O uso frásico do advérbio estritamente - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso frásico do advérbio estritamente

Há algo que vi recentemente, nunca havia pensado nisso, mas me surgiu do nada. Em casos como «É proibido estritamente usar, copiar ou referir-se a qualquer tipo de conteúdo protegido por direitos autorais», o correto seria «se referir», já que o advérbio estritamente estaria diretamente ligado aos três verbos, forçando o uso da próclise?

Ou ele só modificaria o primeiro verbo, como por exemplo: «Fuja imediatamente caso se sinta, veja-se ou imagine-se em situação de perigo.»

Ou, nesses casos, o advérbio obrigatoriamente deve estar entre vírgulas, podendo-se utilizar a ênclise?

Agradeço desde já.

Eduardo Araújo Advogado Fortaleza, Brasil 42

A frase «É proibido estritamente usar, copiar ou referir-se a qualquer tipo de conteúdo protegido por direitos autorais» está correta.

Esta é uma frase copulativa cujos constituintes têm as seguintes funções:

(i) Sujeito: «usar, copiar ou referir-se a qualquer tipo de conteúdo protegido por direitos autorais»

(ii) Predicativo do sujeito: «É proibido estritamente»

Esta divisão da frase em constituintes mostra-nos que o escopo do advérbio estritamente é o adjetivo proibido, pelo que não afeta o conjunto de orações coordenadas que desempenha a função de sujeito, não funcionando, portanto, como atrator de próclise

Disponha sempre!

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo