama que, no seguimento do tema do ensino do português como língua não materna, reflete neste apontamento sobre o impacto da língua materna dos alunos na aprendizagem do português, dando como exemplo o nepali.

O português como língua não materna nas escolas
Os desafios da disciplina de PLNM

«Muitos dos alunos que frequentam [a disciplina de Português como Língua Não Materna] e dos professores que a lecionam deparam-se com desafios variados de difícil resolução.» Neste apontamento, a consultora Inês Gama reflete sobre a disciplina de Português Língua Não Materna (PLNM), oferta do currículo escolar português.

A diversidade linguística nas instituições de ensino
Os novos desafios do ensino do português

«Com o início de mais um ano letivo em Portugal, muitos professores encontram na sua sala de aulas grupos de alunos heterogéneos e com caraterísticas linguísticas muito diversificadas, resultado da multiculturalidade crescente em muitas escolas públicas portuguesas. Este desafio recente exige que, para além de se priorizar a integração social, se favoreça a aprendizagem da língua portuguesa.» São reflexões de Inês Gama, num apontamento sobre os novos desafios do ensino do português nas escolas portuguesas, onde hoje a diversidade é uma realidade.

O digital no ensino
Uma fábrica de cretinos

«Não, o digital não é a solução! A solução é o regresso ao livro e à cultura. Pois bem, para que tal aconteça, quem ensina precisa de ter três condições fundamentais (as condições do investigador), sem as quais a Escola e a Universidade não existem: dinheiro, tempo e habitação.» Assim se refere criticamente o professor, poeta e crítico literário António Carlos Cortez à presença das tecnologias da informação e dos recursos digitais no sistema de ensino, em artigo de opinião publicado no Diário de Notícias em 16 de abril de 2023.

Educação digital: um passo no caminho da inclusão <br>ou um obstáculo?

«“[A] tecnologia e o digital dão a todas as pessoas uma vivência mais inclusiva” e [estes meios revelam-se] como “ferramentas poderosas para promover a inclusão”» – afirmou a professora universitária e investigadora Sílvia Couvaneiro (Instituto de Educação da Universidade de Lisboa) no debate realizado no âmbito das PSuperior Talks, uma iniciativa do Público em parceria com outras entidades, com vista a promover a literacia mediática nos estudantes universitários.

Do encontro, transcreve-se, com a devida vénia, uma síntese da autoria do jornalista João Santos Silva e incluída o caderno P3 do referido jornal (edição de 11 de março de 2023). Mantém-se a ortografia usada no original.

 

As aulas de Português, a existência e o significado
Memórias da disciplina de Português

«Encontrei um velho livro de Português no sótão de casa dos meus pais. Português B, especificava a capa feia, decorada em tons de castanho.» Partindo desta frase, Carmen Garcia, colaboradora do jornal Público, enceta uma viagem às memórias da disciplina de português e da literatura que conheceu. Mantém-se a ortografia do texto original.

Será que burro velho não aprende línguas?
Sobre a aprendizagem de línguas e a plasticidade do cérebro

«A plasticidade do cérebro em desenvolvimento é muito grande (só assim se explica tudo o que uma criança aprende nos primeiros anos de vida) e vai diminuindo com a maturidade, embora não desapareça» – observa da linguista e professora universitária  portuguesa Margarita Correia, num apontamento sobre as diferenças etárias na aprendizagem de línguas e o conceito de neuroplasticidade. Texto transcrito com a devida vénia do Diário de Notícias de 27 fevereiro de 2023.

 

A literatura africana nas escolas
A experiência brasileira

«Nós, como professores de literatura no Brasil, encontramos uma pluralidade de alunos, com anseios e desejos diversos. E como tais, esses alunos são, em sua maioria, jovens com vontade de representação, até porque estão na idade de se afirmarem num mundo para o qual vinham se preparando. Uma literatura que reflita apenas a visão de mundo europeia limitaria não somente a sua percepção como não necessariamente os representaria.»

Reflexão do professor e investigador de Português brasileiro Roberto Lota sobre a presença das literaturas de países africanos de língua portuguesa nos programas escolares no Brasil. Texto publicado no mural Língua e Tradição, no Facebook em 05 de feveriro de 2023, a seguir transcrito com a devida vénia.

Das línguas e dos professores das mesmas
A competência plurilingue e pluricultural na sala de aula

«Quando há 42 anos comecei a dar aulas de Português e de Francês numa escola pública de Lisboa (ainda sem habilitação própria; nem formação específica para o ensino), não tinha muita consciência de que o Português que ensinava era a língua materna dos meus alunos e o Francês era uma língua estrangeira, embora esse conhecimento determinasse a qualidade do meu desempenho» – lembra a linguista e professora universitária portuguesa Margarita Correia no seu artigo semanal do Diário de Notícias, publicado em 6 de fevereiro de 2023, acerca da aquisição e aprendizagem de línguas e dos professores das mesmas e a sua formação.

O ensino das preposições em Português <br>como Língua Estrangeira
Porque é o seu ensino é desafiante?

«Muitas vezes, no decurso das aulas, perguntam-me porque é correto dizer «chegar a casa» e não «chegar para casa»? A este propósito, a experiência indica-me que muitos dos problemas relacionados com o uso das preposições em PLE dizem respeito a casos especiais da sua aplicação».

Artigo da professora Inês Gama sobre o ensino das preposições em Português como Língua Estrangeira (PLE).