A atração pronominal numa frase com dois verbos pronominais - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A atração pronominal numa frase com dois verbos pronominais

A minha pergunta pode ser simples, mas é para mim uma dor de cabeça, e já tentei, sem sucesso, pesquisar a resposta. É a seguinte:

Os atratores da próclise atraem todos os clíticos da frase, ou apenas o mais próximo? Exemplo, qual destas frases seria correta:

a) «Nunca se dignou a aproximar-se», ou b) «Nunca se dignou a se aproximar»?

Qual destas é a correta?

Desde já agradeço a vossa colaboração!

Carlos Mafumachino Tradutor Maputo, Moçambique 3K

Os chamados atratores de próclise1 só afetam os pronomes átonos (também chamados clíticos) que estão mais próximos.

Quando se trata de construções de auxiliar + verbo principal no infinitivo (p. ex., vai aproximar-se) ou verbo principal + oração com verbo no infinitivo (p. ex., deseja aproximar-se), os chamados atratores de próclise1 só afetam os pronomes que estão ou podem estar ligados ao verbo auxiliar ou aos verbos principais:

1. Nunca vai aproximar-se.

2. Nunca se vai aproximar.2

Em 1, o advérbio nunca não afeta o pronome átono (clítico) se que está associado ao verbo principal (aproximar-se). Contudo, em 2, já exerce a sua atração, porque o clítico se está associado ao auxiliar, como comprova a afirmativa equivalente: «vai-se aproximar» > «nunca se vai aproximar».

No caso de verbos como desejar ou dignar-se (podendo este último ter preposição ou não), seguidos de uma oração com o verbo no infinitivo, também o advérbio nunca e as palavras de comportamento semelhante só têm ação sobre os clíticos que apareçam associados a esses verbos (o ? assinala problemas de aceitabilidade):

3.a. Nunca desejou aproximar-se.

   b. ?Nunca se desejou aproximar.3

5. a Nunca se dignou aproximar-se.

    b. ?Nunca se dignou se aproximar.

Observe-se que o verbo dignar-se pode ocorrer com preposição a ou de (cf. J. Malaca Casteleiro, Dicionário de Verbos Portugueses, Lisboa, Texto Ediotra, 2007, s.v. dignar-se):

6. a. Nunca se dignou de aproximar-se.

    b. Nunca se dignou a aproximar-se.

    c. Nunca se dignou de se aproximar.

    d. ?Nunca se dignou a se aproximar.

Em 6a e 6b, observa-se que nunca só atrai o clítico ligado a dignar; o se associado a aproximar não se desloca na frase, donde se infere que nunca não tem alcance sobre o pronome. Quanto às frases 6c e 6d, em que o se de aproximar-se precede o verbo, não se deve esta deslocação à atração de nunca. Em 6c e 6d, são as preposições (e não o advérbio nunca) que funcionam como atratores de próclise nas orações de infinitivo que introduzem; daí a possibilidade de próclise nessas orações. Mesmo assim, se, em 6c, é de que atrai o pronome, sem restrições gramaticais, tal como acontece com o uso auxiliar de ter de («tenho de me aproximar»), já em 6d, a preposição a revela dificuldade em atrair o clítico de aproximar-se, o que leva a preferir a frase 6b como bem formada. 

Em síntese, numa frase em que ocorra a sequência de dois verbos, cada um conjugado pronominalmente (p. ex. «dignar-se aproximar-se»), só o primeiro será afetado pela palavra que, estando eventualmente à cabeça da frase principal, determina a próclise: «Nunca se dignou aproximar-se»).

1 Atratores de próclise são palavras pré-verbais que fazem com que os pronomes átonos (também chamados clíticos) passem a ocupar uma posição igualmente pré-verbal (próclise). Por exemplo, se à frase «ele enganou-se» se juntarem em posição inicial os advérbios ou apenas, que são atratores de próclise, o pronome se passa a figurar imediatamente antes do verbo: «/apenas ele se enganou». O mesmo acontece com o advérbio de negação não: «ele não se enganou». Consultar os Textos Relacionados.

2 Nas variedades brasileiras do português é possível «nunca vai se aproximar». Sobre a coloção dos clíticos no português do Brasil, leia-se "A colocação dos pronomes átonos".

3 É possível que alguns falantes aceitem «nunca se desejou aproximar», uma vez que é gramatical o uso homólogo de querer: «nunca se quis aproximar». Leia-se "O pronome átono com auxiliar + verbo principal".

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Ordem dos constituintes